ESTUDO DA COBERTURA VEGETAL/USO DA TERRA NOS ANOS DE 1987 E 2007 NO NÚCLEO DE DEGRADAÇÃO/DESERTIFICAÇÃO DE SÃO RAIMUNDO NONATO - PIAUÍ

Cláudia Maria Sabóia de AQUINO, José Antonio Pacheco de ALMEIDA, José Gerardo Beserra de OLIVEIRA

Resumo


A cobertura vegetal é um componente de grande relevância para o equilíbrio ambiental, uma vez que assegura a proteção dos solos contra a erosão hídrica. Esta é recomendada pela ONU como um indicador para fins de avaliação do processo de desertificação. Considerando que aproximadamente 45,3% do estado do Piauí apresentam suscetibilidade a desertificação, este trabalho objetivou analisar de forma espaço-temporal, com o emprego de técnicas de sensoriamento remoto (detecção de mudanças), a dinâmica da cobertura vegetal/uso da terra no Núcleo de São Raimundo Nonato, para fins de avaliar a degradação/desertificação. Os resultados mostraram que houve decréscimo significativo da classe de cobertura vegetal/uso da terra do tipo agricultura+solos exposto. Esta decresceu de 31,1% em 1987 para 26,8% em 2007. Já na classe caatinga arbustiva densa, constatou-se incremento de 24,9% para 39,3%. Os resultados sugerem o aumento da proteção oferecida pela cobertura vegetal que em 1987 era de 15,7% passou para 17,5% em 2007, com consequente diminuição do processo de degradação/desertificação na área de estudo.

Palavras-chave


Sensoriamento Remoto; Cobertura Vegetal; Uso da Terra; NDVI; Desertificação.

Texto completo:

PDF

Referências


ACCIOLY, L.J.O.; PACHECO, A.; COSTA, T.C.C.; LOPES, O.F.; & OLIVEIRA, M.A.J. Relações empíricas entre a estrutura da vegetação e dados do sensor TM/LANDSAT. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 6, nº3, p. 492-498, 2002.

ACCIOLY, L.J.O.; GARCON, E.A.M.; BARROS, M.R.O.; & BOTELHO, F. Avaliação de alvos em áreas sob desertificação no semiárido paraibano com base nos sensores Hyperion e LANDSAT7 ETM+. In: Anais XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Goiânia, p. 347-353, Abril, 2005.

AQUINO, C. M. S. Suscetibilidade Geoambiental das Terras Secas do Estado do Piauí à Desertificação. Dissertação de Mestrado –Programa Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2002.

AQUINO, C. M. S. Estudo da degradação/desertificação no Núcleo de São Raimundo Nonato –Piauí.Tese (Doutorado em Geografia) –Núcleo de Pós-Graduação em Geografia, Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, Universidade Federal de Sergipe, 2010.

BARBOSA, I; S.; ANDRADE. L. A.; & ALMEIDA, J. A. P. Evolução da cobertura vegetal e uso agrícola do solo no município de Lagoa Seca, PB. Revista Brasileira de EngenhariaAgrícola e Ambiental. Campina Grande, v.13, nº 5, p. 614-622, 2009.

BELTRAME, A.V. Diagnóstico do meio físico de bacias hidrográficas:modelo e aplicação. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1994.

BERTRAND, G. Paisagem e Geografia Física global: esboço metodológico. RA’EGA, Curitiba, nº 8, p. 141 –152,2004.BRASIL. Departamento Nacional de Produção Mineral. Projeto Radam.Levantamento de Recursos Naturais:Parte das Folhas SC.23 –Rio São Francisco e SC.24 Aracaju. Rio de Janeiro, Vol.1, 1973.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação nos Países afetados por seca grave e/ou desertificação, particularmente na África –CCD. Brasília: MMA, 1996. 89p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Programa de ação Nacional de Combate à desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca, PAN-BRASIL. Edição comemorativa dos 10 anos da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca –CCD. Brasília: MMA, 2004. 225p.

CAMPOS, S.; SILVA, M.; PIROLI, E. L.; CARDOSO, L.G. BARROS, Z.X. Evolução do uso da terra entre 1996 e 1999 no municípiode Botucatu –SP. Engenharia Agrícola, Jabotiocabal, vol. 24, nº 1, p. 211-218, jan/abr. 2004.

CRÓSTA, A.P. Processamento digital de imagens de sensoriamento remoto. Campinas: UNICAMP, 2001.170 p.CONTI, J.B.. A desertificação como forma de degradação ambiental no Brasil. In: RIBEIRO, W.C. (org.). Patrimônio Ambiental Brasileiro. São Paulo: EDUSP, 2003.

FERNANDES, L. R.; ALMEIDA, A.M.; DUARTE, C. R. Evolução da “cobertura vegetal”no município de Carnaúba dos Dantas –região do Seridó/RN. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto,XIV, 2009, Natal, 25-30 de abril, p.2721-2728.

