A inquietude da mata atlântica: reflexões sobre a política do abandono em uma terra cobiçada

Liliani Marilia Tiepolo

Resumo


Apresenta-se uma base para reflexões e diálogos em torno da Mata Atlântica, aqui inquieta, não somente pelo seu atual estado de perturbação ecológica, mas também pela inquietude de seus integrantes, sua biodiversidade e sua população local nativa. Devido ao grande valor ecossistêmico da região, muitas alternativas de conservação da natureza têm sido implementadas desde a década de 1980, porém pouca efetividade tem sido observada na prática, o que gera inúmeros conflitos ambientais, deixando de promover formas de desenvolvimento alternativo, por um lado, e fortalecendo os modelos desenvolvimentistas dos setores produtivos público-privados. Conclui-se que a vocação da região para empreender modelos de desenvolvimento diferenciados, práticas inovadoras, experiências alternativas com respeito às singularidades ecológicas e culturais é drasticamente afetada e obstruída por uma orquestrada política intencional de abandono, com fins a transformar toda a região em polo industrial de empreendimentos de grande impacto ambiental. 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/guaju.v1i2.45057

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons

Guaju, Revista Brasileira de Desenvolvimento terrritorial sustentável está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Indexadores e bases de dados:

       Imagem relacionada

     

Guaju – Revista Brasileira de Desenvolvimento Territorial Sustentável

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial Sustentável (PPGDTS/UFPR)

Matinhos – Paraná

revistaguaju@gmail.com   ISSN 2447-4096