REGIONALIZAÇÃO FÍSICO-GEOGRÁFICA EM DOMÍNIO DE RELEVOS MONTANHOSOS TROPICAIS: GEOSSISTEMAS NA REGIÃO DA MANTIQUEIRA MERIDIONAL, SUDESTE DO BRASIL

Roberto Marques Neto

Resumo


A Serra da Mantiqueira perfaz uma região geomorfológica de gênese tectônica no Brasil Sudeste, vinculada à tafrogenia que acometeu o setor oriental da Plataforma Brasileira durante a separação da paleoplaca Afro-brasileira entre o Cretáceo Superior e o Cenozoico Inferior. Configura um horst de orientação geral NE-SW ao longo do qual o processo histórico de transformação da paisagem destoa do quadro de alterações profundas forjadas pelos ciclos econômicos. As cristas e escarpas de falha da Serra da Mantiqueira figuram como sistemas geomorfológicos restritivos ao uso e ocupação, permitindo que a região resguardasse os últimos estoques florestais de Mata Atlântica primária, distribuída em considerável continuidade ao longo dos flancos declivosos das cristas alongadas, escarpas capeadas por depósitos coluvionares e morrarias profundamente dissecadas. Além disso, nos patamares de cimeira eclodem paisagens eminentemente azonais em campos altimontanos que coroam os cinturões florestais dispostos em sucessões altitudinais de grupos ecológicos e fitofisionômicos. Motivado pelo caráter de exceção destas paisagens e de sua importância socioambiental, o presente trabalho apresenta uma proposta de regionalização físico-geográfica para a porção da Mantiqueira Meridional contida no estado de Minas Gerais elaborada a partir da concepção geossistêmica. As bases teórico-metodológicas foram construídas segundo os modelos eslavos, a partir das premissas estabelecidas por V. B. Sochava integrada às concepções de A. G. Isachenko, propondo-se um mapa regional-tipológico que resultou em quatro macrogeócoros que congregam cinquenta classes de fácies.


Palavras-chave


Macrogeócoro. Classes de fácies. Paisagens montanhosas. Zonação altitudinal.

Referências


ABALAKOV, A. D.; SEDYKH, S. A. Regional-typological study and mapping of geosystems: analysis of the implementation. Geography and Natural Resources, v. 31, p. 317-323, 2010.

AB’SÁBER, A. N. Potencialidades paisagísticas brasileiras. Geomorfologia, n. 55, 28p, 1977.

ALMEIDA, F. F. M. Geologia do Estado de São Paulo. Boletim n° 41, 1964. 263p.

BERTRAND, G. Paisagem e Geografia Física Global: esboço metodológico. Caderno de Ciências da Terra. São Paulo, n. 13, 1971.

CAVALCANTI, L. C. S. Da descrição de áreas à Teoria dos Geossistemas: uma abordagem epistemológica sobre sínteses naturalistas. 2013, 205p. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013.

GUIMARÃES, F. M. S. Divisão regional do Brasil. Revista Brasileira de Geografia, v. 3, p. 318-373, 1941.

DELGADO DE CARVALHO. Geographia do Brasil. 6° Ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1931. 481p.

HAESBERT, R.; PEREIRA, S. N.; RIBEIRO, G. (Orgs.) Vidal, Vidais: textos de Geografia humana, regional e política. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2012. 463p.

GANZEI, K. S. The geosystems of the Southern and Middle Kuril Islands. Geography and Natural Resources, v. 29, p. 251-255, 2008.

HASSE, G. Medium scale landscape classification in the German Democratic Republic. Landscape ecology, v. 3, n. 1, p. 29-41, 1989.

INPE. TOPODATA. Banco de dados geomorfométricos do Brasil. Disponível em: http://www.dsr.inpe.br/topodata/indesc/php. Acesso em julho de 2013.

ISACHENKO, A. G. Principles of landscape science and Physical Geography Regionalization. Melbourne, 1973. 311p.

KITOV, A. D.; KOVALENKO, S. N.; PLYUSNIN, V. M. The results of 100-year-long observations of the glacial geosystem dynamics in the Munku-Sardyk massif. Geography and Natural Resources, v. 30, p. 272-278, 2009.

KUZMENKO, E. I. Cartographic approach in studying the structure and dynamics of geosystems as exemplified by the middle Ob region. Geography and Natural Resources, v. 32, n. 2, p. 184-189, 2011.

KUZNETSOVA, T. I.; BYCHKOV, I. V.; BATUEV, A. R.; PLYUSNIN, V. M.; RUZHNIKOV, G. M.; KHMEL’NOV, A. E. Structural-typological characteristics and ecological potential of the Baikal region’s geosystems. Geography and Natural Resources, v. 32, n. 4, p. 315-322, 2011.

