RELIGIOSIDADE E ESPACIALIDADES NO FOLGUEDO DO BOI:UMA FESTA COM VARIAÇÕES LOCAIS

Beatriz Helena Furlanetto, Roberto Filizola

Resumo


O texto tem por objetivo investigar a religiosidade presente no folguedo do boi, uma das manifestações mais ricas do folclore brasileiro. Foram realizadas pesquisas de campo, bem como análise documental e bibliográfica acerca do bumba-meu-boi em São Luiz (MA), boi-bumbá em Parintins (AM) e Guajará-Mirim (RO), além do boi-de-mamão no litoral dos estados do Paraná e de Santa Catarina. O folguedo revela os atributos culturais de cada região e, enquanto criação coletiva é capaz de exprimir os sentidos que os sujeitos atribuem na sua relação com o espaço vivido e a natureza. No cotidiano dos artistas populares, a riqueza de suas vivências espaciais é contada e cantada nas múltiplas narrativas do folguedo. O mito da morte e ressurreição do boi é um tema que representa o ciclo da continuidade e aparece pelo país por meio de variações regionais, e também em escala local. A religiosidade se mescla à alegria e exuberância da festa, onde os atores sociais projetam suas visões de mundo e constroem suas concepções de identidade.

Palavras-chave


geografia cultural; religiosidade; folguedo do boi

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Mário de. Danças dramáticas do Brasil. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1º vol., 1959.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1954.

CASSIRER, Ernst. Ensaio sobre o homem: introdução a uma filosofia da cultura humana. Trad. Tomás R. Bueno. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

CHEVALIER, Jean. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Trad. Vera da Costa e Silva. 24 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

CORRÊA, Aureanice de Mello. Espacialidades do sagrado. p. 163-179. In SERPA, Angelo (org.) Espaços culturais: vivências, imaginações e representações. Salvador: EDUFBA, 2008.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. Trad. Rogério Fernandes. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FERREIRA, Carla George Silva; SILVA, Carlos Benedito Rodrigues da. Festejar com fé: o bumba-meu-boi maranhense uma cumplicidade com São João. In: Revista Brasileira do Caribe. Salvador: 2008. Disponível em: www.revistabrasileiradocaribe.org/ CarlaFerreiraCarlosSilva. Acesso em: 07/06/2009.

GIL FILHO, Sylvio Fausto. Geografia da Religião: reconstruções teóricas sob o idealismo crítico. In: Kozel, Salete; COSTA SILVA, Josué da; GIL FILHO, Fausto (orgs.). Da percepção e cognição à representação: reconstruções teóricas da Geografia Cultural e Humanista. São Paulo: Terceira Margem; Curitiba: NEER, 2007.

GIL FILHO, Sylvio Fausto. Por uma geografia do sagrado. p. 253-265. In: Elementos de epistemologia da geografia contemporânea. MENDONÇA, F. KOZEL, S. (orgs.) Curitiba: Ed. da UFPR, 2009.

GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudos em geografia da religião. Curitiba: Ibpex, 2008.

KONG, Lily. Música popular nas análises geográficas. p.129-175. In: CORRÊA, Roberto L.; ROSENDHAL, Zeny (orgs.). Cinema, música e espaço. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2009.

MEYER, Marlyse. Caminhos do imaginário no Brasil. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1993.

RONECKER, Jean-Paul. O simbolismo animal: mitos, crenças, lendas, arquétipos, folclore, imaginário. Trad. Benôni Lemos. São Paulo: Paulus, 1997.

ROSENDHAL, Zeny. Espaço, cultura e religião: dimensões de análise. p.187-224. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDHAL, Zeny (orgs.). Introdução à geografia cultural. 2 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007. SACK, Robert David. Human territoriality: Its theory and history. Cambridge: Cambridge University Press, 1980.

SADIE, Stanley. Dicionário Grove de Música. Edição concisa. Trad. Eduardo F. Alves. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 1994.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Trad. Lívia de Oliveira. São Paulo: Difel, 1980.

VEYNE, Paul. Foucault: seu pensamento, sua pessoa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v1i1.31042