NOTAS SOBRE ALGUNS DOCUMENTOS INEXPLORADOS PARA A HISTÓRIA DE ANGOLA: OS RÓIS DOS CONFESSADOS DE 1704

José C. Curto

Resumo


Este trabalho baseia-se numa fonte quantitativa que tem sido utilizada por historiadoras(es) nas últimas décadas, os róis ou arrolamentos de confessados. No caso particular de Angola, esta documentação contém informações demográficas dos indivíduos e da(s) família(s) que habitavam os fogos pertencentes às freguesias do Bispado de Angola no ano de 1704. Tendo como finalidade listar os fregueses que haviam cumprido seus deveres religiosos, o rol de confessados de Angola de 1704 não só permite compreender as estruturas de populações que antecederam o desenvolvimento de recenseamentos no final do século XVIII, mas também nos possibilita investigar os padrões de família, de habitação, de riqueza ou pobreza dos moradores e soldados e, especialmente, o número de escravos que esses indivíduos possuíam. Esta contribuição descreve essas possibilidades, com foco no presídio de Muxima.

Palavras-chave


Angola; História; Muxima; Rol de Confessados; Século XVIII.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, M. N. B. Exploração dos róis de confessados duma paróquia de Guimarães (1734-1760). Guimarães: Centro Gráfico, 1983.

ANTUNES, W. O. Escravidão e Sociedade na América Portuguesa: a freguesia de São José do Rio das Mortes, 1750-1800. Minas Gerais no século XVIII. História: revista da FLUP, v. 1, IV série, p.133-154, 2011.

BARROS, M. S. C. F. M. São José, Bairro Tridentino. 2017. Tese (Doutorado em Estudos Urbanos) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa.

BEOZZO, J. O. Bahia, Provincial Council, Religion Past and Present. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2020.

BIRMINGHAM, D. Themes and Resources of Angolan History. African Affairs, v. 73, p. 188-203, 1974.

BLANCO, M. M. Pelas veredas da senzala: família escrava e sociabilidades no mundo agrário (Campos de Viamão, c.1740- c.1760). 2012. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

BORGES, M. J. Migration Systems in Southern Portugal: Regional and Transatlantic Circuits of in the Algarve (Eighteenth-Twentieth Centuries). International Review of Social History, Cambridge, v. 45, p. 171-208, 2000.

BORGES, M. J. Chains of Gold: Portuguese Migration to Argentina in Transatlantic Perspective. Leiden: Brill, 2009.

CAMPOS, A. P.. MERLO, P. M. S. Sob as bênçãos da Igreja: o casamento de escravos na legislação brasileira. Topoi, Rio de Janeiro, v. 6, p. 327-361, 2005.

CANDIDO, M. P. Engendering West Central African History: The Role of Urban Women in Benguela in the Nineteenth Century. History in Africa, v. 42, p. 7-36, 2015.

CAPELA, V. As Freguesias do Distrito de Viana do Castelo nas Memórias Paroquiais de 1758. Braga: Casa Museu de Monção/Universidade do Minho, 2005.

CARVALHO, A.; FERREIRA, R. G. Piedade, sobas e homens de cores honestas nas Notícias do Presídio de Massangano, 1797. In: SCOTT, A. S. V. et al. (Orgs.). Mobilidade social e formação de hierarquias: subsídios para a história da população. 1a ed. São Leopoldo: Oikos/Editora Unisinos, 2014, p. 129-171.

CARVALHO, F. M. Os homens do rei em Angola: sobas, governadores e capitães mores, séculos XVII e XVIII. 2013. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro.

COMISSOLI, Adriano. Do Arquipélago ao Continente: estratégias de sobrevivência e ascensão social na inserção açoriana nos Campos de Viamão (séc. XVIII). Revista Aedos, Porto Alegre, v. 2, p. 74-96, 2009.

CORRÊA, C. P. Cambambe, Angola, no Contexto do Comércio Atlântico de Escravizados (1790-1850). 2019. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

COUTO, Carlos. Os capitães-mores em Angola no século XVIII: Subsídio para o estudo da sua atuação. Luanda: Instituto de Investigação Científica de Angola, 1972.

CURTO, J. C. Sources for the Pre-1900 Population History of Sub-Saharan Africa: the case of Angola, 1773-1845. Annales de Demographie Historique, Paris, p. 319-338, 1994.

CURTO, J. C. As If From a Free Womb’: Baptismal Manumissions in the Conceição Parish, Luanda, 1778-1807. Portuguese Studies Review, v. 10, n. 1, p. 26-57, 2002.

CURTO, J. C. The Population of the Lower Kwanza River Valley, 1792-1796. Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, São Cristóvão, v. 12, n. 23, p. 95-117, 2018.

CURTO, J. C.; GERVAIS, R. R. The Population History of Luanda During the Late Atlantic Slave Trade, 1781-1844. African Economic History, v. 29, p. 1-59, 2001.