LYSANOVA, G. I.; SEMENOV, Y. M.; SOROKOVOI, A. A. Geosystems of the Upper Yenisei Basin. Geography and Natural Resources, v. 32, n. 4, p. 92-99, 2011.

MARQUES NETO, R. Estudo evolutivo do sistema morfoclimático e morfotectônico da bacia do Rio Verde (MG), sudeste do Brasil. 2012, 429p. Tese (Doutorado em Geografia), Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista. Rio Claro, 2012.

MARQUES NETO, R. O horst da Mantiqueira Meridional: proposta de compartimentação morfoestrutural para sua porção mineira. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 18, n. 3, p. 561-577, 2017.

OLIVEIRA, C. S. Estudo dos geossistemas das cristas quartzíticas da Mantiqueira Meridional: a paisagem em perspectiva multiescalar. 131f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, 2016.

OLIVEIRA, T. A. A concepção geossistêmica aplicada ao estudo da dinâmica da paisagem na bacia hidrográfica do Rio Lourenço Velho, sul do estado de Minas Gerais. 2013, 164p. Tese (Doutorado em Geografia), Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2013.

RICCOMINI, C. O rift continental do sudeste do Brasil. São Paulo, 1989. 256p. Tese de Doutorado, Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo.

RODRIGUEZ, J. M. M.; SILVA, E. V.; CAVALCANTI, A. P. Geoecologia das paisagens: uma visão geossistêmica da análise ambiental. 3° ed. Fortaleza: edições UFC, 2010. 222p.

ROSS, J. L. S. O Registro Cartográfico dos Fatos Geomórficos e a Questão da Taxonomia do Relevo. Revista do Departamento de Geografia. FFLCH-USP. n. 6. São Paulo, 1992.

___________ Ecogeografia do Brasil: subsídios para o planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2006. 208p.

SAADI, A. Ensaio sobre a morfotectônica de Minas Gerais: tensões intraplaca, descontinuidades crustais e morfogênese. Belo Horizonte, 1991. 285p. Tese (Professor Titular), Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais.

SCHOBBENHAUS, C.; CAMPOS, D. A.; DERZE, G. R.; ASMUS, H. E. Geologia do Brasil. Brasília: MME/DNPM, 1984. 501p.

SOARES, A. C. P; NOCE, C. M; TROUW, R. A. J; HEILBRON, M. Projeto Sul de Minas. COMIG-UFMG-UFRJ-UERJ. Folhas Pouso Alto, Caxambu, Itajubá e Varginha, 2002.

SOCHAVA, V. B. Geography and ecology. Soviet Geography: review and translation. New York, v. 12, n. 5, p. 277-293, 1971.

________________ O Estudo dos Geossistemas. Métodos em Questão, n. 16, 1977.

________________ Por uma Teoria de Classificação dos Geossistemas da Vida Terrestre. Biogeografia, n. 14, 1978.

________________ Introducción a la teoria sobre los geosistemas. Novosibirsk: Nauka, filial de Sibéria, 1978. 318p. (em russo).

SUVOROV, E. G.; SEMENOV, Y. M.; NOVITSKAYA, N. I. The landscape-assessment map for the Asian parto f Russia: the principles and methodological aspects of charting. Geography and Natural Resources, v. 30, p. 313-317, 2009.

_____________; KITOV, A. D. Landscape structure of the southeastern part of Eastern Sayan. Geography and Natural Resources, v. 34, n. 4, p. 371-377, 2013.

TANSLEY, A. G. The use and abuse of vegetational concepts and terms. Ecology, v. 16, n. 3, p. 284-307, 1935.

TRICART, J. Principés et méthods de la Geomorphologie. Paris: Masson, 1965.

TROPPMAIR, H. Ecossistemas e Geossistemas do Estado de São Paulo. Boletim de Geografia Teorética. Rio Claro, v. 13, n. 25, 1983

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais; UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS. Fundação Estadual do Meio Ambiente. Mapa de solos do Estado de Minas Gerais: legenda expandida. Belo Horizonte: Fundação Estadual do Meio Ambiente, 2010. 49p.

VASCONCELOS SOBRINHO, J. As regiões naturais de Pernambuco, o meio e a civilização. Rio de Janeiro/São Paulo: Livraria Freitas Bastos, 1949. 219p.

VEADO, R. C. V. Geossistemas do estado de Santa Catarina. Tese (Doutorado em Geografia), Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 1999.

VITTE, A. C. A construção da geomorfologia no Brasil. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 12, n. 3, p. 91-108, 2011.

WALTER, H. Vegetação e zonas climáticas. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária. 5° ed., 1984.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v50i0.66721

Direitos autorais 2021 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009