Empoderamento de mulheres no sindicalismo de trabalhadores e trabalhadoras rurais de Marabá (PA)

Luciana Moreira dos Reis, Gutemberg Armando Diniz Guerra

Resumo


O objetivo do artigo foi analisar o processo de empoderamento das mulheres dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Marabá. Para essa pesquisa, o empoderamento foi considerado como ampliação do poder, nas dimensões econômica, pessoal, social e política. A pesquisa trata de estudo de caso do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Marabá (PA), com abordagem qualitativa. A metodologia abrangeu pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e pesquisa de campo. A coleta de dados ocorreu através de: a) pesquisa documental no acervo do sindicato pesquisado e no acervo da Comissão Pastoral da Terra; b) pesquisa de campo, através de entrevista não-diretiva com 18 pessoas, sendo 11 mulheres e 07 homens. Com o desenvolvimento da pesquisa, identificamos que as mulheres do Sindicato dos Trabalhadores e das Trabalhadoras Rurais de Marabá participaram de lutas e, embora obtivessem conquistas, foram vítimas de discriminação e violência doméstica no âmbito e decorrer da militância sindical. Isso é reflexo do caráter processual do empoderamento, sendo esse processo complexo e marcado por contradições, avanços e recuos. O combate à violência doméstica foi um dos indicadores de empoderamento mais citados nas entrevistas realizadas. O principal desafio das mulheres é continuar lutando, através de uma agenda permanente, para superar a violência doméstica e a discriminação, garantindo que prevaleça um trabalho de parceria e respeito entre as mulheres e homens do sindicato pesquisado.


Texto completo:

PDF

Referências


ALEXANDRE, S. R.; FERREIRA, S. M. V.; SILVA, T.F. da; NASCIMENTO, T. A. L. do. Os quintais produtivos e as mulheres: espaços de construção de autonomia e transição agroecológica. In: Alzira J. de S. Medeiros, Ana Dubeux, Maria Virginia de A. Aguiar (Org.). Agroecologia na convivência com o semi-árido: experiências vividas, sentidas e aprendidas. Recife: Ed. dos Organizadores, 2015. p. 123-141.

AMORIM, E. O. A filiação sindical rural da mulher: fator de empoderamento? Viçosa: UFV, 2012. (Dissertação de Mestrado).

ANTUNES, M. Violências que poluem, violências que legitimam: jogos de sombra e luz na gestão das narrativas de lideranças mulheres em processos de luta por territórios e recursos naturais. In: Viviane de Oliveira Barbosa, Aldina da Silva Melo (Org.). Mulheres rurais e violência – Algumas abordagens. São Luís: EDUFMA, 2015. p. 69-100.

ASSIS, W. S. de. A construção da representação dos trabalhadores rurais no sudeste paraense. Rio de Janeiro, RJ: UFRRJ, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, 2007. (Tese de Doutorado).

BORDENAVE, J. E. D. O Que é Participação. 6ª reimp. da 8ª edição, São Paulo: Editora Brasiliense, 2013. (Coleção Primeiros Passos, nº 95).

BRUMER, A. ANJOS, G. dos. Relações de gênero em assentamentos: a noção de empoderamento em questão. In: Adriana L. Lopes, Andrea Butto Zarzar (Org.). Mulheres na reforma agrária – a experiência recente no Brasil. Brasilia: MDA, 2010. p. (Nead Debate; 14). p. 217-240.

BRUMER, A.; ROSENFIELD, C. L.; HOLZMANN, L.; SANTOS, T. S. dos. A elaboração de projeto de pesquisa em ciências sociais. In: GUAZZELLI, C. A.; PINTO, C. R. J. B. (Org). Ciências humanas: pesquisa e método. Porto Alegre: UFRGS, 2008. p. 125-147.

CODATO, A. N. Uma história política da transição brasileira: da ditadura militar à democracia. Revista de Sociologia e Política. (25): 83-106. 2005, novembro: Data de consulta: 26 de setembro de 2017. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=23802508.

COLLING, A. M. As mulheres e a ditadura militar no Brasil. História em Revista. Número 10. Núcleo de Documentação Histórica da UFPel. 2004. Disponível em http://wp.ufpel.edu.br/ndh/hr-numero-10/.

