Biocomércio em comunidades tradicionais: uma revisão sistemática

Marcelo Elias dos Santos, Lara Bartocci Liboni

Resumo


As principais características do modo de vida das comunidades tradicionais garantem a conservação dos recursos naturais. Porém, as políticas públicas demonstram uma lógica oposta a esse comportamento ao tentar integrar as comunidades aos grandes centros urbanos do país. Esse pensamento, remete a ideia de que as comunidades são apenas fornecedoras de matérias-primas com potencial para ter valor adicionado. Assim, para analisar as relações comerciais das comunidades tradicionais de outra perspectiva, utilizou-se o conceito de biocomércio que compreende desde a coleta até a comercialização dos produtos da biodiversidade, considerando os critérios de sustentabilidade. Nesse sentido, o presente artigo teve como como objetivo apresentar um quadro conceitual sobre o biocomércio entre comunidades tradicionais e empresas privadas. Para tanto, recorreu-se a um estudo metodológico de revisão sistemática da literatura em teses e dissertações. A pesquisa foi desenvolvida em três fases e classificou 73 pesquisas em 6 categorias. Na última fase, foram identificados 11 trabalhos que estudaram o comércio de produtos da biodiversidade, porém, apenas uma pesquisa analisou um contrato de fornecimento de produto da biodiversidade. Os produtos estudados nas pesquisas confirmaram o potencial da biodiversidade brasileira, no entanto, há casos de biopirataria, redução da disponibilidade de recursos internos e disputas territoriais. O quadro conceitual proposto considera três abordagens interdependentes. É possível posicionar novos temas de pesquisa e utilizar critérios que até o momento receberam muita ou nenhuma atenção para dar relevância ao estudo. As diretrizes e princípios do biocomércio complementam a análise, posicionando adequadamente a pesquisa dentro dos critérios de sustentabilidade.


Texto completo:

PDF

Referências


ATTUCH, I. M. Conhecimentos tradicionais do Cerrado: sobre a memória de Dona Flor, raizeira e parteira. 2006. 147 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) - Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

BANCO DE DESARROLLO DE AMÉRICA LATINA (CAF). Biocomercio Andino: Quince historias de éxito em Colombia, Ecuador y Peú. Trivia Comunicación Creativa: Perú, 2014.

BRASIL. Decreto n. 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Brasília, DF, 2007.

BERKES, F., COLDING, J., FOLKE C. Rediscovery of traditional ecological knowledge as adaptive management. Ecological Applications, Washington, v. 10, n. 5, p. 1251–1262, 2000.

CALEGARE, M. G. A.; HIGUCHI, M. I. G.; BRUNO, A. C. S. À visibilidade política de grupos sociais portadores de identidade étnica e coletiva. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 3, p. 115-134, 2014.

CAVALCANTI, C. M. Impactos socioambientais locais decorrentes de acesso aos recursos genéticos para fins comerciais. 2010. 216 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia de Agroecossistemas) - Ecologia de Agroecossistemas, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2010.

CHAVES, M. R.; BARROSO, S. C.; LIRA, T. M. Populações tradicionais: manejo dos recursos naturais na Amazônia. Revista Praia Vermelha, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 111-122, 2009.

DIEGUES, A. C. S. O mito moderno da natureza intocada. 3. ed. São Paulo: Hucitec/Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras/USP, 2000.

ENRÍQUEZ, G. Desafios da sustentabilidade da Amazônia: biodiversidade, cadeias produtivas e comunidades extrativistas integradas. 2008. 460 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) - Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

ENRÍQUEZ, G. Amazônia: Rede de inovação de dermocosméticos Sub-rede de dermocosméticos na Amazônia a partir do uso sustentável de sua biodiversidade com enfoques para as cadeias produtivas da castanha-do-pará e dos óleos de andiroba e copaíba. Revista Parcerias Estratégicas, Brasília, v. 14, n. 28, p. 51-118, 2009.

FABIANO, C. C. L. O turismo e a sua contribuição na manutenção e na preservação da pesca artesanal e da cultura tradicional na reserva extrativista marinha de Arraial do Cabo - RJ. 2011. 152 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Turismo) - Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

FALCÃO, L. B. Turismo em Resex: perspectivas de desenvolvimento, participação social e políticas públicas nas RESEX de Soure e de Curuçá no Pará. 2013. 131 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Turismo) - Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

FARIA, R. B. M. Povos indígenas na Amazônia e o mercado de produtos florestais não madeireiros: efeitos no uso de recursos naturais pelos Araweté. 2007. 261 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Ambiental) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

FREITAS, S. T., PAMPLIN, P. A. Z.; LEGAT, J.; FOGAÇA, F. H. S.; BARROS, R. F. M. Conhecimento tradicional das marisqueiras de Barra Grande, área de proteção ambiental do delta do Rio Parnaíba, Piauí, Brasil. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 91-112, 2012.

HUISINGH, D. Call for comprehensive/integrative review articles. Journal of Cleaner Production, s/n, p. 1-2, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Mapa de biomas do Brasil. São Paulo: IBGE, 2010. Disponível em: http://ftp.ibge.gov.br/Cartas_e_Mapas/Mapas_Murais/. Acesso em 21 dez. 2017.

INTERNATIONAL SOCIETY OF ETHNOBIOLOGY (ISE). Código de Ética da ISE (com adições em 2008). 2006. Disponível em: http://www.ethnobiology.net/ethics.php. Acesso em: 08 jan. 2018.

JABBOUR, C. J. C. Environmental training in organisations: From a literature review to a framework for future research. Resources, Conservation and Recycling, Amsterdam, v. 74, p. 144-155, 2013.

