A descrição de Jesus Cristo como mago no Discurso Verdadeiro Contra os Cristãos de Celso (II-III d.C.)

Breno Teles Pereira

Resumo


A partir de meados do II séc. d.C., alguns locais no Império Romano presenciaram perseguições - iniciadas primeiramente por cidadãos romanos - que resultaram em levas de execuções e martírios de cristãos. Com uma doutrina ainda em construção, mesclando teorias filosóficas grecorromanas e traços de originalidade cristã, o cristianismo se encontrava em processo de expansão, inclusive em meio às várias escolas filosóficas que se concentravam principalmente em Roma e Alexandria. Em provável resposta a isso, Celso escreve a obra Discurso Verdadeiro Contra os Cristãos, tratando de várias querelas que incluem a falta de originalidade do cristianismo, a quebra de raízes com o judaísmo e, alvo de nossa exposição, a descrição do fundador do cristianismo, Jesus Cristo, como um mago, almejando assim expor a hipótese de que a deslegitimação do líder desse movimento encaixava-se em um contexto de intolerância à magia.

Palavras-chave


Celso; Jesus Cristo; Império Romano; Cristianismo; Magia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/clio.v7i2.48816

Apontamentos

  • Não há apontamentos.