O SAGRADO E AS DROGAS PSICOATIVAS SOB A ÓTICA DAS RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA

Diogo Jacintho Barbosa, Antonio Marcos Tosoli Gomes, Marcia Pereira Gomes, Juliana de Lima Brandão

Resumo


Introdução: O conceito de saúde utilizado atualmente versa sobre o cuidado integral, que visa não somente alcançar o ser humano no que tange às suas doenças, como ainda seu social e seu mental, definindo-se assim o ser humano como biopsicossocial espiritual. Objetivos: identificar o conhecimento dos fiéis as religiões de matriz africana a respeito das drogas psicoativas e de seus usuários e analisar as implicações desse conhecimento no cuidado em saúde e enfermagem. Métodos: Este trata-se de um estudo misto exploratório sequencial. Resultados: Participaram desta etapa do estudo quatro sujeitos, dois fiéis da umbanda e dois fiéis do candomblé, todos do sexo feminino, com idade entre 20 e 35 anos e com tempo de pertença média à religião de três anos. Conclusões: A profissão de Enfermagem é definida por muitos como a ciência do cuidado e do cuidar que além do cuidado com o corpo, também deve privilegiar as diversas áreas da vida humana, incluindo-se a dimensão religiosa/espiritual.


Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Diogo Jacintho et al. Onde as religiões se encontram: um estudo de representações sociais das drogas psicoativas e suas implicações para no cuidado em enfermagem. Research, Society and Development, v. 10, n. 1, p. e17310110982, 2021.

DA SILVA, Renan Antônio. Preciso de Ti: A relevância da religião no combate (reabilitação) as drogas. Protestantismo em Revista, v. 43, n. 01, p. 184, 2017.

DIEBE, Edsel Pamplona. O livre-arbítrio na ética de Abelardo. Trans/Form/Ação, v. 42, n. spe, p. 231-248, 2019.

GOMES-MEDEIROS, Débora, FARIA, PEDRO HENRIQUE DECAMPOS, GASTÃO WAGNER DE SOUSA et al. Política de drogas e Saúde Coletiva: diálogos necessários. Cadernos de Saúde Pública, v. 35, n. 7, 2019.

GUILHERME, Lucas Tetzalff De Gerone. A religiosidade/espiritualidade na prática do cuidado entre profissionais da saúde. INTERAÇÕES, v. 11, n. 20, p. 129, 2016.

MARQUES, Lucas. Fazendo orixás: sobre o modo de existência das coisas no candomblé. Religião & Sociedade, v. 38, n. 2, p. 221-243, 2018 .

MODELL, Stephen M.; KARDIA, Sharon L. R. Religion as a Health Promoter During the 2019/2020 COVID Outbreak: View from Detroit. Journal of Religion and Health, v. 59, n. 5, p. 2243-2255, 2020

OLIVEIRA, Barbara Campos De; GARANHANI, Mara Lúcia; GARANHANI, Márcia Regina. Cuidador de pessoa com acidente vascular encefálico: necessidades, sentimentos e orientações recebidas. Acta Paulista de Enfermagem, v. 24, n. 1, p. 43-49, 2011.

PETERSEN, Cristina Buischi, LIMA, Regina Aparecida Garcia Deboemer, MAGALI ROSEIRA et al. Necessidades de saúde e o cuidado de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 69, n. 6, p. 1236-1239, 2016.

ROCHA, Matheus Barbosa Da; SEVERO, Ana Kalliny De Sousa; FÉLIX-SILVA, Antônio Vladimir. Nos batuques dos quintais: as compreensões dos povos de Umbanda sobre saúde, adoecimento e cuidado. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 29, n. 3, 2019.

SANTOS, José Luís Guedes Dos et al. INTEGRAÇÃO ENTRE DADOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS EM UMA PESQUISA DE MÉTODOS MISTOS. Texto & Contexto - Enfermagem, v. 26, n. 3, 2017.

Secretaria de Estado de prevenção à Dependência Química (Sepredeq), S. d. (26 de junho, 2014). Governo do Estado do Rio de Janeiro.

SILVA, Caroline Cordeiro Viana E. Relatório Mundial sobre drogas, 2012. Conjuntura Global, v. 1, n. 1, 2012.

VIEIRA, Fernanda De Sousa, MINELLI, Massimilianocorradi-Webster, Mendonça, CLARISSA. Consumo de drogas por pessoas com diagnósticos psiquiátricos: percursos possíveis em uma rede de atenção psicossocial. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 27, n. 4, p. 1243-1263, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v10i1.79038