DANILEVICZ, I. M. Aspectos demográficos e padrão de posse de escravos em Viamão (1776 – 1784). 2009. Monografia (Graduação em História) – Departamento de História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

FREITAS, D. T. L. Para além do matrimônio: formas de união, relações familiares e sociais na Freguesia Madre de Deus de Porto Alegre (1772-1822). 2017. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

GABRIEL, M. N. Angola, cinco séculos de cristianismo. Queluz: Literal, 1978.

GABRIEL, M. N. D. Moisés Alves de Pinho e os bispos de Congo e Angola. Braga: Livraria Editora Pax, 1980.

GOMES, L. C. Uma cidade negra: escravidão, estrutura econômico-demográfica e diferenciação social na formação de Porto Alegre, 1772-1802. 2012. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

GOMES, L. C. Escravidão e agricultura no Rio Grande de São Pedro, período colonial: sugestão de um modelo de interpretação. Revista Latino-Americana de História – UNISINOS, São Leopoldo, v. 3, n. 10, p. 80-110, 2014.

GOMES, L. C. Camponeses e pequenos escravistas: estrutura econômica, reprodução social e vínculos extradomiciliares de produtores rurais em Porto Alegre e Viamão, décadas finais do século XVIII. 2018. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

GUEDES, R. Exóticas denominações: manipulações e dissimulações de qualidades de cor no reino de Angola (segunda metade do século XVIII). In: ALMEIDA, S. C. C. et al, (Orgs.). Cultura e sociabilidades no mundo atlântico. 1 ed. Recife: Editora Universitária, 2012, p. 369-398.

HEYWOOD, L. M.; THORNTON, J. K. African Fiscal Systems as Sources for Demographic History: The Case of Central Angola, 1799-1920. Journal of African History, v. 29, n. 2, p. 213-228, 1988.

JADIN, L. Rapport sur les recherches aux Archives d’Angola du 4 juillet au 7 septembre 1952. Bulletin de l’Institut Royal Colonial Belge, v. 24, p. 157-169, 1953.

LIBBY, D. C. Notarized and Baptismal Manumissions in the Parish of São José do Rio das Mortes, Minas Gerais (c. 1750-1850). The Americas, Washington, v. 66, n. 2, p. 211-240, 2009.

LIBBY, D. C. A Culture of Colors: Representational Identities and Afro-Brazilians in Eighteenth- and Nineteenth-Century Minas Gerais. Luso-Brazilian Review, v. 50, p. 26-53, 2013.

LIBBY, D. C. Family, Stability, and Respectability: Seven Generations of Africans and Afro-descendants in Eighteenth- and Nineteenth-Century Minas Gerais. The Americas, v. 73, p. 371-390, 2016.

LIBBY, D. C.; PAIVA, C. A. Alforrias e forros em uma freguesia mineira: São José d’el Rey em 1795. Revista Brasileira de Estudos de População, Belo Horizonte, v. 17, n. 1/2, jan./dez., p. 17-46, 2000.

LIBBY, D. C.; PAIVA, C. A. Manumission Practices in a Late Eighteenth-Century Brazilian Slave Parish: São José d’El Rey in 1795. Slavery and Abolition v. 21, p. 96-127, 2000.

MALAQUIAS, C. O. Trabalho, família e escravidão: pequenos produtores de São José do Rio das Mortes, de fins do século XVIII a meados do XIX. 2010. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

MALAQUIAS, C. O. Além da Família: o Perfil Demo-Econômico dos Domicílios da Freguesia de São José do Rio das Mortes em 1795, In: Anais do XXVII Simpósio Nacional de História, n. 27, 2013, Natal: Anpuh Brasil, 22 a 26 de julho, p. 1-15.

MALAQUIAS, C. O. Remediados senhores: pequenos escravistas na freguesia de São José do Rio das Mortes, c.1790 c.1844. 2014. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais.

MALAQUIAS, C. O. A família negra em liberdade: domicílios dos libertos em Minas Gerais no final do século XVIII. Acervo – Revista do Arquivo Nacional, Rio de Janeiro, n. 1, v. 30, p. 68-86, 2017.

MELLO, M. A. Angola no Fim do Século XVIII: Documentos. Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa, Lisboa, v. 6, pp. 274-304, 1886.

MILLER, J. C. The Archives of Luanda, Angola. International Journal of African Historical Studies, v. 7, p. 551-590, 1974.

PACHECO, C. José da Silva Maia Ferreira: Novas achegas para a sua biografia. Luanda: União dos Escritores Angolanos, 1992.

PACHECO, C. José da Silva Maia Ferreira: o homen e a sua época. Luanda: União dos Escritores Angolanos, 1990.

PACHECO, Carlos. Repensar Angola. Lisboa: Vega, 2000.