FRANCO, E.S.; LIRA, V. M.; FARIAS, M. S.S.; PORDEUS, R.V.; LIMA, V.L.A. Uso de imagens TM/Landsat –5 na identificação da degradaçãoambiental na microbacia hidrográfica em Boqueirão –PB. In: Campo-território: revista de geografia agrária, vol. 2, nº 3, p. 79-88, fev., 2007.

FREITAS, M.W.D.de. Estudo integrado da paisagem no sertão pernambucano (NE-Brasil) com o uso de sistemas de informação geográfica e sensoriamento remoto. 2007. Dissertação (Mestrado em sensoriamento remoto) -INPE, São José dos Campos, 2007.

LEMOS, J. R. Fitofisionomia de um hectare de caatinga no Parque Nacional Serra da Capivara, Estado do Piauí, Brasil. In: Brasil Florestal,Brasília, nº 75, 2003.

LIMA, M.G., ALENCAR, P.A.M., e COELHO,H. Normais de temperaturas máxima, mínima e média estimadas em função de latitude, longitude e altitudepara o estado do Piauí. Ensaios–Boletim de Pesquisa, 1(1): 1-40, 1982.

LOPES, H.;CANDEIAS, A.L.B.;ACCIOLY, L.J.O.;SOBRAL, M. do C.M. & PACHECO, A.P.Parâmetros biofísicos na detecção de mudanças na cobertura e uso do solo e,m bacias hidrográficas. In: Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.14, n.11, p.1210–1219, 2010a.

MMA. Programa de ação Nacional de Combate à desertificação. Disponível em: . Acesso em 12 de novembro de 2008.

MELO, E. T.; SALES, M.C.L.; OLIVEIRA, J.G.B. Aplicação do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI) para análise da degradação ambiental da microbacia hidrográfica do Riacho dos Cavalos, Crateús-CE.In: RA’EGA,Curitiba, vol.23, p. 520-533, 2011.

OLIVEIRA, T. H.; SILVA, J.S.; SILVA, C.A.V.; SANTIAGO, M.M.; MENEZES, J.B.;SILVA, H.A. & PIMENTEL, R. M. M. Avaliação da Cobertura Vegetal e do Albedo da Bacia Hidrográfica do Rio Moxotó com Imagens do Satélite Landsat 5.In: Anais XIV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Natal, Brasil, 25-30 abril 2009.

RHODES, J. G. Repensando adesertificação:o que sabemos e o que temos aprendido?.Fortaleza: ICID, 1992.

ROXO,M.J. & J.M.MOURÃO. Um passo contra o deserto: a percepção do fenômeno. Revista Florestal, Lisboa, XI(1):30+34, 1998.

ROSEMBACK, R.; FERREIRA, N.J.; SHIMABUKURO, Y.E.; CONFORTE, J.C. Análise da dinâmica da cobertura vegetal na região sul do Brasil a partir de dados MODIS/TERRA. In: Revista Brasileira de Cartografia, nº 62, Edição Especial 2, p.401-416, 2010.

SÁ, I. I. S.; GALVÍNCIO, J. D.; MOURA, M.S.B.; & SÁ, I.B. Coberturavegetal e uso da terra na região Araripe pernambucana. Mercator, Fortaleza, v.9, nº 19, mai./ago., 2010.

SANTOS, P.; NEGRI, A. J. A comparasion of the normalized difference vegetation index and rainfall for the Amazon and northeastern Brazil. Journal of applied meteorology, Washington, v. 36, n 7, p. 958-965, 1997.

SILVA, V.C.L. & SILVA R. M. Análise da cobertura vegetal em Lucena entre 1970/2005 usando ecologia da paisagem, Sig e sensoriamento remoto. Caminhos de Geografia, Uberlândia, Vº 12, nº 37, p 8-20, 2011.

SOUSA, R. F.; BARBOSA, M. P.; SOUSA JÚNIOR, S.P.; NERY, A.P ; LIMA, A.N. Estudo da evolução espaço-temporal da cobertura vegetal do município de Boa Vista –PB, utilizando geoprocessamento. In: Caatinga, Mossoró, vol. 21, nº 3, p.22-30. Jun/agos. 2008.

SUDENE.Dados Pluviométricos Mensais do Nordeste:Estado do Piauí.Recife, 1990.

THORNTHWAITE, C.W & J.R. MATHER. The Water Balance-Publications in Climatology. N. Jersey: Centerton, v. VIII, nº 1, 1955.

UNEP. Status of desertification and implementation of the United Nations Plan of Action to CombatDesertification. Nairóbi, 1991.

VASCONCELOS SOBRINHO, J. Metodologia para Identificação de Processos de Desertificação: Manual de Indicadores. Recife: SUDENE, 1978.

VIEIRA, N.M. Estudo geomorfológico das voçorocas de Franca-SP. 1978. 225 f. Tese (Doutorado em História) -Instituto de História e Serviço Social, Universidade Estadual Paulista, Franca, 1978.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v25i0.28013

Direitos autorais

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009