JUDEUS, CATÓLICOS E PROTESTANTES NA TERRA DO AÇUCAR: AFINIDADES E DIVERGÊNCIAS

Elizete da Silva

Resumo


A Igreja Católica era hegemônica no período colonial, porém outras confissões religiosas também constituíam o campo religioso, a exemplo do Judaísmo, o Protestantismo, as Religiões Xamânicas Indígenas e as Religiões de Matrizes Africanas, condenadas como heresias, feitiçarias, passíveis de perseguição pela Inquisição. A Igreja Católica era o inimigo comum de judeus e protestantes, os quais mantinham afinidades e redes de sociabilidade, que contemplavam negócios e a leitura de textos sagrados. Com a dominação holandesa no Nordeste, especialmente no período de Nassau, houve uma certa tolerância religiosa, vigiada pelos clérigos calvinistas, ciosos de suas doutrinas

Palavras-chave


América Portuguesa; cristãos novos; protestantismo; redes de solidariedade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Rubem. Protestantismo e Repressão. São Paulo: Ática, 1979.

ANTUNES, Cátia. Lisboa e Amesterdão 1640-1705. Um caso de Globalização na História Moderna. Lisboa: Livros Horizontes,2009.

ASSIS, Ângelo Faria de. Macabeias da Colônia Criptojudaismo feminino na Bahia. São Paulo: Alameda, 2012.

ATAS dos Synodos e Classes. In SOUTO MAIOR, Pedro. A Religião Reformada no Brasil século XVII Durante o Domínio Holandês. Rio de Janeiro. IHGB v.II,1914. p.707-780.

BAERS, J. Olinda Conquistada. In SILVA; Leonardo Dantas. (org.) 350 Anos da Restauração Pernambucana. Recife. C. Editora Pernambucana, 2004.

BARLÉU, Gaspar. História do Brasil sob o Governo de Maurício de Nassau (1636-1644). Recife: CEPE, 2018.

BETHENCOURT, Francisco. História das Inquisições. Portugal, Espanha e Itália século XV- XIX. São Paulo: Companhia das Letras,2000.

BOER, Harm Den. Spanish and Portuguese. Editions from the Northern Netherlands. Madrid and Lisbon: Studia Rosenthaliana,1988.

BRAGA, Isabel M.R; MENDES, Drummond. Os Estrangeiros e a Inquisição Portuguesa. Lisboa: HUGUIN Editores, 2002.

BROUVEZ, C. Inquisição Espanhola. Leyden: Biblioteca da Universidade de Leiden, 1556.

CALLADO Frei Manoel. Valeroso Lucideno e Triumpho da Liberdade, Lisboa, Officina de Domingos Carneiro, 1668.

CALVINO, Juan. Las Institutions de La Religion Cristiana. Buenos Aires: Editorial Aurora, 1958.

CHARTIER, R. A História cultural: entre práticas e representações. Portugal: Difel, 2002. CRESPIN, Jean. A Tragédia da Guanabara. Rio de Janeiro, Typo-Lith Pimenta de Mello

&.C, 1917.

DELLON, C. Le Inquisition de Goa, La Relation de Charles Dellon. Paris: Editions Chandeigne, 1997.

Denunciações e Confissões de Pernambuco 1593-1595. Recife: FUNDARTE,1984.

EYMERICH, Nicolau. Manual dos Inquisidores. Diretorium Inquisitorum. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1993.

GALINDO, Marcos (org.) Episódios Baianos Documentos para a História do período holandês na Bahia. Recife: NÉCTAR, 2010.

GARRISON, Janine. Protestants Du Midi 1559 – 1598. Toulouse: Editons Privat, 1991.

GUZMAN, D. J. de V. A Jornada del Brasil In: MIRAFLORES M.y SALVA, D. M..Colecion de Documentos Ineditos para a História de Espanha. Biblioteca da D. A. Canoval Del Castilo. Madri: Imprenta dela vida de Calera, 1870.

