JUDEUS, CATÓLICOS E PROTESTANTES NA TERRA DO AÇUCAR: AFINIDADES E DIVERGÊNCIAS

Elizete da Silva

Resumo


A Igreja Católica era hegemônica no período colonial, porém outras confissões religiosas também constituíam o campo religioso, a exemplo do Judaísmo, o Protestantismo, as Religiões Xamânicas Indígenas e as Religiões de Matrizes Africanas, condenadas como heresias, feitiçarias, passíveis de perseguição pela Inquisição. A Igreja Católica era o inimigo comum de judeus e protestantes, os quais mantinham afinidades e redes de sociabilidade, que contemplavam negócios e a leitura de textos sagrados. Com a dominação holandesa no Nordeste, especialmente no período de Nassau, houve uma certa tolerância religiosa, vigiada pelos clérigos calvinistas, ciosos de suas doutrinas

Palavras-chave


América Portuguesa. Cristãos Novos. Protestantismo. Redes de solidariedade.

Texto completo:

PDF

Referências


Referências Bibliográficas

ALVES, Rubem. Protestantismo e Repressão. São Paulo: Ática, 1979.

ANTUNES, Cátia. Lisboa e Amesterdão 1640-1705. Um caso de Globalização na História Moderna. Lisboa: Livros Horizontes,2009.

Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Inquisição de Lisboa. Processo 2320.

Arquivo Nacional da Torre do Tombo Processo de João de Bolés.

ASSIS, Ângelo Faria de. Macabeias da Colônia Criptojudaismo feminino na Bahia. São Paulo: Alameda, 2012.

BARLÉU, Gaspar. História do Brasil sob o Governo de Maurício de Nassau (1636-1644). Recife: CEPE, 2018.

BOER, Harm Den. Spanish and Portuguese Editions From the Northern Netherlands. Madrid and Lisbon: Studia Rosenthaliana,1988.

BRAGA, Isabel M.R; MENDES, Drummond. Os Estrangeiros e a Inquisição Portuguesa. Lisboa: HUGUIN Editores, 2002.

BROUVEZ, Cornelis. Inquisição Espanhola. Leyden: Biblioteca da Universidade de Leiden, 1556.

CALVINO, Juan. Las Institutions de La Religion Cristiana. Buenos Aires: Editorial Aurora, 1958.

CHARTIER, Roger. A História cultural: entre práticas e representações. Portugal: Difel, 2002.

DELLON, C. Le Inquisition de Goa, La Relation de Charles Dellon. Paris: Editions Chandeigne, 1997.

Denunciações e Confissões de Pernambuco 1593-1595. Recife: FUNDARTE,1984.

EYMERICH, Nicolau. Manual dos Inquisidores. Diretorium Inquisitorum. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1993.

GALINDO, Marcos (org.) Episódios Baianos Documentos para a História do período holandês na Bahia. Recife: NÉCTAR, 2010.

ISRAEL, Jonathan I. The Dutch Republic Its Rise, Greatness, and Fall 1477-1806. Oxford: Oxford University Press, 1998.

ISRAEL, Menasseh Bem. Origen de los Americanos Esto es Esperanza de Israel. Madri: Libreria de Santiago Perez Junqueira, 1881.

KIBUUKA, Brian. Prefácio ao Antigo Testamento uma perspectiva cristã. São Paulo: Fonte Editorial, 2019.

LÉRY, Jean de. Viagem à Terra do Brasil. Belo Horizonte Itatiaia: São Paulo; EDUSP, 1980.

Livro De Cartas De S. Magestade. 1692.Cota 51 V-48,p.12. Lisboa, Biblioteca da Ajuda.

MACEDO, Janete Ruiz. Digressões Da Capitania De São Jorge Dos Ilhéus Na Inquisição do Santo Oficio: 1591-1620. In: LEAL, Graça; MOREIRA, R.; CASTELLUCCI, W. Capítulos de História da Bahia Novos Enfoques Novas Abordagens. São Paulo: UNEB-Annablume, 2009.

MAGALHÃES, Pablo Iglesias. A Igreja Católica e as Guerras Neerlandesas na Bahia (1624-1654). Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2010.

MAGALHÃES, Pablo Iglesias. A Guerra Defensiva na Capitania da Bahia (1625-1654). In Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano.no.69, Recife.2016

MARQUES, Guida. As Ressonâncias da Restauração da Bahia (1625) E A Inserção da América Portuguesa na União Ibérica. In: HERNANDEZ, Santiago Martinez. Governo, Política e Representações do Poder no Portugal Habsburgo e nos seus Territórios Ultramarinos (1581-1640). Lisboa: Centro de História de Além-Mar, 2011.

