O SENTIMENTO DE PERTENÇA E SENSÍVEL NOS RITUAIS DA VELA E DO TERÇO ON-LINE

Carla Valeria da Costa Feitosa

Resumo


Trata do estudo sobre o sentimento de pertença e sensível aplicados aos rituais do terço e da vela virtual afirmando que a cultura ocidental ruma a uma nova religiosidade. Recuero, comentando Ray Oldenburg, adverte que os locais onde os laços de amizades são feitos e alimentados, entre os quais encontra-se a igreja, estão fadados ao desaparecimento fazendo com que comunidades virtuais religiosas ofereçam ao público um novo espaço de sociabilidade. Com isso, os rituais já conhecidos como o ato de acender uma vela e rezar o terço estão disponíveis também no mundo virtual e com eles o sentimento de pertencimento a uma comunidade religiosa, já que é desejo dos fiéis manifestarem sua fé juntamente com seus coirmãos. Da mesma forma, o ato de acender uma vela ou rezar o terço via web está repleto de significado na esfera do sensível. Há a necessidade de um ajuste total tanto do usuário quanto da voz gravada disponibilizada pelo site. Tal interação propicia ao usuário sensações de um contato direto com o mundo espiritual. O contato com uma vela acesa, representando pedidos de inúmeros fiéis, e o ato de rezar um terço virtual real, porque a fé é real, pode fazer com que o usuário se sinta convocado por esses rituais, denotando assim um efeito de presença, e contagiado a realizar o mesmo ato de fé.

 

Palavras-chave


Comunicação. Vela e Terço virtuais. Pertença. Sensível

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Fábio. Substantivos Concretos e Abstratos. Rio Grande do Sul, 2013. Disponível em:< http://gramaticaemvideo.com.br/?page_id=1930>. Acesso em: 26 fev. 2014.

BAUMGARTEN, Alexander Gottlieb. Estética: a lógica da arte e do poema. Petrópolis: Vozes, 1993.

BELLOTTI, Karina Kosicki. Mídia, Religião e História Cultural. Revista de Estudos da Religião, 2004. Disponível em: WWW.pucp.br/rever4_2004/p_bellotti.pdf. Acesso em: 27 jun. 2013.

BORBA, Francisco da Silva. Dicionário UNESP do Português Contemporâneo. UNESP: São Paulo, 2004.

CUNHA, Celso & CINTRA, Luís F. Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. 5. Ed., Rio de Janeiro: Lexiton, 2008.

FAUSTO NETO, Antônio. Dispositivos de tele-cura e contratos da salvação. “Você que disse que Deus fazia isso só antigamente, Deus continua fazendo hoje pela televisão” (Missa de Cura e de Libertação, TV Canção Nova, 16.01.05). In: UNIrevista, vol. 3, nº 1, julho, 2006, São Leopoldo: Unisinos.

FLUSSER, Vilém. Da Religiosidade: a literatura e o senso de realidade. São Paulo: Escrituras Editora, 2002.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Pequenas crises: experiência estética nos mundos cotidianos. In: GUIMARÃES, César; LEAL, Bruno;

MENDONÇA, Carlos. Comunicação experiência estética. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006. p.50-63.

LANDOWSKI, Eric. Aquém ou além das estratégias, a presença contagiosa. São Paulo: Edições CPS, 2005.

_________________. Passions sans nom. Paris, P.U.F. 2004.

MSF. Graças Alcançadas. São Paulo; 2012. Disponível em:< http://www.aascj.org.br/home/gracas-alcancadas/comment-page-15/#comments> Acesso em: 17 mar. 2014.

OLIVEIRA, Ana Cláuda Mei Alves de. A leitura do jornal como experiência sensível. São Paulo, 2004. Disponível em: < http://www.pucsp.br/cps/pt-br/arquivo/Biblio-AnaClaudia3.pdf>. Acesso em: 06 mar. 2014.

RECUERO, Raquel da Cunha. Comunidades Virtuais: uma abordagem teórica. Rio Grande do Sul, S.D. Disponível em:< http://www.bocc.ubi.pt/pag/recuero-raquel-comunidades-virtuais.pdf>. Acesso em: 26 fev. 2014.

ROSSI, Padre Marcelo.Terço Bizantino. [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por carlavaleria.feitosa@ig.com.br 21fev.2014.

TALON-HUGON, Carole. A estética: história e teorias. Lisboa: Texto & Grafia, 2009.

VLP. Graças Alcançadas. São Paulo, 2012. Disponível em:< http://www.aascj.org.br/home/gracas-alcancadas/comment-page-8/#comments> Acesso em: 17 mar.2014.

WILGES, Irineu. Cultura Religiosa: as religiões no mundo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v5i1.45982