ISRAEL, Jonathan I. The Dutch Republic Its Rise, Greatness, and Fall 1477-1806. Oxford: Oxford University Press, 1998.

ISRAEL, Menasseh Ben. Origen de los Americanos Esto es Esperanza de Israel. Madri: Libreria de Santiago Perez Junqueira, 1881.

KAPLAN, Yosef. Do Cristianismo ao Judaísmo A história de Isaac Oróbio de Castro. Rio de Janeiro.Imago.2000.

KIBUUKA, Brian. Prefácio ao Antigo Testamento uma perspectiva cristã. São Paulo: Fonte Editorial, 2019.

LAET Johannes de. História da Companhia das Índias Ocidentais. Rio de Janeiro. Annaes da Biblioteca Nacional, 1912.

LÉRY, Jean de. Viagem à Terra do Brasil. Belo Horizonte Itatiaia: São Paulo; EDUSP, 1980.

LIPINER, Elias. Izaque de Castro O Mancebo que Veio Preso do Brasil. Recife, Massangana,1992.

Livro De Cartas De S. Magestade. 1692.Cota 51 V-48, p.12. Lisboa, Biblioteca da Ajuda.

LOSE, Alicia; PAIXÃO, D. Gregório OSB; OLIVEIRA, Anna Paula. SANCHES, Gersica Alves. Dietário (1532-1815): Mosteiro de São Bento da Bahia, Salvador. EDUFBA, 2009.

MACEDO, Janete R. Digressões Da Capitania De São Jorge Dos Ilhéus Na Inquisição do Santo Oficio: 1591-1620. In: LEAL, Graça; MOREIRA, R.; CASTELLUCCI, W. Capítulos de História da Bahia Novos Enfoques Novas Abordagens. São Paulo: UNEB-Annablume, 2009.

MAGALHÃES, Pablo Iglesias. A Guerra Defensiva na Capitania da Bahia (1625-1654). In Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano.no.69, Recife, 2016.

MARQUES, Guida. As Ressonâncias da Restauração da Bahia (1625) E A Inserção da América Portuguesa na União Ibérica. In: HERNANDEZ, Santiago Martinez. Governo, Política e Representações do Poder no Portugal Habsburgo e nos seus Territórios Ultramarinos (1581-1640). Lisboa: Centro de História de Além-Mar, 2011.

MEA, Elvira Cunha de Azevedo. Inquisição e Sociedade (séculos XVI e XVII). In: SILVA, Marco Antônio N.; SEVERS, Suzana Maria Santos. Estudos Inquisitoriais história e historiografia. Cruz das Almas: Editora UFRB, 2019.

MELLO NETO, José Gonsalves. Tempo dos Flamengos. São Paulo: Livraria José Olympo Editora, 1947.

MELLO, José A. Gonsalves de. A Rendição dos Holandeses. Recife: Editora UFPE, 1979.

MENDONÇA, Heitor Furtado. Denunciações da Bahia, Rio de Janeiro. Biblioteca Nacional.1929.

NADLER, Steven. Menasseh Ben Israel. London: Yale University Press, 2018.

NOVINSKY, Anita W. Análise Crítica da Historiografia Sobre a Inquisição. In: SILVA, Marco Antonio N.; SEVERS, Suzana Maria Santos. Estudos Inquisitoriais história e historiografia. Cruz das Almas: Editora UFRB, 2019.

NOVINSKY, Anita W. Cristãos Novos na Bahia. São Paulo: Perspectiva, 1972.

NOVINSKY, Anita W. Inquisição: Prisioneiros do Brasil séculos XVI A XIX. São Paulo: Perspectiva, 2009.

PÉREZ, J. M. S. Filipe III e a ameaça neerlandesa no Brasil: medos globais, estratégia real e respostas locais. In: WIESEBRON, M. in de Nederlandse archieven O Brasil em arquivos Holandeses. Mauritiana vol.5. Leiden: University Press, 2013.

