INTERSECÇÃO DA FENOMENOLOGIA DA RELIGIÃO NA MEDIDA E DESMEDIDA DA EXISTÊNCIA PARA A SAÚDE MENTAL EM TEMPOS DE PANDEMIA

Flavio da Silva Chaves, Crisóstomo Lima do Nascimento

Resumo


A presente pesquisa tem como objetivo apresentar o paradoxo entre a medida e desmedida da existência pelo viés da crise científica enquanto verdade universal ao fenômeno religioso enquanto possibilidade de saúde em tempos de pandemia. Ainda que se admita os paradoxos e antagonismos entre ciência e religião, fé e razão, conjectura-se a possibilidade de a espiritualidade atuar como chave terapêutica na sustentação psíquica do sujeito frente aos dilemas existenciais e contextos traumáticos. A partir da revisão bibliográfica de cunho qualitativo, ponderou-se os antagonismos científicos sob a forma de verdade inequívoca e universal, além de pontuar que a medida e desmedida da existência se dá pelo próprio sujeito. Neste contexto, se apresenta a urgência de uma ciência que leve em consideração a correlação sujeito/objeto e a sua subjetividade para, então, analisar as experiências fenomênicas da religião na saúde mental.

Palavras-chave


História da ciência; fenomenologia; pandemia; religião; saúde mental.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, M. A. Valente, A. R. (2020), A estrutura das revoluções científicas de Kuhn: uma breve exposição. Griot : Revista de Filosofia, Amargosa - BA, v.20, n.1, :173-192, fevereiro.

Alves, : M. S. (2008), Introdução na tradução portuguesa. In: Husserl, E. A crise da humanidade europeia e a filosofia. Tradução e introdução de Pedro M. S. Alves. Covilhã: Lusofia Press.

Bacon, F. Novum organum. Tradução e notas de José Aluysio de Andrade. Disponível em: Acesso em 30 set. 2020.

Barra, E. S. O. Apresentação. In: KUHN, Thomas. (2012), A função do dogma na investigação científica. Organizador: Eduardo Salles O. Barra; tradução: Jorge Dias de Deus. Curitiba : UFPR. SCHLA.

Chalmers, A. F. (1993), O que é ciência afinal? Tradução de Raul Filker. Editora Brasiliense. Disponível em: Acesso em: 25 set. 2020.

Chaves, F. S. (2017), Saúde e espiritualidade. São Paulo: Fonte Editorial.

Cláudio, V. Nota de abertura. In: TEIXEIRA, José A. Carvalho (Org.) (2014), Actas do Colóquio 100 anos da ‘psicopatologia geral’ de Karl Jaspers. ISPA. Disponível em: Acesso em: 19 nov. 2020.

Corrêa, D. A. Brojato, H. C. (2016), Experiência religiosa e saúde: uma perspectiva fenomenológica. Revista Científica UMC, Mogi das Cruzes, v. 1, n. 1.

Croatto, J. S. (2001), As linguagens da experiência religiosa: uma introdução à fenomenologia da religião. Tradução de Carlos Maria Vasquez Gutierrez. São Paulo: Paulinas. Coleção Religião e Cultura.

Dalgalarrondo. (2008), Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed. Disponível em < http://pablo.deassis.net.br/wp-content/uploads/Psicopatologia-e-semiologia-dos-transtornos-mentais-Paulo Dalgalarrondo.pdf > Acesso em: 30 nov. 2015.

Dichtchekenian, N. Saúde e fenomenologia. In: BLOISE, Paulo (Org.). (2011), Saúde Integral: a medicina do corpo, da mente e o papel da espiritualidade. São Paulo: Editora Senac : 268.

Feijoo, A. M. L. C. Hibris y psicoterapia como posibilidad de resgate de la medica existencial. In: Feijoo, A. M. L. Lessa, M. B. M. F. (Org.). (2020), Fenomenologia e práticas clínicas III. 1. ed. Rio de Janeiro: IFEN.

Feyerabend, Paul. Contra o método. Tradução de Octanny S. da Mota e Leonidas Hegenberg. Rio de Janeiro: F. Alves, 1977. (Metodologia das ciências sociais e teoria da ciência)

Fronteiras do pensamento. (2020), As certezas são uma ilusão por CNRS / Le Journal por Francis Lecompte. Entrevista a Edgar Morin. Disponível em: https://www.fronteiras.com/entrevistas/edgar-morin-as-certezas-sao-uma-ilusao. Disponível em: 09 mai. 2020.