PEREIRA, I. R. Os róis dos confessados como fonte histórica. Anais da Academia Portuguesa de História, Lisboa, v. 31, 2 série, p. 271-288, 1986.

QUEIROZ, K. C. M. Poder e hierarquias sociais no presídio de Muxima (Reino de Angola, fins do século XVIII e início do XIX). 2018. Dissertação (Mestrado de História), Departamento de História e Economia, Instituto Multidisciplinar, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

REGINALDO, L. Os rosários dos angolas: irmandades de africanos e crioulos na Bahia setecentista. São Paulo: Alameda, 2011.

REGINALDO, L. Rosários dos pretos, São Benedito de Quissama: irmandades e devoções negras no mundo atlântico (Portugal e Angola, século XVIII). Studia Historica. Historia Moderna, Salamanca, v. 38, n. 1, p. 123-151, 2016.

RIBEIRO, A. R. A. M. C. A importância dos róis de confessados na demografia histórica: os róis de confessados da freguesia de Nossa senhora da Encarnação da Ameixoeira entre 1750 e 1760. 1989. Dissertação (Mestrado em Demografia Histórica e Social) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa.

RIJO, D. M. M. A representação da freguesia de Santa Justa (Lisboa) nos róis de confessados (1693-1702). 2011. Dissertação (Mestrado em História Moderna e dos Descobrimentos) – Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa.

RIVARA, J. H. C. Catalogo dos Manuscriptos da Bibliotheca Publica Eborense. v. 1. Lisboa: Imprensa Nacional, 1850.

RODRIGUES, E. Portugueses e Africanos nos Rios Sena: os Prazos da coroa em Moçambique nos Séculos XVII e XVIII. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 2013.

RODRIGUES, T. F. Para o estudo dos róis de confessados: a freguesia de Santiago em Lisboa (1630-1680). Nova História, Lisboa, n. 3/4, p. 79-106, 1985.

RODRIGUES, M. S. & NETO, M. S. Informações Paroquiais e História Local. A diocese de Coimbra. Coimbra: Palimage, 2013.

SCHANTZ, A. P. D. Libertos no Rio Grande de São Pedro: Porto Alegre e Viamão no final do século XVIII e início do XIX. 2009. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

SCOTT, D. A população do Rio Grande de São Pedro pelos mapas populacionais de 1780 a 1810. Revista Brasileira de Estudos de População, Belo Horizonte, v. 34, n. 3, p. 617-633, 2017.

SEQUEIRA, G. M. Depois do terremoto: subsídios para a história dos bairros ocidentais de Lisboa. Lisboa: Academia das Sciências de Lisboa, 1916.

SILVA, C. L’évêché du Congo et de l’Angola de 1641 à 1760. In: NEIVA, S. (org.). Nouvelles perspectives de la recherche française sur la culture portugaise, 2007. Disponível em: . Acesso em 9 set. 2020.

SILVA, D. B. D. The Early Population Charts of Portuguese Angola, 1776-1830: A Preliminary Assessment. Anais de História de Além-Mar, Lisboa, v. 16, p. 107-124, 2015. SILVA, F. R. Counting People and Homes in Urban Mozambique in the 1820s: Population Structures and Household Size and Composition. African Economic History, v. 45, n. 1, p. 46-76, 2017.

SILVA, F. R. From church records to royal population charts: The birth of “modern demographic statistics” in Mozambique, 1720s-1820s. In: Anais de História de Além-Mar, n. 16, , p. 17-50, 2015.

SIRTORI, Bruna. Entre a cruz, a espada, a senzala e a aldeia: hierarquias sociais em uma área periférica do Antigo Regime (1765-1784). 2008. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

THOMPSOM, E. C. Taking the Graduate Students to Luanda and Benguela: A Brazilian Perspective. The Harriet Tubman Newsletter, n. 31, p. 14-25, 2012.

THORNTON, J. K. The Slave Trade in Eighteenth century Angola: Effects on Demographic Structures. Canadian Journal of African Studies, v. 14, p. 417-427, 1980.

THORNTON, J. K. A History of West Central Africa to 1850. Cambridge: Cambridge University Press, 2020.

VENÂNCIO, J. C. A economia de Luanda e Hinterland no século XVIII. Lisboa: Estampa, 1996.

WAGNER, A. P. População no Império Português: recenseamentos na África Oriental portuguesa na segunda metade do século XVIII. 2009. Tese (Doutorado em História) – Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

WAGNER, A. P. Porque sua Majestade quer saber o “número de vassalos que habitam nos seus domínios”: recenseamentos da África Oriental Portuguesa no último quartel do século XVIII”. In: XVII Encontro Nacional de Estudos Populacionais, n. 27, 2010, Caxambú: ABEP, 20 a 24 de setembro, p. 1-20.

ZAU, F. Angola: Trilhos Para o Desenvolvimento. Lisboa: Universidade Aberta, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v9i2.76609