“EVANGELIZAR É COMPROMISSO, NÃO É VIAGEM!”: ESPACIALIDADES NA RELAÇÃO HIP-HOP E RELIGIÃO

Dalvani Fernandes

Resumo


Neste texto traremos algumas reflexões frutos de um estudo a nível de doutorado em Geografia Humana, que se pautou em observações participante realizadas na Célula da Rima, espaço criado pela Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra (Curitiba/PR) para evangelização dos jovens através do Rap. Nesse lugar religião e hip-hop se enlaçam resultando em conflitos e novas compreensões da realidade: a periferia torna-se local de evangelização em potencial, os discursos sócio-combativos entram em choque com conteúdo conservador, a comunidade religiosa acolhe o Rap, e os rappers acabam tendo um templo para expressarem uma face da sua própria comunidade. São conceitos importantes nesse trabalho: espacialidade, forma simbólica, religião, igreja e hip-hop. Apresentaremos algumas contribuições conceituais provenientes dos estudos em Geografia da Religião, na qual nos pautamos para criação do nosso método de pesquisa. Alguns resultados de nossa tese também serão compartilhados com objetivo de ilustrar algumas possibilidades abertas pela Geografia no campo de análise do fenômeno religioso.

Palavras-chave


hip-hop, religião, forma simbólica

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Rubem. O que é religião. Vol. 5. São Paulo: Brasiliense, 1981.

ARNS, Paulo Evaristo. O que é igreja. Vol. 5. São Paulo: Brasiliense, 1981.

CAMPOS, Leonildo Silveira. As origens norte-americanas do pentecostalismo brasileiro: observações sobre uma relação ainda pouco avaliada. Revista USP, São Paulo, nº67, setembro/novembro 2005. p.100-115.

CASSIRER, Ernst. Filosofia das Formas Simbólicas I – A linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001. (1ª ed. 1923)

_____. A filosofia das formas simbólicas II – o pensamento mítico. São Paulo: Martins Fontes, 2004. (1ª ed. 1925)

_____. A filosofia das formas simbólicas III – fenomenologia do conhecimento. São Paulo: Martins Fontes - selo Martins, 2011. (1ª ed. 1929)

_____. Ensaio sobre o Homem: introdução a uma filosofia da cultura humana. São Paulo: Martins Fontes, 2005. (1ª ed. 1944)

COHEN, Anthony P. The symbolic construction of community. London and New York: Routledge, 2007. (1ª ed. 1985)

ELIADE, Mircea. Tratado de história das religiões. Lisboa: Cosmos, 1977.

FERNANDES, Dalvani. Geografia da Religião: um olhar sobre as espacialidades da Assembleia de Deus. 130f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal do Paraná. Curitiba: 2012.

_____. Célula da Rima: a conformação simbólica do espaço na relação hip-hop e religião. 236f. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Federal do Paraná. Curitiba: 2016.

_____. Conformação simbólica do espaço: um estudo sobre a relação hip-hop e religião. GeoTextos, vol. 13, n. 1, julho 2017. p.149-169

GIL FILHO, Sylvio F. Geografia da Religião: reconstruções teóricas sob o idealismo critico. In: KOZEL, S.; SILVA, J. da C.; GIL FILHO, S. F. (Orgs). Da Percepção e Cognição à Representação: reconstruções teóricas da Geografia Cultural e Humanista. São Paulo: Terceira Margem; Curitiba, NEER, 2007. p.207-222.

_____. Espaço Sagrado: estudos em geografia da religião. Curitiba: Ibpex, 2008.

_____. Da ontologia do sagrado de Rudolf Otto ao sagrado como forma simbólica. In: JUNQUEIRA, S. (Org) O Sagrado: fundamentos e conteúdo do ensino religioso. Curitiba: Ibpex, 2009. p.69-89.

_____. Formas Simbólicas em Ernst Cassirer: ensaio para uma Geografia da Religião Compreensiva. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia, 9, 2011a. Anais... Goiânia: UFG, 2011a. (CD-ROM)

_____. La géographie des formes symboliques chez Ernst Cassirer. Géographie et cultures. 78, 2011b. p.1-13.

_____. Espacialidades de conformação simbólica em Geografia da Religião: um ensaio epistemológico. Espaço e Cultura, UERJ, RJ, nº32, jul/dez 2012. p.78-90

HUNTINGTON, Ellsworth. Mainsprings of civilization. New York: John Wiley and Sons, 1945.

JAPIASSÚ, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de filosofia. 3 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

KONG, L. Geography and religion: trends and prospects. Progress in Human Geography, vol. 14, nº 3, London, 1990. p.355-371.

NEPEC. www.nepec.igeog.uerj.br Acessado em 03/08/2014.

NUPPER. www.nupper.com.br Acessado em 03/08/2014.

MENEZES, Jaileila de Araujo; COSTA, Mônica Rodrigues. Desafios para a pesquisa: o campo-tema movimento Hip-Hop. Psicologia & Sociedade, 22 (3), 2010. p.457-465.

PEREIRA, Clevisson Jr. Geografia da religião e a teoria do espaço sagrado: a construção de uma categoria de análise e o desvelar de espacialidades do protestantismo batista. 285 f. Tese (Doutorado em Geografia). UFPR, Curitiba, 2014.

_____. Do sagrado ontológico à forma simbólica: o espaço sagrado como categoria de análise na geografia da religião. IN: V Simpgeo – Simpósio Paranaense de pós-graduação e pesquisa em geografia. Estado da Arte, tendências e desafios, 5, 2010. Anais... Curitiba: UFPR, 2010b. (CD-ROM) p.1181-1193

_____; GIL FILHO, Sylvio Fausto. Geografia da Religião e Espaço Sagrado: diferenças entre as noções de lócus material e conformação simbólica. Ateliê Geográfico, v.6, nº1, abril de 2012. p.35-50.

RINSCHEDE, G. Religionsgeographie. Braunschweig: Westermann, 1999.

SEMPLE, Ellen Churchill. Influences of geographic environment: on the basis of Ratzel's system of anthropo-geography. New York: Henry Holt and Co., 1911.

SILVA, Alessandro S. da. Religião e espacialização: o caso da Igreja Internacional da Graça de Deus. 153 f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2010.

TORRES, Marcos Alberto. Os sons que unem: a paisagem sonora e a identidade religiosa. 242 f. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2014.

TURRA NETO, Nécio. Múltiplas trajetórias juvenis em Guarapuava: territórios e redes de sociabilidade. 516 f. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente: 2008.

TUAN, Yi Fu. Geografia Humanística. In: CHRISTOFOLETTI, Antonio (Org.). Perspectivas da Geografia. São Paulo: Difel, 1982. p. 143-164.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v10i1.80395