Open Journal Systems

Economia Criativa, Desenvolvimento e Sustentabilidade: o caso do Rio de Janeiro

Diego Santos Vieira de Jesus

Resumo


O objetivo do artigo é examinar como a sustentabilidade oferece um dos pilares fundamentais ao desenvolvimento da economia criativa no Rio de Janeiro. Com base no referencial teórico de Richard Florida e Ana Carla Reis, o argumento central aponta que a economia criativa no Rio de Janeiro promove uma dinâmica de valorização, proteção e promoção da diversidade das expressões culturais como forma de garantir a sua originalidade. Para que se garantam a sua força e o seu potencial de crescimento, o Poder Público e os agentes sociais precisam assegurar sustentabilidade social, cultural, ambiental e econômica em condições semelhantes de escolha para as gerações futuras. Ademais, assumir a economia criativa como vetor de desenvolvimento seria assumi-la como um processo cultural gerador de inovação e promotor da inclusão produtiva da população, priorizando aqueles que se encontravam em situação de vulnerabilidade social, por meio da formação e da qualificação profissional e da geração de oportunidades de trabalho e de renda. O desenvolvimento de políticas coerentes para a inovação cultural – que tem como sustentáculo a criatividade, entre outros componentes – é algo crítico para que no longo prazo se alcance um desenvolvimento economicamente sustentável.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, M. A. Políticas públicas de cultura e a promoção de desenvolvimento: questões teóricas. In: CALABRE, Lia; SIQUEIRA, Mauricio; LIMA, Deborah Rebello; ZIMBRÃO, Adélia (Orgs.). Anais do VI Seminário Internacional de Políticas Culturais. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 26-29 maio 2015, p. 977-988.

APRIGIO, A. E. A paradiplomacia e a atuação internacional de governos subnacionais. Dissertação – Mestrado em Relações Internacionais. Departamento de Relações Internacionais e Administração Pública, Escola de Economia e Gestão, Universidade do Minho, 2015.

ARAYA, D. Educational policy in the creative economy. In: PETERS, M. A. (Ed.). Education in the creative economy: knowledge and learning in the age of innovation. New York: Peter Lang, 2010.

BARBIERI, J. C.; VASCONCELOS, I.; ANDREASSI, T.; VASCONCELOS, F. C. Inovação e sustentabilidade: novos modelos e proposições. RAE, 50(2), 146-154, 2010.

BENDASSOLLI, P. F.; WOOD Jr., T.; KIRCHBAUM, C.; CUNHA, M. P. Indústrias criativas: definição, limites e possibilidades. RAE, 49(1), 10-18, 2009.

BENNETT, A. Case study methods: design, use, and comparative advantages. In: SPRINZ, D. F.; WOLINSKY-NAHMIAS, Y. (Eds.). Models, numbers, and cases: methods for studying international relations. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 2004. p. 19-55.

CHANTELOT, S.; PÉRÈS, S.; VIROL, S. From talent to creative cities: toward a conceptual framework. 51st European Congress of the Regional Science Association International, New Challenges for European Regions and Urban Areas in a Globalised World, 2011.

CLOSS, L. Q.; OLIVEIRA, S. R.; AZEVEDO, P. R.; TIRELLI, C. Das cidades aos territórios criativos: um debate a partir das contribuições de Milton Santos. In: Anais do XXXVIII Encontro da Anpad. Rio de Janeiro, 13-17 set. 2014, p. 1-15.

DUQUE, F. S. Economia criativa: empreendimentos culturais. In: CALABRE, L.; SIQUEIRA, M.; LIMA, D. R.; ZIMBRÃO, A. (Orgs.). Anais do VI Seminário Internacional de Políticas Culturais. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 26-29 maio 2015, p. 487-497.

ESCOBAR, A. Sentipensar con la tierra. Nuevas lecturas sobre desarrollo, territorio y diferencia. Medellín: Unaula, 2014.

FOORD, J. Strategies for creative industries: an international review. Creative Industries Journal, 1(2), 91-113, 2008.

FREITAS, C. Rio de Janeiro: cidade modelo de sustentabilidade? Jornal do Brasil, 1 dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2016.

GIFE. Rio+B convida empresas para se engajarem em movimento pela sustentabilidade no Rio de Janeiro. GIFE website, 3 out. 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2016.

JACOBI, P. Meio ambiente e sustentabilidade. In: JACOBI, P. O município no século XXI: cenários e perspectivas. São Paulo: Fundação Prefeito Faria Lima – Cepam, 1999, p. 175-183.

