Benzeduras, garrafadas e costuras: considerações sobre a prática da benzeção

Marisete T. Hoffmann-Horochovski

Resumo


O presente artigo versa sobre a benzeção, que sobrevive em tempos atuais apesar da hegemonia do pensamento biomédico. Associada ao catolicismo popular, essa tradicional prática de cura é transmitida de geração a geração por pessoas que acreditam terem recebido um dom divino e que se dedicam a ajudar os outros, tratando males do corpo e da alma. A partir de relatos orais, benzedeiras do litoral paranaense possibilitaram entender mais sobre a prática da benzeção, os rituais que a envolvem e as doenças que trata. Prática que faz parte da cultura imaterial e que tem sido alvo de movimentos de resgate e valorização, embora ainda corra o risco de desaparecer, especialmente nas grandes cidades. 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/guaju.v1i2.45038

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons

Guaju, Revista Brasileira de Desenvolvimento terrritorial sustentável está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Indexadores e bases de dados:

       Imagem relacionada

     

Guaju – Revista Brasileira de Desenvolvimento Territorial Sustentável

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial Sustentável (PPGDTS/UFPR)

Matinhos – Paraná

revistaguaju@gmail.com   ISSN 2447-4096