ANÁLISE POR MÚLTIPLOS CRITÉRIOS PARA A DEFINIÇÃO DE NÍVEIS DE FRAGILIDADE POTENCIAL - UM ESTUDO DE CASO: BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA/PR

Marcos Antonio Miara, Chisato Oka-Fiori

Resumo


Os SIGs (Sistemas de Informações Geográficas) como ferramentasde análise ambiental a partir de módulos específicospossibilitam utilizar diversas informações concomitantemente.A fim de explorar tal capacidade, a presente pesquisa aplicouuma Avaliação por Múltiplos Critérios (MCE), utilizandotambém o método AHP (Analytic Hierarchy Process) paraa identificação de níveis diferenciados de fragilidade ambientala partir da definição de pesos às variáveis físicasconsideradas. O trabalho utilizou a bacia hidrográfica dorio Cará-Cará, Ponta Grossa/PR, como área de estudo. Osresultados demonstraram uma variação de cinco classes defragilidade ambiental que se correlacionaram com a realidade,fornecendo assim subsídios para uma avaliação positiva dosmétodos utilizados.

Palavras-chave


Análise por Múltiplos Critérios; fragilidade ambiental; bacia hidrográfica do rio Cará-Cará; Multi-Criteria Evaluation; environmental fragility; watershed of Cará-Cará river

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR NETO, Alencar. Folha Ponta Grossa (SG-22-X-C-II-2), escala 1:50.000. Comissão da Carta Geológica do Paraná – Projeto Leste do Paraná, Convênio CPRM – DNP, – BADEP – UFPR, 1977.

BERTONI, José; LOMBARDI NETO, Francisco. Conservação do solo. São Paulo: Ícone, 1990.

BOIKO, Josemara Daron. Mapeamento geomorfológico e fragilidade ambiental da bacia hidrográfica do rio Curralinho – Região Metropolitana de Curitiba – PR. Dissertação de Mestrado. Curitiba, Universidade Federal do Paraná, 2004.

BOIKO, J. D.; SANTOS, L. J. C. Caracterização geomorfológica preliminar da bacia do rio Curralinho, Região Metropolitana de Curitiba – PR. In: V Simpósio Nacional de Geomorfologia e I Encontro Sul-Americano de Geomorfologia. UFSM – RS, 2004. Anais...

CREPANI, Edison et al.Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico-econômico e ao ordenamento territorial. Ministério da Ciência e Tecnologia – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais/INPE. São José dos Campos, 2001.

DSG. Carta Topográfica – Folha Ponta Grossa SG. 22-X-C-II / 2 (MI – 2840/2), em escala 1:50.000, com Sistema de Projeção UTM, Datum vertical de Imbituba, Santa Catarina, e Datum horizontal de Córrego Alegre, Minas Gerais, 1980.

EASTMAN, J. R. Idrisi for Windows users guide. Clark University, Worcester, 1995.GODOY, L. C. Mapa Geológico do Município de Ponta Grossa.

MINEROPAR (Minerais do Paraná S.A.) e Prefeitura Municipal de Ponta Grossa. Escala 1:250.000, 200?.

HIGA, A. R. (Coord.). SIFLOR. Curitiba, 2003. 1 CD-ROM.INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, Spring v. 4.1.1, 2005.

KLEIN, Roberto Miguel; HATSCHBACH, Gerdt. Fitofisionomia e notas complementares sobre o mapa fitogeográfico de Quero-Quero (Paraná). Boletim Paranaense de Geociências, Curitiba, v. 28-29, p. 159-188, 1971.

LARACH, Jorge Olmos Iturri et al. (Coord.). Levantamento de Reconhecimento dos Solos do Estado do Paraná. Curitiba, EMBRAPA – SNLCS. Boletim Técnico, 57 – TOMO 1, 1984¹.

LARACH, Jorge Olmos Iturri et al. (Coord.). Levantamento de Reconhecimento dos Solos do Estado do Paraná. Curitiba, EMBRAPA – SNLCS. Boletim Técnico, 57 – TOMO 2, 1984².

LEITE, Pedro Furtado; KLEIN, Roberto Miguel. Vegetação. In:IBGE. Geografia do Brasil. Rio de Janeiro: 1990. v. 2: Região Sul. p. 113-150.

LOMBARDI NETO, F.; MOLDENHAUER, W. C. Erosividade da chuva: sua distribuição e relação com perdas de solo em Campinas, SP. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA SOBRE CONSERVAçãO DO SOLO, 3., Recife, 1980. Anais... fl.13.

MINEROPAR. Atlas Geológico do Estado do Paraná. Curitiba, 2001.

MORO, Rosemeri Segecin. A vegetação dos Campos Gerais da escarpa devoniana. In: DITZEL, C. H. M.; SAHR, C. L. L. (Org.). Espaço e cultura: Ponta Grossa e os Campos Gerais, Ponta Grossa: Editora UEPG, 2001.

MORO, Rosemeri Segecin; KACZMARECH Renoaldo. Caracterização Geral da Vegetação da Bacia do Arroio Olarias. In: ANDRADE FILHO, A. G. .(Coord.). Planejamento Ambiental da Bacia do Arroio de Olarias. Universidade Estadual de Ponta Grosa, Núcleo de Estudos em Meio Ambiente – NUCLEAM – Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, 2001.

PENTEADO, M. M. Fundamentos de Geomorfologia. IBGE, Secretaria de Planejamento da Presidência da República. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertran, 1980.

RODRIGUES, C. S. Análise empírico-experimental da fragilidade relevo-solo no cristalino do planalto paulistano:sub-bacia do reservatório Billings. São Paulo, 1998. Tese (Doutorado em Geografia Física) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

ROSS, Jurandyr L. Sanches. Geomorfologia Ambiente e Planejamento. São Paulo: Contexto, 1990.

______. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia, USP – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, n. 8, 1994.

______. Análises e sínteses na abordagem geográfica da pesquisa para o planejamento ambiental. Revista do Departamento de Geografia, USP – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, n. 9, 1995.

SOARES, Paulo César; FIORI, Alberto Pio. Lógica e sistemática na análise e interpretação de fotografias aéreas em geologia. Notícias Geomorfológicas, Campinas, v. 16,n. 32, p. 71, 1976.

ZAMBON, Kátia Lívia, CARNEIRO, Adriano Alber de França M., SILVA, Antônio Nélson Rodrigues da et al.Análise de decisão multicritério na localização de usinas termoelétricas utilizando SIG. Pesqui. Oper. [online]. May/Aug. 2005, v. 25, n. 2, p.183-199. Disponível em: Acesso em: 7/12/2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v13i0.6642

Direitos autorais

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009