TEORIA CRÍTICA, ESTUDOS E ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. POSSIBILIDADE DO ENSINO E DAS CIÊNCIAS DA RELIGIÃO A PARTIR DO PENSAMENTO DE MAX HORKHEIMER E JÜRGEN HABERMAS

Manoel Ribeiro de Moraes Junior, Flávia Cristina Araújo Lucas

Resumo


Os escritos de Max Horkheimer sobre religião situam-se num tempo de fronteiras. Política, religião, etnia, economia, direito, razão, sociedade, artes e diversos outros campos de pesquisa passaram a ganhar um novo enfoque num tempo de sangrentos atritos e desastrosos confrontos. O fim aconteceu em quase todo o século XX. E em meio a tantos desastres, as perguntas teóricas que Max Horkheimer “O que é religião?” e “Como é possível pensá-la?” ganharam pertinências por associar erudição, história e mundo-da-vida nos seus escritos e pensamentos. O pensamento crítico sobre religião em Max Horkheimer e Jürgen Habermastem sua envergadura e legitimidade por associar suas reflexões teóricas nos binômios teoria e práxis, pensamento e existência singular. Por isso, as reflexões sobre os Estudos da Religião a partir deste pensador alemão ainda nos são importantes, pois as tradições intelectuais sobre religião são revisitadas frete à condição humana – dimensão onde a religião é expressa. É importante destacar assim que ao lado de temas como política, epistemologia, ética, o Ensino Religioso é uma aplicabilidade das Ciências da Religião visando a democratização dos saberes religiosos sob o enfoque teórico compreensivo e crítico, e, do outro lado, político no qual se empenha em pensar as religiões numa dinâmica solidária a despeito dos aspectos totalizantes das religiões em suas esferas sociais específicas.


Palavras-chave


Teoria Crítica, Religião, Iluminismo, Escola de Frankfurt.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T-W. Dialética negativa. Rio de Janeiro: Zahar, 2009

AMARAL, Maria Nazaré de Camargo Pacheco. Período clássico da hermenêutica filosófica. São Paulo: EdUNESP, 1994

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Brasília: UnB, 1999

BORGES, Bento Itamar. Crítica e teorias da crise. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

CASSIRER, Ernst. Antropologia Filosófica. São Paulo: Editora Mestre Jou, 1977.

CHRISTIN, Olivier. La paix de religion. L´autonimisation de la raison politique au XVI siècle Paris: du Seuil, 1997.

DILTHEY, W. Introducción a las Ciencias del Espíritu. Madrid: Alianza Universidad, 1986.

DUPAS, Gilberto. Atores e poderes na nova ordem social. Assimetrias, instabilidades e imperativos de legitimação. São Pulo: Unesp, 2005.

FOUCAULT, Michel. Nietzsche, Freud & Marx. Theatrum philosoficum. 4ª ed. Trad. Jorge Lima Barreto. São Paulo: Princípio, 1987.

HABERMAS, Jürgen et al. The Power of Religion in the Public Sphere. New York: Columbia University Press, 2011.

HABERMAS, Jürgen. Entre Naturalismo e Religião. Estudos Filosóficos. Trad. Flavio Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2007.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade (2 Vols.). Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro,1997.

HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro: estudos de teoria e política. Tradução de George Sperber e Paulo Astor Soethe. São Paulo: Loyola, 2002.

HABERMAS, Jürgen. Pensamento Pós-Metafísico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

HABERMAS, Jürgen. O Futuro da Natureza Humana. São Paulo: Martins Fontes, 2004. Habermas, Jürgen (2010) Obras Escolhidas de Jürgen Habermas. Vol 1. - Fundamentação Linguística da Sociologia. Lisboa, Edições 70.

HEIDEGGER. Martin. Ser e Tempo, trad. Márcia de Sá Cavalcante, Petrópolis, Vozes, 1988.

