LODO DE ESGOTO TRATADO NA COMPOSIÇÃO DE SUBSTRATO PARA PRODUÇÃO DE MUDAS DE Lafoensia glyptocarpa

David Pessanha Siqueira, Giovanna Campos Mamede Weiss de Carvalho, Deborah Guerra Barroso, Cláudio Roberto Marciano

Resumo


Buscando-se alternativas para a melhor destinação deste resíduo e para o suprimento da crescente demanda por mudas nativas, este trabalho teve por objetivo avaliar o uso do lodo tratado na composição de substrato para produção de mudas de mirindiba-rosa. Foram avaliadas características biométricas e fisiológicas das mudas e a qualidade do torrão formado. Para tratamento do lodo, foi feita aplicação de cal a 15% do peso seco do resíduo, sendo testadas as proporções de lodo de esgoto tratado de 25, 50 e 75%, associadas ao substrato comercial, e 100% de lodo de esgoto tratado. O tratamento com 100% de substrato comercial foi considerado como controle. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado (DIC), os dados foram submetidos a ANOVA, e as diferenças foram comparadas pelo teste de Tukey a 5%. Os melhores resultados foram observados nas mudas produzidas em substratos com lodo de esgoto tratado em relação ao substrato comercial puro. Recomenda-se, para essa espécie, proporções entre 25 e 100% de lodo de esgoto tratado em substrato comercial.


Palavras-chave


Resíduo urbano, mirindiba-rosa, viveiro florestal, qualidade do torrão.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rf.v48i2.55795

Revista FLORESTA
ISSN Eletrônico 1982-4688
fone: 41 3360 4219
revista.floresta@gmail.com

Conteúdos do periódico licenciados sob uma Licença Creative Commons 4.0 Internacional (CC BY 4.0)