A HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA EM SOCIOLOGIA: AS RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA

Tamara Vieira

Resumo


Há mais de quinze anos foi aprovada a obrigatoriedade do ensino de história e cultura africana e afro-brasileira foi aprovada em 2003 (Lei nº 10.639) no currículo de todas as disciplinas que compõem a Educação Básica. O que significou o reconhecimento da ausência do negro enquanto produtor de saber e portador de uma história. Assim, nos restringimos ao modo como a história e cultura africana é inserida no ensino de Sociologia, e para isso, nos detemos sobre o modo em que as religiões de matriz africana estão sendo abordados pelos livros didáticos de Sociologia aprovados pelo PNLD 2018 . Foi possível identificar que ao abordar as religiões de matiz africana, o debate se restringe ao candomblé e a umbanda, que são observadas no âmbito da diversidade de religiões existentes no Brasil e sua contextualização no âmbito da formação da cultura nacional. Neste sentido, há muito ainda a ser feito para o debate da intolerância religiosa, bem como, do racismo brasileiro.


Palavras-chave


: Lei nº 10.639/03. Ensino de Sociologia. Livros didáticos. Religiões de matriz africana. Racismo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v9i1.74370