Heidegger, Martin. Estudios sobre mística medieval. Traducción de Jacobo Muñoz. México: Fondo de Cultura Económica, 1997. (Sección de obras de filosofia).

Heidegger, Martin. Fenomenologia da vida religiosa. Tradução de Enio Paulo Giachini, Jairo Ferrandin, Renato Kirchener. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2014. (Coleção Pensamento Humano).

Heidegger, Martin. Ser e tempo. Tradução revisada e apresentação de Márcia Sá Calvacante; posfácio de Emanuel Carneiro Leão. 10. ed. Petropólis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2015.

Holanda, A. F. (2011), Gênese e histórico da psicopatologia fenomenológica. In: V. Angerami-Camon (Org). Psicoterapia e Brasilidade (p: 115-160). São Paulo: Cortez Editora.

Husserl, E. (2008), A crise da humanidade europeia e a filosofia. Tradução e introdução de Pedro M. S. Alves. Covilhã: Lusofia Press.

______. (2006), Idéias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica: introdução geral à fenomenologia pura. Tradução Márcio Suzuki. Aparecida, SP: Idéias & Letras.

Kapczinski, F.; Margis, R. (2003), Transtorno de estresse pós-traumático: Transtorno de estresse pós-traumático: Transtorno de estresse pós-traumático: critérios diagnósticos critérios diagnósticos. Rev Bras Psiquiatr, (Supl I):3-7.

Kuhn, T. (2012), A função do dogma na investigação científica. Organizador: Eduardo Salles O. Barra; tradução: Jorge Dias de Deus. Curitiba: UFPR. SCHLA.

Mader, B. J.; Holanda, A. F. (2017), Atenção à saúde mental e atenção psicossocial: aproximações e distinções na conceituação e na oferta assistencial. In: Faria, N. J.; Holanda, A. F. (Org.) Saúde mental, sofrimento e cuidado: fenomenologia do adoecer e do cuidar. Curitiba: Juruá (Coleção Saúde e Psyquê).

Mendlowicz, E. A sociedade contemporânea e a depressão. Disponível em < http://www.uva.br/trivium/edicao1/artigos-tematicos/4-a-sociedade-contemporanea-e-a-depressao.pdf > Acesso em: 14 Mai. 2016. : 42-52.

Moreira-Almeida, A. Lucchetti, G. (2016), Panorama das pesquisas em ciência, saúde e espiritualidade. Cienc. Cult. vol.68 no.1 São Paulo.

Morin, E. O método: a natureza da natureza. Tradução de Maria Gabriela de Bragança. Portugal: Publicações Europa-América LDA, 1977.

Moura, C. A. B. Prefácio. In: Husserl, E. (2006), Idéias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica: introdução geral à fenomenologia pura. Tradução Márcio Suzuki. Aparecida, SP: Idéias & Letras.

Ornell, F. et al. (2020), Pandemia de medo e Covid-19: impacto na saúde mental e possíveis estratégias. Revista debates inpsychiatry.

Peres, J.F.: et al. (2007), Revisão de literatura: Espiritualidade, religiosidade e psicoterapia. Rev. Psiq. Clín. 34, supl 1 : 136-145.

Pessoa Jr, O. (1993), Filosofia & sociologia da ciência. Aula ministrada na disciplina de HG-022 Epistemologia das Ciências Sociais do curso de Ciências Sociais da Unicamp, CLE. Disponível em: Acesso em: 03 dez. 2020.

Popper, K. R. (1972), A lógica da pesquisa científica. Tradução de Leonidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. São Paulo: Editora Cultrix.

Rocha, A. (2010), Introdução à filosofia da religião: um olhar da fé cristã sobre a relação entre a filosofia e a religião no pensamento ocidental. São Paulo: Editora Vida.

Roger, A.C.K.: Feyerabend e o pluralismo metodológico. (1996), Cad.Cat.Ens.Fis., v.13, n. 3: :231-247.

Santos, E. A. Guimarães, C. (2014), A dimensão espiritual na psicoterapia. Revista Eclesiástica Brasileira/Faculdade de Teologia/Instituto Teológico Fransciscano, v. 74, n. 296, Petrópolis. : 905-924.

Silva, C. (2014), Fenomenologia da religião: compreendendo as ideias religiosas a partir de suas manifestações. São Paulo: Vida Nova.

XAVIER, Marlon. (2006), O conceito de religiosidade em C.G. Jung. PSICO, Santa Catarina, v. 37, n. 2, : 183-189.

Zilles, U. (1991), Filosofia da Religião. São Paulo: Paulus.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v10i1.79527