DANTAS, I.; GOMES, S. Participação, acesso à renda e qualificação de políticas para superar desigualdades entre mulheres e homens. In: Andréa Butto, Nalu Faria, Karla Hora, Conceição Dantas, Miriam Nobre (Org.). Mulheres rurais e autonomia: formação e articulação para efetivar políticas públicas nos Territórios da Cidadania. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2014. p.114-123.

DEERE, C. D.; LEÓN, M. O empoderamento da mulher: direitos à terra e direitos de propriedade na América Latina. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2002.

ESMERALDO, G. G. S. L. O protagonismo político de mulheres rurais por seu reconhecimento econômico e social. In: Delma Pessanha Neves, Leonilde Servolo de Medeiros (Org.). Mulheres camponesas: trabalho produtivo e engajamentos políticos. Niterói: Alternativa, 2013. p.237-256.

FARIAS, K. V. de S.; SILVA, I. S. da.; POSSAS, H. de M. Gênero e participação na perspectiva de mulheres dirigentes do movimento sindical dos trabalhadores e trabalhadoras rurais no sudeste do Pará. In: Idelma Santiago da Silva et al (Org.). Mulheres em perspectiva: trajetórias, saberes e resistências na Amazônia Oriental. 1ª ed. Belém: Paka-Tatu, 2017. p. 71-107.

FAVARETO, A. Agricultores, trabalhadores: os trinta anos do novo sindicalismo rural no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 21, n. 62, Out. 2006. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092006000300002&lng=en&nrm=iso. Acesso em 04 de março de 2017.

GIULANI, P. C. Os movimentos de trabalhadoras e a sociedade brasileira. Espaço feminino no mercado produtivo. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História das mulheres no Brasil. 10 ed. São Paulo: Contexto, 2015. 640-668p.

GOHN, M. da G. Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais. Saúde e Sociedade, v.13, n.2, p.20-31, maio-ago 2004.

GUERRA, G. A. D. O posseiro da fronteira: campesinato e sindicalismo no Sudeste do Pará. 2ed. Belém: Paka-Tatu, 2013. 139p.

GUERRA, G. A. D. Organizações rurais e camponesas no Estado do Pará. In: Bernardo Mançano Fernandes, Leonilde Servolo de Medeiros, Maria Ignez Paulilo (orgs.). Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas, v.1: o campesinato como sujeito político nas décadas de 1950 a 1980. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009. p. 117-137.

IBGE. Cidades@ Pará, Marabá. https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/pa/maraba.html? Acesso em 26.03.2019.

MANESCHY, M. C.; SIQUEIRA, D.; ÁLVARES, M. L. M. Pescadoras: subordinação de gênero e empoderamento. Estudos Feministas. Florianópolis, 20 (3): 384, setembro-dezembro/2012.

MANN, P. H. Métodos de investigação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar. 1970.

MARIN, R. E. A. Perfil de mulher camponesa no sudeste do Pará. Papers do NAEA Nº 108. Belém: NAEA/UFPA, 1998. 15p.

MATOS, M. I.; BORELLI, A. Espaço feminino no mercado produtivo. In: PINSKY, C. B.; PEDRO, J. M. (Org.). Nova História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2013. 126-147p.

MELO, H. P. de; CAPPELIN, P.; CASTRO, E. G. de. Agricultura familiar nos assentamentos rurais: nas relações entre as mulheres e os homens – O caso do Pontal de Paranapanema. In: Adriana L. Lopes, Andrea Butto Zarzar (Org.). Mulheres na reforma agrária – a experiência recente no Brasil. Brasilia: MDA, 2010. p. (Nead Debate; 14). p. 81-151.

MICHELAT, G. Sobre a utilização de entrevista não diretiva em sociologia. In: THIOLENT, M. Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. 5ª ed. São Paulo: Polis, 1987. p. 191-212.

MOREIRA, C. C. S.; MANESCHY, M. C. A.; ÁLVARES, M. L. M. “Chega de ser rabo e vamos ser cabeça”: identificando entraves e estratégias de participação sociopolítica das mulheres rurais. 18º REDOR: UFRPE. 2014. 2130-2144p.

MOTTA-MAUÉS, M. A. “Trabalhadeiras” e “Camarados”: relações de gênero, simbolismo e ritualização numa comunidade amazônica. Belém: Centro de Filosofia e Ciências Humanas/UFPA. 1993. 228 p.