HONNETH, Axel. “Uma patologia social da razão: sobre o legado intelectual da Teoria Crítica” in: RUSH, Fred. Teoria Crítica. Aparecida: Idéias & Letras, 2008, pp. 389-415.

HORKHEIMER, Max. Teoria Crítica: uma documentação. (Tomo1). São Paulo: Perspectiva, 1990.

HORKHEIMER, Max. Origens da filosofia burguesa da história. Lisboa: Editora Presença, 1984.

HORKHEIMER, Max. Gesammelte Schriften (Vol. 03). Frankfurt: S. Fisher, 1988.

HUME, David. Ensaios Morais, Políticos e Literários. Tradução de Luciano Trigo. Rio de Janeiro: Topbooks, 2004;

HUSSERL, Edmund. A crise da humanidade européia e a filosofia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

HUSSERL, E. Investigaciones Lógicas, trad. Manuel G. Madrid, Biblioteca de la Revista de Occidente, 1976.

HUSSERL, E. Invitación a la fenomenologia. Barcelona: Paidós, 1992.

KANT, I. Crítica da Razão Pura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1994.

LIMA VAZ, Claudio Henrique. Antropologia Filosófica (Volume I). São Paulo: Loyola, 2004.

LUKACS, G. História e consciência de classe, São Paulo: Martins Fontes.

MACHADO, Irene. Escola de semiótica. A experiência de Tártu-Moscol para o Estudo da Cultura. São Paulo: FAPESP, 2003.

MANZANA, J. Interpretación y recepción de la filosofía teorética de Kant en el pensamiento de Max Horkheimer. Cuadernos salmantinos de filosofía. Vol. III, pp. 57-71. Salamanca: Universidad Pontificia de Salamanca, 1976.

McINTYRE, A. After Virtue. Indiana: University Notre Dame Press, 1985.

MORAES JUNIOR, Manoel Ribeiro de. A dimensão teórica das Ciências da Religião. Uma discussão preliminar. Rever (PUCSP), v. 15, p. 80, 2015.

MORAES JUNIOR, Manoel Ribeiro de. Democracia, Culturas e Religiões: reflexões introdutórias à possibilidade da conivência democrática, participativa e política em face à multiplicidade cultural e religiosa a partir da teoria da ação comunicativa de Jürgen Habermas. Problemata, v. 5, p. 20-43, 2014.

SILVEIRA, Emerson Sena ; MORAES JÚNIOR, Manoel Ribeiro de. A Dimensão Teórica dos Estudos da Religião Horizontes Histórico, Epistemológico e Metodológico nas Ciências da Religião. 11. ed. São Paulo: Fonte Edotrial, 2016. v. 1. 158p .

NIETZSCHE, F. Da Utilidade e Inconvenientes da História para a Vida. Lisboa, Livrolândia, S/D)

NIETZSCHE, F. Origem da tragédia. Lisboa: Guimarães, 1999.

RIBEIRO, Bernardo Bianchi Barata. O Nominalismo em Hobbes. REVISTA ESTUDOS HUM(E)ANOS. IUPERJ. BRASIL. VOL. 0, N. 1, 2010. (http://revista.estudoshumeanos.com/wp-content/uploads/2009/12/015-38.pdf, Acessado em 18 de dezembro de 2016, às 11.37).

RICOEUR P. Interpretação e Ideologias. Rio de Janeiro: Forense. 1988;

SCHLEIERMACHER F. D. Hermenêutica: arte e técnica da interpretação. Petrópolis: Vozes. 1999.

SIQUEIRA, José Eduardo (org.). Ética, Ciência e Responsabilidade. São Paulo: Loyola.

STEGMÜLLER, Wolfgang. A filosofia contemporânea (Vol. 01). São Paulo: EdUSP, 1977;

STIRK, Peter M. R. “Materialism and Epistemology” in: Max Horkheimer: a new interpretation. Lanham: Barnes & Nobles Books: 1992, pp. 107-130.

WEBER, Max. Sociologia das Religiões. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v7i1.62313