Gênero, território e decolonialidade: experiências e perspectivas no Brasil

Natália Tavares Azevedo, Katya Regina Isaguirre Torres, Carolina dos Anjos Borba

Resumo


Nas últimas décadas, no Brasil e em toda a América Latina, tem se observado uma intensificação de conflitos territoriais e socioambientais envolvendo comunidades tradicionais, camponeses, povos originários e outros grupos que têm em sua territorialidade condição fundamental para reprodução da vida. Tal intensificação decorre dos modelos hegemônicos de ‘desenvolvimento’ que têm sido historicamente impostos à América Latina, expressão da colonialidade do poder constitutiva do sistema-mundo moderno/colonial/capitalista/patriarcal (GROSFOGUEL, 2008), baseado na classificação social, hierarquização e subalternização racial, de gênero e de classe (QUIJANO, 2005). Em sua face atual, este sistema-mundo e sua matriz global de poder, com sua divisão internacional do trabalho, põe em marcha práticas neoextrativistas em todo o continente latino-americano. Nesse ‘modelo de desenvolvimento’ são impulsionados empreendimentos ligados à produção de commodities da mineração e do agronegócio, além de obras de infraestrutura viária e energética de suporte à essas atividades (MACHADO ARÁOZ, 2011; MANRIQUE, 2015; MERCHAND ROJAS, 2016).


Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, H. Desigualdade ambiental, economia e política. Astrolábio, Cordoba, n.11, 2013.

BALLESTRIN, L.. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília , n. 11, p. 89-117, Ago 2013.

BELAUSTEGUIGOITIA RIUS, M.. Indigenous Women and the Land: Shifting language, action and culture. Development, vol.54, no.4, 2011.

BORSANI, M.A; QUINTERO. P. Introducción. Los desafíos decoloniales de nuestros días: pensar en colectivo . In: BORSANI, M.A; QUINTERO, P. Los desafíos decoloniales de nuestros días: pensar en colectivo. Neuquén: EDUCO - Universidad Nacional del Comahue, 2014.

CABNAL, L.. Acercamiento a la construcción de la propuesta de pensamiento epistémico de las mujeres indígenas feministas comunitarias de Abya Yala. Feminismos diversos: el feminismo comunitário, Madrid, Acsur Las Segovias, 2010, pp. 11-25.

CARNEIRO, F.F.; GIRALDO, L.; RIGOTTO, R.M.; FRIEDRICH, K.; BÚRIGO, A.(orgs). Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Rio de Janeiro: EPSJV; São Paulo: Expressão Popular, 2015.

CRUZ HERNÁNDEZ, D.T.. Una mirada muy otra a los territorios-cuerpos femininos. Solar, vol. 12, n.1, 2016.

DELGADO, G. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio: mudanças cíclicas em meio século (1965-2012). Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2012.

ESCOBAR, A. Mas allá del desarrollo: postdesarrollo y transciones hacia el pluriverso. Revista de Antropología Social, Madrid, vol.21, 2012.

FAUSTINO, C.; PACHECO, T.. A iniludível e desumana prevalência do racismo ambiental nos conflitos do mapa. IN: PORTO, M.F.; PACHO, T.; LEROY, J.P.. Injustiça e saúde no Brasil: o mapa de conflitos. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, 2008, p. 115-147.

HARVEY, D. O novo imperialismo. 8ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

MACHADO ARAÓZ, H. El auge de la Minería transnacional en América Latina. De la ecología política del neoliberalismo a la anatomía política del colonialismo. In: ALIMONDA, H. La naturaleza colonizada: ecología política y minería en América Latina. Buenos Aires: Clacso, 2011.

MANRIQUE, L.H.R. (Neo)extrativismo e despojo no Sul Global: conflitos e resistências nos territórios. introdução. Revista Nera, Presidente Prudente, ano 18, nº. 28, 2015.

MCMICHAEL, P. Regimes alimentares e questões agrárias. São Paulo; Porto Alegre: Editora Unesp; Editora da UFRGS, 2016.

MERCHAND ROJAS, M.A. Neoextractivismo y conflictos ambientales en América Latina. Espiral, Guadalajara, v. 23, n. 66, p. 155-192, agosto 2016. Disponible en .

MESZAROS, I. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2009.

MIGNOLO, W. Retos decoloniales, hoy. IN: BORSANI, M.A; QUINTERO, P. Los desafíos decoloniales de nuestros días: pensar en colectivo. Neuquén: EDUCO - Universidad Nacional del Comahue, 2014.

PAREDES, J.. Hilando Fino, desde el feminismo comunitario. Bolivia, La Paz: Comunidad Mujeres Creando Comunidad, 2011.

PAULILO, M. I. S. Movimento das mulheres agricultoras e os muitos sentidos da “igualdade de gênero”. In: Bernardo Mançano Fernandes, Leonilde Servolo de Medeiros, Maria Ignez Paulilo (orgs.). Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas, v.2: a diversidade das formas das lutas no campo. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009. p. 179-201.

PLOEG, J.D.V. Sete teses sobre a agricultura camponesa. Dados e textos sobre a Luta pela Terra e a Reforma Agrária. 2008. Disponível em: http://www.reformaagrariaemdados.org.br/biblioteca/artigo-e-ensaio/sete-teses-sobre-agricultura-camponesa

PORTO-GONÇALVES, C.W; QUENTAL, P.A Colonialidade do poder e os desafios da integração regional na América Latina. Polis – Revista Latinoamericana, Santiago, no. 31, 2012.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. A colonialidade do saber, eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

QUIJANO, A.. “Bien vivir”: entre el “desarrollo” y la des/colonialidad del poder. Horizontes sociologicos, Buenos Aires, no.1, 2015.

SANTOS, B.S. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 6ª. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2007.

SEGATO, R.L. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. E-cadernos CES, Coimbra, no.18, 2012.

SILIPRANDI, E. Mulheres e Agroecologia – Transformando o Campo, as Florestas e as Pessoas. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2015.

WALSH, C. Lo pedagogico y lo decolonial: entretejiendo caminos. IN: WALSH, C. (org.). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo I. Quito, Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/guaju.v5i1.68579

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons

Guaju, Revista Brasileira de Desenvolvimento terrritorial sustentável está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Indexadores e bases de dados:

       Imagem relacionada

     

Guaju – Revista Brasileira de Desenvolvimento Territorial Sustentável

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial Sustentável (PPGDTS/UFPR)

Matinhos – Paraná

revistaguaju@gmail.com   ISSN 2447-4096