NOBRE, M. Relações de gênero e agricultura familiar. In: NOBRE, M.; FARIA, N.; SILVEIRA, M. L. (Org.). Feminismo e Lutas das Mulheres: análise e debates. São Paulo. SOF, 2005. 39-50p.

OLIVEIRA, M. M. de. Como fazer pesquisa qualitativa. 6 Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

PAULILO, M. I. S. Movimento das mulheres agricultoras e os muitos sentidos da “igualdade de gênero”. In: Bernardo Mançano Fernandes, Leonilde Servolo de Medeiros, Maria Ignez Paulilo (orgs.). Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas, v.2: a diversidade das formas das lutas no campo. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009. p. 179-201.

PIMENTA, S. D. C. Participação, Poder e democracia: mulheres trabalhadoras no sindicalismo rural. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 10. Anais... Florianópolis, v.1. 2013.

PISCITELLI, A. Gênero: a história de um conceito. ALMEIDA, Heloisa Buarque de; SZWAKO, José (Org.), Diferenças, igualdades. São Paulo: Berlendis & Vertecchia. 2009. p. 116-149.

PRADO, D.; SANEMATSU, M. Feminicídio: #InvisibilidadeMata. In: Débora Prado, Marisa Sanematsu (Org.). As taxas brasileiras são alarmantes. Fundação Rosa Luxemburg. São Paulo: Instituto Patrícia Galvão, 2017.

ROMANO, J. O. Empoderamento: recuperando a questão do poder no combate à pobreza. In: ROMANO, Jorge O.; ANTUNES, Marta. In: Empoderamento e direitos no combate à pobreza. Rio de Janeiro: ActionAid Brasil, 2002. p. 09-20.

ROMANO, J. O. ANTUNES, M. Introdução ao debate sobre empoderamento e direitos no combate à pobreza. In: ROMANO, Jorge O.; ANTUNES, Marta. In: Empoderamento e direitos no combate à pobreza. Rio de Janeiro: ActionAid Brasil, 2002. p. 05-08.

ROSALDO, M. Z. A mulher, a cultura e a sociedade: uma revisão teórica. In: A mulher, a cultura e a sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1979. p. 33-64.

ROWLANDS, J. Questioning Empowerment. Oxford: OXFAM, 1997.

SALES, C. de M. V. Mulheres jovens rurais: marcando seus espaços. In: Parry Scott, Rosineide Cordeiro e Marilda Menezes (orgs.). Gênero e geração em contextos rurais. Ilha de Santa Catarina: Ed. Mulheres, 2010. p. 423-448.

SEN, A. K. A condição de agente das mulheres e a mudança social. In: Desenvolvimento como liberdade. Tradução Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 2000, p. 220-235.

SEVERINO, A. J. Metodologia do Trabalho Científico. 23 ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SILIPRANDI, E. Mulheres e agroecologia: transformando o campo, as florestas e as pessoas. / Emma Siliprandi. – Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2015. 352 p.

SILVA, A. C. G. F.; ANJOS, M. C. R.; ANJOS, A. Quintais produtivos: para além do acesso à alimentação saudável, um espaço de resgate do ser. In: Guaju, Matinhos, v.2, n.1, p.77-101, jan/jun. 2016.

SILVA, M. E. P. da. Socialização de agricultoras no movimento de mulheres do Nordeste Paraense. Belém, PA: UFPA. Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural: Embrapa Amazônia Oriental, 2008 (Dissertação de Mestrado).

SOIHET, R. A conquista do espaço público. In: PINSKY, C. B.; PEDRO, J. M. (Org.). Nova História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2013. 218-237p.

TOLEDO, C. Mulheres: o gênero nos une, a classe nos divide. São Paulo: Editora Xamã, 2001. 126 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/guaju.v5i1.65693

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons

Guaju, Revista Brasileira de Desenvolvimento terrritorial sustentável está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Indexadores e bases de dados:

       Imagem relacionada

     

Guaju – Revista Brasileira de Desenvolvimento Territorial Sustentável

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial Sustentável (PPGDTS/UFPR)

Matinhos – Paraná

revistaguaju@gmail.com   ISSN 2447-4096