A contaminação do rio Guaraguaçu (Litoral do Paraná): limites e riscos ao desenvolvimento territorial regional

Gustavo Augusto Santos Elste, Giovanna de Andrade Zanlorenci, Luiz Fernando de Carli Lautert, Mariana Gallucci Nazário, Paulo Henrique Carneiro Marques, Juliana Quadros

Resumo


Este estudo diagnostica um impacto ambiental de grande magnitude que ocorre na Bacia do Rio Guaraguaçu, importante rio de planície costeira, tanto pela sua rica biodiversidade e estado de conservação, quanto pelos serviços ambientais que oferece ao território. Trata-se da contaminação do rio Pery, afluente que recebe a maior parte da carga orgânica dos esgotos e do aterro dos municípios de Pontal do Paraná e Matinhos. Dados de qualidade das águas superficiais evidenciaram o alto grau de contaminação que determina alteração do contínuo fluvial, com grandes consequências ecossistemas, e grande risco à saúde ambiental das populações humanas que ali vivem. Os resultados são discutidos em função da magnitude deste impacto, e dos cenários futuros determinados pelos principais planos de desenvolvimento territorial e políticas públicas propostos para a região.


Texto completo:

PDF

Referências


AB’SABER A. N. Os domínios de natureza no Brasil – Potencialidades paisagísticas. Ateliê Editorial. São Paulo. 2003.

ÁGUAS PARANÁ - INSTITUTO DAS ÁGUAS DO PARANÁ; COBRAPE. Plano da Bacia Hidrográfica Litorânea – Produto 01: Caracterização Geral. Revisão Final. 2019. Disponível em: . Acesso em: Agosto de 2019.

ANGULO, R. J. Geologia da Planície Costeira do Estado do Paraná. Tese (Doutorado em Geologia Sedimentar), Universidade de São Paulo - Instituto de Geociências. São Paulo. 1992.

BIGARELLA, J. J.; KLEIN, R.; LOYOLA E SILVA, J.A. & PASSOS, E. A Serra do Mar e a Planície Costeira do Paraná: Um problema de segurança ambiental e nacional. GCN/CFH/UFSC. Florianópolis, 2008.

BRASIL. Conselho Nacional de Recursos Hídricos. Resolução nº 91, de 5 de novembro de 2008. Dispõe sobre os procedimentos gerais para o enquadramento dos corpos d’água superficiais e subterrâneos. Brasília. 2008.

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n.001, de 23 de janeiro de 1986. Dispõe sobre critérios básicos e diretrizes gerais para o Relatório de Impacto Ambiental – RIMA. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília. 1986.

CAVALLINI, N. G. Contaminação ambiental na bacia do rio Guaraguaçu: determinação quantitativa de contaminantes inorgânicos e diagnóstico a partir de bioindicador. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais). Universidade Federal do Paraná. Matinhos. 2018.

CORREA, A. O. Fotografias aéreas obtidas por vôo de drone. Realizadas em: 27 de maio de 2019.

CORRERO DO LITORAL. Aterro de Matinhos e Pontal virou lixão, denunciam promotores. Guaratuba. Redação: Correio do Litoral. 2018. Disponível em: . Acesso em: Agosto de 2019.

DEAN, W. A ferro e Fogo - A História e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo, Companhia das Letras. 1996.

FIGUEIRÊDO, C. S. Caracterização físico-química e microbiológica da lagoa de polimento e das lagoas do entorno do aterro sanitário de pontal do paraná. Dissertação (Mestrado em Sistemas Costeiros e Oceânicos, do Centro de Estudos do Mar, Setor de Ciências da Terra) Universidade Federal do Paraná. Pontal do Paraná. 2008.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA. Observando os rios 2017 - O retrato da qualidade da água nas bacias da Mata Atlântica. Relatório Técnico. 2017. Disponível em: . Acesso em: Julho de 2019.

ITCG. Instituto de Terras, Cartografia e Geologia do Paraná. Mapa do Clima do Estado do Paraná. Dados e informações geoespaciais temáticos. 2008. Disponível em: . Acesso em março de 2017.

LADEIRA, M. I., Espaço geográfico Guarani-Mbya: significado, constituição e uso. Maringá: EDUEM, 2008.

