Saberes Psicológicos, Processos de Subjetivação e suas Implicações com a Biopolítica

Ana Cristina Sundfeld

Resumo


Este artigo discute a produção da psicologia como ciência nos parâmetros da racionalidade moderna e
suas relações com a Biopolítica, sob a ótica do pensamento de Foucault, considerando que os
discursos psicológicos operam como estratégias de controle, de normalização e de apoio a
determinadas formas de subjetivação. Reflete sobre os efeitos dos saberes psicológicos nos processos
de subjetivação na contemporaneidade, em sua relação com a medicalização e busca possibilidades de
novas proposições para a psicologia. Ressalta que para potencializar modos de intervenção
libertadores e favoráveis à produção de um sujeito ativo no plano da formação profissional é
imprescindível a análise da fabricação da psicologia como ciência e do estabelecimento de noções
como sujeito, saúde, sofrimento, intervenções e formas de cuidado e seus efeitos. Importa salientar
que pessoas que se afetam pela presença do outro e no encontro movem diferentes sentidos e lógicas,
ao invés de apenas reproduzirem técnicas que operam sobre o outro. Na escuta do imprevisível, estes
profissionais se colocam em abertura aos processos de subjetivação disparados nos encontros.


Palavras-chave


saberes psicológicos; biopolítica; processos de subjetivação; medicalização

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/psi.v19i3.33512

Direitos autorais 2016 Interação em Psicologia