GEOTECNOLOGIAS APLICADAS AO ESTUDO DE FORMAÇÃO E DE RISCO AMBIENTAL DAS FAVELAS DE MONTES CLAROS/MG

Marcos ESDRAS

Resumo


A formação de favelas não é um problema social presente apenas nas grandes cidades. A cidade média brasileira se destaca entre as áreas urbanas com maior número de assentamentos urbanos ilegais, como a favela. Diante do contexto de crescimento demográfico dessas cidades que desde a década de 1990 apresenta um crescimento demográfico maior que as metrópoles há uma perspectiva pessimista que o déficit habitacional nessas cidades tende a aumentar e, consequentemente, surgirão novas favelas. Por isso, é importante contar com instrumentos geotecnológicos que permitam monitorar o espaço urbano de maneira rápida para subsidiar eficazmente a gestão da cidade. Nesse sentido este artigo teve como objetivo entender o processo de formação das favelas de Montes Claros. Além disso, de forma específica analisou as características socioambientais desses assentamentos urbanos, no intuito de identificar os riscos ambientais comuns nas favelas de Montes Claros. Para atingir esses objetivos foi fundamental o uso do sensoriamento remoto, através de imagens de satélites de alta resolução espacial, e o Sistema de Informação Geográfica – SIG.

Palavras-chave


Geotecnologias; Sensoriamento Remoto; SIG; Cidade e Favela.

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, P. F.de. Problemas Ambientais na produção da cidade e da habitação de interesse social. In: CARVALHO, P. F. de; BRAGA, R. (Org.). Perspectivas de gestão ambiental em cidades médias. Rio Claro: LPM-UNESP, 2001.138p. p. 27-37.

ESTEVAM, E. A. Classificação de áreas de favelas a partir de imagens Ikonos: viabilidade de uso de uma abordagem orientada a objetos. 132 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Cartográficas) -Faculdade de Ciências e Tecnologia/UNESP. Presidente Prudente. 2006.

GROSTEIN, M. Análise dos processos de ocupação irregular do solo e dos processos de expansão e crescimento das cidades. In: MOTTA, D. M. Gestão do uso do solo e disfunções do crescimento urbano: instrumento de planejamento e gestão urbana em aglomerações urbanas: uma análise comparativa. Brasília: IPEA, 2002. 212p. p.32-36.

IBGE. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. Rio de Janeiro: IBGE, 1960, 1970, 1980, 1991 e 2000.

MATIAS, L. F.; NASCIMENTO, E. do. Geoprocessamento aplicado ao mapeamento das áreas de ocupação irregular na cidade de Ponta Grossa (PR). Revista Geografia. Rio Claro, v. 31, n. 2, p. 317-330, 2006.

PANIZZA, A. C. Imagens orbitais, cartas e coremas: uma proposta metodológica para o estudo da organização e dinâmica espacial. Aplicação ao município de Ubatuba, Litoral Norte, estado de São Paulo/Brasil. 302 p. 2004. Tese (Doutorado em Geografia) -Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2004.

SANTOS, M. Manual de geografia urbana. São Paulo: Hucitec, 1981. 214p.

SOUZA, M. L. de. ABC desenvolvimento urbano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. 190p.

UN-HABITAT. United Nations Human Settlements Programme.The challenge of slums: global report on human settlements. New York. 2003. 319p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v24i0.26214

Direitos autorais

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009