INDICADORES DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

Dâmarys Kohlbeck de Melo Neu, Maria Helena Lenardt, Susanne Elero Betiolli, Tatiane Michel, Mariluci Hautsch Willig

Resumo


Trata-se de estudo quantitativo descritivo transversal, cujo objetivo foi identificar os indicadores de depressão em idosos residentes em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos de Curitiba, Paraná. A instituição abriga 78 idosos, de ambos os sexos, com diferentes graus de dependência. A amostra foi constituída por 21 idosos após screening cognitivo e aplicação dos critérios de inclusão e exclusão. Os dados foram coletados por meio do questionário multidimensional - BOAS (Brazil Old Age Schedule) e analisados conforme estatística descritiva e distribuição de frequência. Do total de idosos, 57,14% não apresentaram indicadores de depressão; 28,57% possuíam depressão leve; e 14,29% depressão severa. Infere-se que os idosos apresentavam elevado índice de sintomatologia depressiva, entretanto, não se refere ao diagnóstico de depressão. A detecção precoce dos sintomas ajuda a evitar o desenvolvimento dessa patologia e prevenir seus efeitos à saúde e qualidade de vida de idosos.

Palavras-chave


Instituição de longa permanência para idosos; Idoso; Depressão; Enfermagem.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v16i3.24217 ';





Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Versão impressa ISSN 1414-8536 (para edições publicadas até 2014)

Versão eletrônica ISSN 2176-9133