MARQUES, P.H.C. Água e sustentabilidade territorial: conflitos e limites dos mananciais da serra da prata (Litoral do Paraná) frente a políticas públicas e projetos de desenvolvimento regional. Anais do II SIMPÓSIO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL. Matinhos. 2017. Disponível em: . Acesso em Julho de 2019.

MIRETZKI, M. As águas do Parque Nacional de Saint-Hilaire/Lange: o uso de metodologias para o monitoramento da microbacia do rio Ribeirão, Litoral do Paraná. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Territorial Sustentável) – Universidade Federal do Paraná – Setor Litoral. Matinhos. 2017.

PIRES, A. P. F.; FARJALLA, V. F.; FARIA, B M.; RODRIGUEZ, D. A.; GOMES, E. A. T.; SANTOS, E. C.; SODRÉ, F. N. G. A. S.; SABINO, J.; ESPÉCIE, M.A.; PINHEIRO, M. R. C.; RIBEIRO, M. L.; BOZELLI, R. L.; PANOSSO, R. F.; MORMUL, R. P.; BARTHEM, R.; SCOFIELD, V.; DIB, V. Sumário para Tomadores de Decisão (STD) do Relatório Temático Água: biodiversidade, serviços ecossistêmicos e bem estar humano no Brasil. São Carlos: Editora Cubo. 2019.

PIRES, P. T. L. Atlas da Floresta Atlântica no Paraná. SEMA/Programa proteção da Mata Atlântica. Curitiba. 2005.

RASSOLIN, P. Proposta de um modelo de manejo de resíduos sólidos no litoral paranaense: estudo de caso consórcio intermunicipal aterro sanitário. Monografia de Conclusão de Curso em Ciências biológicas, Universidade Federal do Paraná, 67 p. 2002.

REZENDE, C.L.; SCARANO F.R.; ASSAD E.D.; JOLY C.A.; METZGER J.P.; STRASSBURG B.B.N.; TABARELLI M.; FONSECA G.A.; MITTERMEIER R.A. From hotspot to hopespot: An opportunity for the Brazilian Atlantic Forest. Perspectives in Ecology and Conservation (PECON), 2018. Disponível em: . Acesso em Janeiro de 2019.

RODERJAN, C. V.; GALVÃO, F.; KUNYOSHI, Y. S. HATSCHBACH, G. G. As Unidades Fitogeográficas do Estado do Paraná. Ciência & Ambiente. Santa Maria, v. 24, n. 1. 2002.

STANFORD JA, WARD JV. Revisiting the serial discontinuity concept. Regulated Rivers: Research and Management. 17: 303 – 310. 2001.

THORP, J. H.; THOMS, M. C.; DELONG, M. D. The riverine ecosystem synthesis: toward conceptual cohesiveness in river science. Amsterdam: ELSEVIER, xv, 208p. 2008.

TUNDISI, J.G. Ciclo hidrológico e gerenciamento integrado. Ciência e Cultura. São Paulo. 2003.

VANNOTE, R. L.; MINSHALL, G. W.; CUMMINS, K. W.; SEDELL, J. R.; CUSHING, C. E. The River Continuum Concept. Canadian Journal of Fisheries and Aquatic Science, 37, p. 130-137. 1980.

VANHONI, F.; MENDONÇA, F. O clima do litoral do estado do Paraná. Revista Brasileira de Climatologia, v. 3/4, p. 49 - 63, 2008.

WARD J.V. The four-dimensional nature of lotic ecosystems. Journal of the North American Benthological Society, 8, 2–8, 1989.

ZANLORENCI, G. A. Estudo limnológico de ambientes fluviais de Lontra longicaudis (OLFERS, 1818) na Bacia do rio Guaraguaçu, Litoral do Paraná. Anais do III SIMPÓSIO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL. Matinhos. 2019.

ZEE. Zoneamento Ecológico Econômico do Litoral do Paraná. Decreto Estadual nº 4.996 de 05 de setembro de 2016. Curitiba. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/guaju.v5i2.70463

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons

Guaju, Revista Brasileira de Desenvolvimento terrritorial sustentável está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Indexadores e bases de dados:

       Imagem relacionada

     

Guaju – Revista Brasileira de Desenvolvimento Territorial Sustentável

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial Sustentável (PPGDTS/UFPR)

Matinhos – Paraná

revistaguaju@gmail.com   ISSN 2447-4096