Efeitos de conseqüências programadas sobre o comportamento de seguir regras

Carla Cristina Paiva Paracampo, Luiz Carlos de Albuquerque, Andréa Fonseca Farias, Bruna Nogueira Carvalló, Ana Rachel Pinto

Resumo


Investigando variáveis responsáveis pela manutenção do seguir regras, 16 crianças foram expostas a um procedimento de escolha segundo o modelo. A tarefa era tocar um dos estímulos de comparação na presença de uma luz. O comportamento era estabelecido por regra na Fase 1. As contingências na Fase 1 eram revertidas na Fase 2, restabelecidas na Fase 3 e novamente revertidas na Fase 4. As condições diferiram quanto à natureza e ao tipo de conseqüências programadas. O seguimento da regra tendeu a ser abandonado quando passou a produzir um som ou “Errado” e tendeu a ser mantido quando deixou de produzir bombons ou “Certo”. Os resultados ampliam a generalidade da sugestão de que o seguimento de regras tem maior probabilidade de ser abandonado quando produz conseqüências aversivas do que quando produz outras conseqüências e sugerem que a manutenção desse comportamento depende, em parte, do tipo de conseqüência por ele contatada.

Palavras-chave: controle por regras; tipo de conseqüências; natureza das conseqüências.

 


Palavras-chave


controle por regras; tipo de conseqüências; natureza das conseqüências

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/psi.v11i2.7850

Direitos autorais