A pressão antrópica nas áreas de captação de água no município de Antonina - Estado do Paraná

Celso Valério Antunes, Ana Paula Nascimento Lourenço, Emerson Luís Pawoski da Silva, Wanderley Hermenegildo, Allan Paul Krelling, Emerson Luis Tonetti, Everaldo dos Santos

Resumo


As áreas urbanas das cidades crescem sobre espaços vegetados e as interações socioambientais são alvos de debates constantes sobre a gestão de recursos e territórios. Neste contexto, os serviços ecossistêmicos, que são bens e serviços providos pela natureza e provêm relações benéficas à população, garantem o bem-estar da população e sua qualidade de vida. Como exemplo, temos o fornecimento de água potável. Contudo, a exploração destes recursos hídricos pode resultar em uma pressão antrópica sobre o meio ambiente. Este estudo tem como objetivo avaliar a pressão antrópica de crescimento urbano sobre o serviço ambiental de provisão da água potável do município de Antonina, no litoral do Paraná. Foram utilizadas imagens de satélite no período de 2000 a 2014 para inferência da cobertura da terra nos entornos dos 5 pontos de captação de água e para diagnóstico do crescimento da macrozona urbana do município. Essas informações foram comparadas com o crescimento populacional e a quantidade de água captada. Pode-se inferir que a captação de água tem volume constante, apesar do crescimento urbano, demonstrando que até o presente momento o serviço ecossistêmico da água em Antonina não sofreu impacto.


Texto completo:

PDF

Referências


ADLER, F.; TANNER, C.J. Ecossistemas urbanos: princípios ecológicos para o ambiente construído. 1. ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2015.

ALVARES, C.A.; STAPE, J.L.; SENTELHAS, P.C.; GONÇALVES, J.L.M.; SPAROVEK, G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v.22, n.6, p.711–728, 2014.

ANTONINA. Lei N° 10/68. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2019.

BRASIL. Lei complementar nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 5, 8 jani. 2007. Seção 1, p. 3.

BRASIL. Lei complementar nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 137, 28 mai. 2012. Seção 1, p. 1.

COSTANZA, R.; D'ARGE, R.; GROOT, R.; FARBER, S.; GRASSO, M.; HANNON, B.;LIMBURG, K.; NAEEM, S.; O'NEILL, R.V.; PARUELO, J.; RASKIN, R.G.; SUTTON, P.; BELT, M. The value of the world’s ecosystem services and natural capital. Nature, v.387, p.253-260, 1997.

COVIZZI, M. C.; CAMARGO, D. M.; GOBBI, E. S. Fotointerpretação aplicada à análise das alterações do uso e cobertura da terra e a situação das áreas de preservação permanente. In: PEREZ FILHO, A.; AMORIM, R. R.. (Org.). Os Desafios da Geografia Física na Fronteira do Conhecimento. 1 ed. Campinas: Instituto de Geociências - UNICAMP, 2017, v. 1, p. 264-276, 2017.

CUNICO, C. (Org.) Zoneamento Ecológico-Econômico do Estado do Paraná. Curitiba: ITCG, 2016.

DATASUS – Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde do Brasil. História. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2019.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Antonina. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2019.

IPARDES – Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Cadernos Estatístico Município de Antonina. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2019.

IPARDES – Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Abastecimento de água - ligações. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2019b.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos. 3 ed. Rio de Janeiro: Editora 34, 2013.

RICÁRDEZ, M. Sustentabilidad y Paisaje: retos de interlocución frente a los desafíos de la urbanización. In: DIAS, L.S.; CHÁVEZ, E.S. (orgs). Cartografia biogeográfica e da paisagem. vol 2. Tupã: ANAP, 2019, p.229-270.

SANTOS, H.P.; MAGALHÃES, M.V.; DELGADO, P.R. Projeção da população total dos municípios do Paraná para o período 2016-2030. IPARDES. Disponivel em . Acesso em 24 de jun. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/guaju.v5i2.70815

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons

Guaju, Revista Brasileira de Desenvolvimento terrritorial sustentável está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Indexadores e bases de dados:

       Imagem relacionada

     

Guaju – Revista Brasileira de Desenvolvimento Territorial Sustentável

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial Sustentável (PPGDTS/UFPR)

Matinhos – Paraná

revistaguaju@gmail.com   ISSN 2447-4096