Revisitando as três condições do ato propriamente virtuoso em Ética Nicomaqueia II 4

Priscilla Tesch Spinelli

Resumo


Este artigo pretende retomar a interpretação que pode ser chamada de tradicional das três condições do ato propriamente virtuoso expostas em  EN II 4, i.e., o conhecimento, escolher deliberadamente o ato por ele mesmo e seguir-se de uma disposição firme e não hesitante. A atenção da análise será voltada à primeira e à terceira condição. Buscar-se-á mostrar que a condição do conhecimento pode ser compreendida como conhecimento das circunstâncias, do ato ele mesmo como virtuoso e das técnicas ou ofícios que podem ser por ele requeridos. Buscar-se-á igualmente justificar a introdução do termo ‘disposição’ na tradução apresentada, já que o termo grego ‘hexis’ não consta na passagem analisada. Um apontamento será feito, por fim, no sentido de oferecer uma justificativa mais ampla para a interpretação aqui defendida na medida em que a localiza como um posicionamento contrário à concepção intelectualista socrática.

Palavras-chave


ato virtuoso; agir virtuosamente; virtude moral; conhecimento; disposição; intelectualismo socrático.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dp.v10i2.32127

Indexado por: CLASE. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades