Algumas reflexões acerca das jovens camponesas, agroecologia e decolonialidade

Nádia Luzia Balestrin

Resumo


A proposta deste estudo é trazer à tona a discussão em relação ao universo feminino rural, mais especificamente as jovens camponesas inseridas num contexto de relações patriarcais e de dominação masculina. Parte-se de alguns questionamentos: como as relações patriarcais se manifestam e quais suas consequências para as jovens camponesas? Como a agroecologia, as lutas e a participação em movimentos sociais e organizações contribuem para o empoderamento das jovens camponesas e o enfrentamento à colonialidade do poder patriarcal? As teorias decoloniais auxiliam no entendimento das relações patriarcais consideradas como reflexos da colonialidade do poder. A agroecologia, os movimentos sociais, as organizações de mulheres do campo, apresentam-se como possíveis alternativas de desconstrução das colonialidades e possibilitam o empoderamento das jovens camponesas.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, A. (Coord) SILVESTRO, N. C; BALDISSERA, I.T.; FERRARI, D.; TESTA, V.M. Juventude e Agricultura Familiar – Desafios dos Novos Padrões Sucessórios. Brasília: UNESCO, 1998.

ALTIERI, M. Agroecologia: a Dinâmica Produtiva da Agricultura Sustentável. Porto Alegre: Editora Universidade/UFRGS.

___________ Agroecologia: Bases Científicas para uma Agricultura Sustentável. 3 ed. São Paulo - Rio de Janeiro: Expressão Popular – AS-PTA, 2012.

BOURDIEU, P. O Camponês e seu Corpo IN. Revista de Sociologia e Política Nº 26: 83-92. JUN. 2006.

____________ A Dominação Masculina – A Condição Feminina e a Violência Simbólica. 3ª edição, Rio de Janeiro: BestBolso, 2016.

BRUMER, A. A problemática dos Jovens na Pós-Modernidade. IN: CARNEIRO M. J. ; CASTRO, E. G. Juventude Rural em Perspectiva. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

GLIESSMAN, S. Agroecologia – Processos Ecológicos em Agricultura Sustentável. Porto Alegre: Editora Universidade/UFRGS, 2000.

GUIVANT, J, S. A agricultura sustentável na perspectiva das Ciências Sociais. IN: VIOLA, E. J. et al. Meio Ambiente, Desenvolvimento e Cidadania: desafios para as Ciências Sociais. São Paulo: Cortez; Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina, 1998.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, 8-, Março, 2008: 115-147.

HOLANDA, S.B. Raízes do Brasil. 26 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios Resultados do universo. Disponível:http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/populacao_jovem_brasil Acesso em: 03 Out. 2016.

LUGONES, M. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, set./dez, 2014.

MORISSAWA, M. A História da Luta pela Terra e o MST. São Paulo: Expressão Popular, 2001.

PACHECO, M.E L. Construindo um Diálogo: Feminismo e Agroecologia (entrevista). Revista Proposta, Rio de Janeiro, ano 28/29, nº 103/104, dez/mar, 2005.

PANZUTTI, N. P. M. Mulher rural: eminência oculta. Informações Econômicas, São Paulo, v.26, n.3, p.9-22, 1996.

PAULILO, M.I. Trabalho doméstico: reflexões a partir de Polany e Arendt. In: Serviço Social em Revista. (2005). Disponível em www.uel.br/revistas/ssrevista/c-v8n1_ignez.htm. Acesso em 04.jun.2019.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. Set. 2005.

SABBATO, A; MELO, H.P; LOMBARDI, M. R; FARIA, N. Estatísticas Rurais e Economia Feminista – Um Olhar sobre o Trabalho das Mulheres. Brasilia: MDA, 2009.

SAFFIOTI, H. Gênero, Patriarcado e Violência. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

SANTOS, B, S. A Gramática do Tempo – para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2010.

SCHWENDLER, S. Feminismo camponês e popular: práticas, saberes e discursos de gênero, construídos nas conexões sociais e políticas dos movimentos sociais de campo. IN: TAMANINI, M, Boschilia, R. SCHWENDLER S. F. (orgs.) Teorias e Políticas de Gênero na Contemporaneidade. Curitiba: Editora UFPR, 2017.

SILIPRANDI, E. Mulheres e Agroecologia – Transformando o Campo, as Florestas e as Pessoas. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2015.

SILVESTRO, M.S.; ABRAMOVAY, R. (Coord.); MELLO M.A. DORIGON, C.; BALDISSERA, I.T. Os Impasses da Sucessão Hereditária na Agricultura Familiar. Epagri; Brasília: Nead/Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2001.

STROPASOLAS, V.L. O Mundo Rural no Horizonte dos Jovens. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2006.

WANDERLEY, M, N, B. Jovens Rurais de Pequenos Municípios de Pernambuco: que Sonhos para o Futuro. IN: CARNEIRO M.J.; CASTRO, E.G. Juventude Rural em Perspectiva. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

___________O Mundo rural como Espaço de Vida – Reflexões sobre a propriedade da terra, agricultura familiar e ruralidade. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/guaju.v5i1.65721

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons

Guaju, Revista Brasileira de Desenvolvimento terrritorial sustentável está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Indexadores e bases de dados:

       Imagem relacionada

     

Guaju – Revista Brasileira de Desenvolvimento Territorial Sustentável

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial Sustentável (PPGDTS/UFPR)

Matinhos – Paraná

revistaguaju@gmail.com   ISSN 2447-4096