KANTEK, R. T.; SAUTTER, K. D.; MICHALISZYN, M. S. Impactos ambientais na Área de Proteção Ambiental (APA) de Guaratuba, Paraná, Brasil, sob o ponto de vista de moradores tradicionais. Revista Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 21, n. 2, p. 39-56, 2009.

KITCHENHAM, B.; BRERETON, P. A systematic review of systematic review process research in software engineering. Information and Software Technology, Amsterdam, v. 55, p. 2049–2075, 2013.

LIMA, M. A. L.; KAPLAN, D. A.; DORIA, C. R. C. Hydrological controls of fisheries production in a major Amazonian tributary. Ecohydrology, New Jersey, v. 19, p.1899-11, 2017.

LIRA, T. M.; CHAVES, M. P. S. R. Comunidades ribeirinhas na Amazônia: organização sociocultural e política. Interações, Belo Horizonte, v. 17, n. 1, p. 66-76, 2016.

LOBATO, G. J. M.; MARTINS, A. C. C. T.; LUCAS, F. C. A.; MORALES, G. P.; ROCHA, T. T. Reserva Extrativista Marinha de Soure, Pará, Brasil: modo de vida das comunidades e ameaças ambientais. Biota Amazônia, Macapá, v. 4, n. 4, p. 66-74, 2014.

MEDINA, G. S.; BARBOSA, C. W. S. A questão produtiva nas Reservas Extrativistas. Novos Cadernos NAEA, Guamá, v. 19, n. 2, p. 69-88, 2016.

MELO, M. A. C.; AGOSTINHO, M. C. E. Gestão Adaptativa: uma proposta para o gerenciamento de redes de inovação. Revista administração contemporânea, Curitiva, v. 11, n. 2, p. 93-111, 2007.

MELO, S. W. C. Extrativismo vegetal como estratégia de desenvolvimento rural no Cerrado. 2013. 197 f. Dissertação (Mestrado em Agronegócio) - Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

MORSELLO, C. Company–community non-timber forest product deals in the Brazilian Amazon: a review of opportunities and problems. Forest Policy and Economics, Amsterdam, v. 8, p. 485-94, 2006.

MITCHELL, B. (Org.). Resource and environmental management in Canada: addressing conflict and uncertainty. 2. ed. Toronto: Oxford University Press, 1997.

MWILUA, O. S.; COMYN-WATTIAUA, I.; PRAT, N. Design science research contribution to business intelligence in the cloud: A systematic literature review. Future Generation Computer Systems, Amsterdam, v. 63, p. 108-122, 2016.

PAWAR, M. Resurrection of traditional communities in postmodern societies. Futures, Amsterdam, n. 35, p. 253-265, 2003.

PINHEIRO, J. O. C.; DARNET, L. A. F. Comunidades tradicionais em áreas litorâneas da Amazônia: estudo sobre desenvolvimento local em Vila Mota, Pará, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, v. 9, n. 1, p. 145-162, 2014 .

PEREIRA, A. L. Famílias quilombolas: história, resistência e luta contra a vulnerabilidade social, insegurança alimentar e nutricional na Comunidade Mumbuca - Estado do Tocantins. 2012. 309 f. Tese (Doutorado) - Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, Araraquara, 2012.

PORRO, R.; PORRO, N. M. Social identity, local knowledge and adaptive management by traditional communities of the babassu region in Maranhão. Ambiente e sociedade, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 1-18, 2015.

ROWE, F. What literature rewiew is not: diversity, boundaries and recommendations. European Journal of Information Systems, New York, v. 23, p. 241-255, 2014.

SILVA, R. J. N. Políticas Públicas agroecológicas para comunidades quilombolas: um estudo de caso a partir do território. 2014. 148 f. Tese (Doutorado em Ecologia Aplicada) - Ecologia de Agroecossistemas, Piracicaba, 2014.

SOUSA, F. F.; PIRAUX, M. A construção social da qualidade da farinha de mandioca em comunidades rurais na Amazônia paraense. Novos Cadernos NAEA, Guamá, v. 18, n. 3, p. 199-222, 2015.

SOUSA, G. S.; PEZZUTI, J. C. B. Breve ensaio sobre a lógica subjetiva dos povos e comunidades tradicionais amazônicas. Novos Cadernos NAEA, Guamá, v. 20, n. 2, p. 111-126, 2017.

SOUZA, S. E. X. F. de. Manejo de Euterpe edulis Mart. para produção de polpa de fruta: subsídios à conservação da biodiversidade e fortalecimento comunitário. 2014. Tese (Doutorado em Recursos Florestais) - Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2014.

TANGA, R.; GAVINC, M. C. A Classification of Threats to Traditional Ecological Knowledge and Conservation Responses. Conservation and Society, Bengaluru, v. 14, n. 1, p. 57-70, 2016.

TRINDADE, D. P. A Proteção dos conhecimentos tradicionais associados das comunidades indígenas: o cunânio e o biribiri, povo Wapichana. 2011. Tese (Doutorado em Direito Ambiental) - Universidade do Estado do Amazonas, Amazonas, 2011.

UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOPMENT (UNCTAD). Principios y Criterios de Biocomercio. Iniciativa BioTrade. Ginebra, 2006.

UNG, C. O. L.; HARNETT, J.; HU, H. Community pharmacist’s responsibilities with regards to Traditional Medicine/Complementary Medicine products: A systemic literature review. Research Social and Administrative Pharmacy, New York, v. 13, n. 4, p. 686-716, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/guaju.v5i1.65805

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons

Guaju, Revista Brasileira de Desenvolvimento terrritorial sustentável está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Indexadores e bases de dados:

       Imagem relacionada

     

Guaju – Revista Brasileira de Desenvolvimento Territorial Sustentável

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial Sustentável (PPGDTS/UFPR)

Matinhos – Paraná

revistaguaju@gmail.com   ISSN 2447-4096