JESUS, D. S. V.; KAMLOT, D. Economia criativa e políticas públicas. Curitiba: Prismas, 2016.

JOFFE, A. Cidades criativas ou bolsões criativos? Reflexões da África do Sul. In: REIS, A. C. F.; KAGEYAMA, P. (Orgs.). Cidades criativas: perspectivas. São Paulo: Garimpo de Soluções, 2011, p. 60-69.

LEITÃO, C. Políticas públicas para a economia criativa brasileira. In: REIS, A. C. F.; PASSOS, E.; BARRETO, L.; LEITÃO, C. Economia criativa e cidades criativas da Bahia: oficinas criativas. Salvador: Sebrae Bahia, 2013, p. 45-47.

MARCHI, L. Análise do Plano da Secretaria da Economia Criativa e as transformações na relação entre Estado e cultura no Brasil. Intercom – RBCC, 37 (1), 193-215, jan./jun. 2014.

MARQUES, P. Economia criativa. Jornal Opinião, 5 out. 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2015.

MAX-NEEF, M. Human scale development: conception, application and further reflections. New York: Apex Press, 1991.

MÉRCHER, L. Museu de Arte do Rio e Museu do Amanhã: duas ferramentas à paradiplomacia cultural do Rio de Janeiro. In: MONTEIRO, R. H.; ROCHA, C. (Orgs.). Anais do VI Seminário Nacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual. Goiânia: UFG, FAV, 2013, p. 101-111.

MIGUEZ, P. Economia criativa: uma discussão preliminar. In: NUSSBAUMER, G. M. (Org.). Teorias e políticas da cultura: visões multidisciplinares. Salvador: EDUFBA, 2007, p. 95-113.

MILES, S. A revitalização movida pela cultura funciona? In: GOLDENSTEIN, L.; ROSSELLÓ, P.; ARRUDA, F. (Coords.). Regeneração urbana através da cultura funciona? Londres, São Paulo: The British Council, 2014, p. 124-132.

MOURA, R. O turismo no projeto de internacionalização da imagem de Curitiba. Turismo – Visão e Ação, 9(3), 341-357, 2007.

RAGIN, C. Constructing social research: the unity and diversity of method. Thousand Oaks: Pine Forge Press, 1994.

RAPS. Plataforma de sustentabilidade para o Rio de Janeiro. RAPS website, 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2016.

REIS, A. C. F. Economia da cultura e desenvolvimento sustentável: o caleidoscópio da cultura. Barueri: Manole, 2006.

___. Introdução. In: ___. (Org.). Economia criativa como estratégia de desenvolvimento: uma visão dos países em desenvolvimento. São Paulo: Itaú Cultural, 2008, p. 14-49.

___. Revelando o invisível: os enredados fios de ligação entre ícones culturais e os processos de transformação urbana. In: ___ (Org.). Anais do Seminário Internacional Cultura e Transformação Urbana. São Paulo: Sesc Belenzinho, 22-23 nov. 2011, p. 10-14.

___; URANI, A. Cidades criativas – Perspectivas brasileiras. In: REIS, A. C. F.; KAGEYAMA, P. (Orgs.). Cidades criativas: perspectivas. São Paulo: Garimpo de Soluções, 2011, p. 30-37.

SEBRAE. Termo de referência: atuação do sistema Sebrae na economia criativa. Brasília: Sebrae, 2012.

RIO CRIATIVO. Rio Criativo website. Disponível em: .

ROMEIRO, A. R. Economia ou economia política da sustentabilidade? Texto para Discussão. IE/Unicamp, Campinas, n. 102, p. 1-28, set. 2001.

SACHS, I. Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Studio Nobel/Fundap, 1993.

SEC. Plano da Secretaria da Economia Criativa: políticas, diretrizes e ações, 2011-2014. Brasília: Ministério da Cultura, 2012.

SILVA, F. R. M. As relações entre cultura e desenvolvimento e a economia criativa: reflexões sobre a realidade brasileira. NAU Social, 3(4), 111-121, maio/out. 2012.

VAN EVERA, S. Guide to methods for students of political science. Ithaca, Londres: Cornell University Press, 1997.

WANIS, A. Cidade criativa: política urbana e cultural na reconstrução simbólica do Rio Olímpico. II Conferência Internacional Megaeventos e a Cidade. Rio de Janeiro, 27-30 abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 1 maio 2016.

WORLD CITIES CULTURE FORUM. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/guaju.v3i2.53026

Apontamentos

  • Não há apontamentos.