MEA, Elvira Cunha de Azevedo. Inquisição e Sociedade (séculos XVI e XVII). In: SILVA, Marco Antonio N.; SEVERS, Suzana Maria Santos. Estudos Inquisitoriais história e historiografia. Cruz das Almas: Editora UFRB, 2019.

MELLO NETO, José Gonsalves. Tempo dos Flamengos. São Paulo: Livraria José Olympo Editora, 1947.

MELLO, José Antonio Gonsalves de. A Rendição dos Holandeses. Recife: Editora UFPE, 1979.

MENDONÇA, Heitor Furtado. Denunciações da Bahia, Rio de Janeiro. Biblioteca Nacional.1929.

NADLER, Steven. Menasseh ben Israel. London: Yale University Press, 2018.

NOVINSKY, Anita W. Análise Crítica da Historiografia Sobre a Inquisição. In: SILVA, Marco Antonio N.; SEVERS, Suzana Maria Santos. Estudos Inquisitoriais história e historiografia. Cruz das Almas: Editora UFRB, 2019.

NOVINSKY, Anita W. Cristãos Novos na Bahia. São Paulo: Perspectiva, 1972.

NOVINSKY, Anita W. Inquisição: Prisioneiros do Brasil séculos XVI A XIX. São Paulo: Perspectiva, 2009.

PÉREZ, J. M. S. Filipe III e a ameaça neerlandesa no Brasil: medos globais, estratégia real e respostas locais. In: WIESEBRON, M. O Brasil em arquivos holandeses. Leiden: University Press, 2013.

PROCESSO de João de Bolés, Anais da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro. XXV. 1903-1904.

RIBEIRO, Eneida Beraldi. Bento Teixeira e a “Escola de Satanás”. O Poeta, que teve a prisão por recreação, a solidão por companhia e a tristeza por prazer. Tese (Doutorado em História) -Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

SCHAMA, Simon. O Desconforto da riqueza: a cultura holandesa na época do ouro. São Paulo. Companhia das Letras. 1992.

SHALKWIJK, Franz Leonard. Igreja e Estado no Brasil Holandês. São Paulo: Vida Nova. 1989.

SILVA, Elizete da. Representações Protestantes Sobre a Inquisição. In: SILVA, Marco Antonio N.; SEVERS, Suzana Maria Santos. Estudos Inquisitoriais história e historiografia. Cruz das Almas: Editora UFRB, 2019.

SILVA, Elizete da. Protestantes na Terra da Promissão: entre Deus e Mamom. In: ALMEIDA, Vasni; SANTOS, Lyndon A.; SILVA, Elizete da. Os 500 Anos da Reforma Protestante no Brasil um debate histórico e historiográfico. Curitiba: CRV, 2017.

SILVA, Emãnuel L. Souza. “Juntos à Forca”: a Família Lopes e a visitação do Santo Oficio à Bahia (1591-1593). Rio de Janeiro: APED, 2013.

SIQUEIRA, Sonia. Confissões da Bahia. 1618-1620. João Pessoa: Idéia, 2011.

SOUZA, Grayce Mayre Bomfim. Para Remédio das Almas: Comissários, Qualificadores e Notários da Inquisição Portuguesa na Bahia Colonial. Vitória da Conquista: Edições UESB, 2014.

STRUM, Daniel. O Comércio do Açúcar Brasil, Portugal e Países Baixos. (1595-1630). Rio de Janeiro: Fundação Odebrecht. Verbal Editores. 2012.

TAVARES, Luís Henrique Dias. História da Bahia. São Paulo: UNESP; Salvador: EDUFBA, 2001.

TEENSMA, B. N. O Inaceitável comportamento do Predicante da Companhia das Índias Ocidentais Daniel Schagen. In WIESEBRON, Marianne. O Brasil em arquivos Holandeses. Leiden. University Press, 2013.

VAINFAS, Ronaldo. Confissões da Bahia: Santo Oficio da Inquisição de Lisboa; São Paulo: Cia das letras, 1997.

VARNHAGEN, F. A. História das Lutas com os Holandeses no Brasil desde 1624-1625. Lisboa: editora, 1872.

VIEIRA, A. A invasão holandesa na Bahia. Salvador: Progresso, 1957.

VIEIRA, Hugo Coelho; GALVÃO, Nara Neves Pires; SILVA, Leonardo Dantas (org.) Brasil Holandês História, Memória e Patrimônio Compartilhado. São Paulo: Alameda, 2012.

WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo. Rio de Janeiro: Pioneira, 1967.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v9i2.75459