PROCESSO de João de Bolés, Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro.XXV.1903-1904. PROCESSO 2320 de Salvador Maia. Inquisição de Lisboa. Arquivo da Torre do Tombo.

PROCESSO 03618 de Alberto Jacobo Inquisição de Lisboa Arquivo da Torre do Tombo. REGO, R. O Processo de Damião de Góes na Inquisição. Lisboa: Assírio e Alvim,2007.

RIBEIRO, Eneida Beraldi. Bento Teixeira e a “Escola de Satanás”. O Poeta, que teve a prisão por recreação, a solidão por companhia e a tristeza por prazer. Tese (Doutorado em História) -Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

SCHAMA, Simon. O Desconforto da riqueza: a cultura holandesa na época do ouro. São Paulo. Companhia das Letras. 1992.

SCHWARTZ, Stuart; PECORA, Alcir. As Excelências do Governador. O Panegírico fúnebre a D. Afonso Furtado, de Juan Lopes Serra Bahia, 1676. São Paulo. Companhia das Letras, 2002.

SHALKWIJK, F. L. Igreja e Estado no Brasil Holandês. São Paulo: Vida Nova. 1989.

SILVA, Elizete da. Representações Protestantes Sobre a Inquisição. In: SILVA, Marco Antonio N.; SEVERS, Suzana M. Santos. Estudos Inquisitoriais história e historiografia. Cruz das Almas: Editora UFRB, 2019.

SILVA, Elizete da. Protestantes na Terra da Promissão: entre Deus e Mamom. In: ALMEIDA, Vasni; SANTOS, Lyndon A.; SILVA, Elizete da. Os 500 Anos da Reforma Protestante no Brasil um debate histórico e historiográfico. Curitiba: CRV, 2017.

SILVA, Emãnuel L. Souza. “Juntos à Forca”: a Família Lopes e a visitação do Santo Oficio à Bahia (1591-1593). Rio de Janeiro: APED, 2013.

SIQUEIRA, Sonia. Confissões da Bahia. 1618-1620. João Pessoa: Ideia, 2011.

SOUZA, Grayce Mayre Bomfim. Para Remédio das Almas: Comissários, Qualificadores e Notários da Inquisição Portuguesa na Bahia Colonial. Vitória da Conquista: Ed. UESB, 2014.

STRUM, Daniel. O Comércio do Açúcar Brasil, Portugal e Países Baixos. (1595-1630). Rio de Janeiro: Fundação Odebrecht. Verbal Editores. 2012.

TAVARES, Luís H.D. História da Bahia. São Paulo: UNESP; Salvador: EDUFBA, 2001.

TEENSMA, B. N. O Inaceitável comportamento do Predicante da Companhia das Índias Ocidentais Daniel Schagen. In WIESEBRON, Marianne. In de Nederlandse archieven O Brasil em arquivos Holandeses. Mauritiana vol.5. Leiden. University Press, 2013.

VAINFAS, Ronaldo. Confissões da Bahia: Santo Oficio da Inquisição de Lisboa; São Paulo: Cia das letras, 1997.

VARNHAGEN, F. A. História das Lutas com os Holandeses no Brasil desde 1624-1625. Lisboa:(s e), 1872.

VIEIRA, A. A invasão holandesa na Bahia. Salvador: Progresso, 1957.

VIEIRA, Hugo Coelho; GALVÃO, Nara Neves Pires; SILVA, Leonardo Dantas (org.) Brasil Holandês História, Memória e Patrimônio Compartilhado. São Paulo: Alameda, 2012.

WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo. Rio de Janeiro: Pioneira, 1967.

XAVIER, Lúcia W. Companhia das Índias Ocidentais Velha. Número de Chamada 1.05.01.01. In WIESEBRON, Marianne. Brazilie in de Nederlandse archieven O Brasil em arquivos Holandeses. Mauritiana vol.4.Leiden. University Press, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v9i2.75459