DINÂMICAS TERRITORIAIS DOS PRINCPAIS NODAIS SULISTAS DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA

Daniel Monteiro Huertas

Resumo


Em análise estruturada a partir da teoria do espaço geográfico, este artigo tem como objetivo demonstrar as peculiaridades e dinâmicas territoriais que corroboram a inserção do polígono gaúcho (Porto Alegre-Caxias do Sul-Lajeado-Santa Cruz do Sul) e dos eixos paranaense (Ponta Grossa-Curitiba-Paranaguá) e catarinense (Blumenau-Joinville-Itajaí-Florianópolis-Criciúma) como centralidades da rede geográfica do transporte rodoviário de carga, cuja configuração territorial é composta por linhas e nodais que em seu conjunto expressam a organização e estruturação desta atividade na formação socioespacial brasileira e evidenciam um processo de seletividade espacial que privilegiou certos pontos e áreas em detrimento de outros, demarcado pela concentração e atuação de seus agentes. Conclui-se, mediante ampla investigação empírica, que os três Estados sulistas formam um denso corredor rodoviário longitudinal de cerca de 700 km entre Curitiba e Porto Alegre, seja pelo litoral (BRs 376, 101 e 290), seja pelo interior (BR-116), de grande importância para o conjunto do país, principalmente como centros consumidores relevantes e de produção industrial diversificada. Fluxos intrarregionais densos, entre capitais e destas com o interior de seus respectivos Estados; maior equilíbrio de frete-retorno; forte relação com São Paulo e presença significativa de caminhoneiros autônomos são outras características do conjunto de nodais em questão.

Palavras-chave


circulação; centralidade; seletividade espacial.

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


ARROYO, M.Dinâmica territorial, circulação e cidades médias. In:SPOSITO, E.S.; SPOSITO, M.E.B.e SOBARZO, Oscar (orgs.). Cidades médias: produção do espaço urbano e regional. São Paulo: Expressão Popular, 2006, p.71-85.

_______________. La división territorial del trabajo: un proceso e una categoría para intepretar el mundo. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE GEOGRAFIA CRÍTICA, 4ª, 2005, Ciudad de México: anais eletrônicos, p.1-12.

CLOZIER, R.Géographie de la circulation.Paris: Génin, 1963.

CORRÊA, R.L. Interações espaciais. In:CASTRO, I. E.de; GOMES, P.C.da C.e CORRÊA, R.L.(orgs.). Explorações geográficas: percursos no fim do século. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997, p.279-318.7Entrevista concedida em São Paulo em 28 de dezembro de 2011.

HUERTAS, D.M. Território e circulação: transporte rodoviário de carga no Brasil. 2013. Tese de Doutoradoem Geografia Humana, Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

MARX, K. O capital: crítica da economia política –Livro Segundo: O processo de circulação do capital, volume III.13.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011 [1893].

RAFFESTIN, C.(1980). Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

SANTOS, M.(1979). O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. 2ª ed. 1ª reimp. São Paulo: Edusp, 2008.

_____________(1993). A urbanização brasileira. 5.ed. São Paulo: Edusp, 2005.

_____________ (1996). A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. 4.ed. São Paulo: Edusp, 2004.

_____________ (1979). Economia espacial: críticas e alternativas. 2.ed. São Paulo: Edusp, 2003.

_____________. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.

SAVY, M. Logistique et territoire. Espace géographique, Paris, tome 22, nº 3, p.210-18, 1993.

SILVA JUNIOR, R.F.Geografia de redes e da logística no transporte rodoviário de cargas: fluxos e mobilidade geográfica do capital. 2004. Dissertação de Mestradoem Geografia, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Presidente Prudente.

THOMSON, J. M. Teoría económica del transporte. Madrid: Alianza Editorial, 1976.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v37i0.41530

Direitos autorais 2016 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009