A MULHER-VÉU MUÇULMANA: ENTENDENDO O USO DO HIJAB A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA AMODERNA

Mayra Sousa Resende

Resumo


Este artigo visa explorar a relação existente entre a mulher muçulmana e seu véu, partindo de uma perspectiva amoderna, latouriana, que a considera um composto híbrido, chamado mulher-véu. Essa hibridez é definida a partir da perspectiva da ontologia maquínica de Levi Bryant e seu entendimento se baseia em uma oposição entre a ontologia da profundidade (Daniel Miller) e o existencialismo sartriano. Os dados empíricos que possibilitaram a reflexão foram coletados com mulheres muçulmanas residentes em Curitiba, no ano de 2015. Em suas considerações finais, o artigo diz que o uso das vestes islâmicas pode ocorrer tanto de forma condiz com a ontologia da profundidade quanto a um anseio de corresponder a um ideal pré-estabelecido por estas mulheres, organizado a partir de sua fé.



Palavras-chave


hijab; existencialismo; ontologia da profundidade

Texto completo:

PDF

Referências


BRYANT, Levi. 2014. Cartography. An Ontology of Machines and Media. Edinburgh: Edinburgh Press.

FONSECA CHAGAS, Gisele. 2010. A pedagogia do Islã: aprendendo a ser muçulmano no Rio de Janeiro. in: Olhares femininos sobre o Islã. São Paulo: Editora HUCITEC, CAPES.

GOFFMAN, Erving. 2012. Sobre a preservação da fachada - Uma análise dos elementos rituais na interação social. In: Ritual de Interação - Ensaios sobre o comportamento face a face. Petropólis, RJ: Editora Vozes.

HAMID, Sonia. 2010. Notas sobre encontros, desencontros e reencontros no trabalho de campo. in: Olhares femininos sobre o Islã. São Paulo: Editora HUCITEC, CAPES.

LATOUR, Bruno. 2013. Jamais Fomos Modernos. São Paulo: Editora 34.

______. 2005. Reassembling the Social. New York: Oxford Press.

MAHMOOD, Saba. 2005. Agency, Gender, and Embodiment. In: Politics of piety - the Islamic revival and the feminist subject. Princenton University Press.

MILLER, Daniel. 2013. Por que a indumentária não é algo superficial. In: Trecos, Troços e Coisas. Rio de Janeiro: Zahar.

SARTRE, Jean Paul. 2010. O existencialismo é um humanismo. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1979. A fabricação do corpo na sociedade xinguana. Boletim do Museu Nacional, Série Antropologia, n. 32, p. 40-49. Rio de Janeiro: UFRJ.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v10i1.79774