FENOMENOLOGIA E RELIGIÃO: Ipseidade na acuidade da consciência

Roberto Pereira Veras

Resumo


Esta pesquisa cogita explicitar a fenomenologia como fundamento de “si mesmo” na ipseidade da elaboração dos aspectos implicados na capacidade de estruturação dos múltiplos conceitos de religião. Para tanto, iremos contextualizar os principais argumentos atuantes no método fenomenológico, cujo prisma historicista torna-se contraposto através do escopo religioso apresentado, sobretudo, pela escola italiana de história das religiões. Assim procedendo, aplicaremos o método hermenêutico-conceitual na ontologia fenomenológica apresentada por Jean-Paul Sartre em sua obra O ser e o Nada de 1943, para que possamos entender o conceito de consciência engajada contextualizada na perspectiva da religiosidade.


Palavras-chave


ipseidade, consciência, fenomenologia.

Texto completo:

PDF

Referências


AGNOLIN, A. História das religiões: perspectiva histórico-comparativa. São Paulo: Paulinas, 2013. - (Coleção repensando a religião)

CASTRO, F. Consequências morais do conceito de má-fé em Jean-Paul Sartre. 2005. 242f. Dissertação (Mestrado em Filosofia). Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

DESCARTES, R. Meditações In: ______. Descartes. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Os pensadores)

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. Tradução Márcia Sá Cavalcanti Schubarck. Petrópolis: Vozes, 2005.

HUME, D. História natural da religião. Tradução de Jaimir Conte. São Paulo: EditoraUNESP, 2005, p. 23 [grifo nosso].

HUSSERL, E. Idéias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica. Tradução de Márcio Suzuki. Aparecida: Idéias&letras, 2006.

JÚNIOR, B. O circuito da ipseidade e seu lugar em “O ser e o Nada”. Doispontos, Curitiba, vol. 3, nº 2, p. 29-36, Out/2006.

KANT, E. Crítica da Razão Pura. Tradução de Manuela Pinto do Santos e Alexandre Fradique Morujão 5º ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

Massenzio, M. A história das religiões na cultura moderna. Tradução de Camila Kintzel. São Paulo: Hedra, 2005.

MÜLLER, M. Sartre e a crise do fundamento. Doispontos. Curitiba, vol. 3, nº 2, p. 11-28, Out/2006.

______. Situações I – críticas literárias. Tradução de Cristina Prado. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

______. A transcendência do Ego seguido de Consciência de si e Conhecimento de Si. Tradução de Pedro M. S. Alves. Lisboa: Edições Colibri, 1994.

OLIVEIRA, P. A religião para além da contingência humana em Jean-Paul Sartre. FAPAM, Pará de Minas, v.4, n.4 p. 52-64, Abr/2013.

OLIVEIRA, K. (Org). Ensaios de Fenomenologia e Hermenêutica da Religião. João Pessoa: Ideia, 2015.

OTTO, R. O Sagrado. São Leopoldo/Petrópolis. EST/Sinodal/Vozes. 2007.

PETTAZONI, R. L´onniscienza di Dio. Turim, 1955.

SARTRE, J. O ser e o nada – Ensaio de ontologia fenomenológica. Tradução de Paulo Perdigão. 19 ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

______. O existencialismo é um humanismo. Tradução de João Batista Kreuch. Petrópolis: Vozes, 2012.

SASS, S. O problema da totalidade na ontologia de Jean-Paul Sartre. 2002. 239f. Tese (Doutorado em Filosofia). Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Campinas, 2002.

SILVA, E. Entre religião, cultura e história: a escola italiana das religiões. Revista de C. Humanas, Viçosa, v. 2, n 2, p. 225-234, jul./dez. 2011.

SILVA, M. A intencionalidade da consciência em Husserl. Argumentos, Fortaleza, vol. 1, p. 45-53, Dez/ 2009.

VELASCO, J. Introducción a la fenomenologia de la religion. Cristiandad, 1978.

YAZBEK, A. A “desorganização interna” do Ser e o surgimento da “realidade humana” em O Ser e o Nada. Doispontos, Curitiba, vol. 3, n. 2, p. 37-51, Out/2006.

ZITKOSKI, J. O método fenomenológico de Husserl. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v10i1.79740