Enfrentamento e regulação emocional de crianças filhas de mães depressivas

Juliana Lopes, Sonia Regina Loureiro

Resumo


Objetivou-se comparar eventos de vida (EV) negativos, as estratégias de enfrentamento e de regulação emocional relatadas por crianças que convivem com a depressão materna, em comparação a crianças que convivem com mães sem história psiquiátrica. Participaram do estudo 40 crianças, ambos os sexos, com idades entre 7 e 12 anos e nível intelectual pelo menos médio, distribuídas em dois grupos: G1- Depressão materna; G2- Sem história psiquiátrica. Procedeu-se à avaliação individual por meio do Raven e da Entrevista de Eventos Vitais Negativos. As entrevistas foram transcritas e as estratégias de enfrentamento e de regulação emocional classificadas por duas avaliadoras independentes (concordâncias de 0.81 e 0.89, respectivamente), tendo por base categorias previamente definidas. Os dados foram comparados por meio do teste U de Mann-Whitney (p≤0,05). Os grupos não diferiram quanto aos eventos e enfrentamento frente aos estressores relativos a doenças e acidentes. Observouse maior utilização da espera passiva por parte de G1 como estratégia de regulação emocional frente a eventos do cotidiano. A análise dos dados mostrou que as experiências de vida são semelhantes e frente aos EV negativos, caracterizou-se o esforço adaptativo das crianças que convivem com a depressão materna para o enfrentamento dos estressores.

Palavras-chave: enfrentamento; eventos de vida; depressão materna; regulação emocional.

 


Palavras-chave


enfrentamento; eventos de vida; depressão materna; regulação emocional

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/psi.v11i2.6807

Direitos autorais