Dados científicos abertos: identificando o papel das políticas de gestão e das agências de fomento

Gabriela Monteiro, Elaine Rosangela de Oliveira Lucas

Resumo


As transformações das práticas científicas apontam que a ciência vive um momento de atenção ao trabalho colaborativo e ao compartilhamento de dados de pesquisa, com o intuito de acelerar a construção de novos conhecimentos e aumentar a eficiência dos investimentos. Agências de fomento internacionais e brasileiras já iniciaram recomendações e exigências para que os projetos financiados incluam um plano de gestão de dados de pesquisa para o compartilhamento em acesso aberto. Em curto ou médio prazo, cada universidade ou centro de pesquisa precisará estar preparado para atender às exigências dos órgãos financiadores. Assim, esta pesquisa tem o objetivo principal de desenvolver um mapeamento das principais políticas institucionais das agências de fomento nacionais e internacionais na promoção do acesso aberto aos dados de pesquisas científicas desenvolvidas no Brasil. A revisão inicial da literatura contempla os temas da comunicação científica e do movimento de acesso aberto e ainda conceitos sobre dados científicos abertos e uma breve contextualização do fomento à pesquisa científica no Brasil. Com relação aos procedimentos metodológicos delineados, a pesquisa é considerada social aplicada no que ser refere a sua finalidade. Quanto ao objetivo central, terá característica exploratória e descritiva e, em relação aos procedimentos técnicos para obtenção dos dados, será realizada pesquisa bibliográfica-documental. A coleta e o tratamento dos dados para identificação das agências de fomento que farão parte da pesquisa documental foi iniciada em abril deste ano. Os dados foram obtidos com base na lista de bolsistas de Produtividade em Pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico vigentes em julho de 2017 e por meio da extração de informações sobre o financiamento de seus projetos, constantes na base de currículos acadêmicos da Plataforma Lattes. A pesquisa encontra-se na fase de submissão ao exame de qualificação.

Palavras-chave


Dados Científicos Abertos; Agências de Fomento; Políticas de Dados Abertos; Gestão de Dados de Pesquisa.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, V. B. A. (2008). Open Archives: via verde ou via dourada? Ponto de Acesso, 2(2), 127-137. Recuperado de https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/1780

Baptista, A. A., Costa, S. M. de S., Kuramoto, H., & Rodrigues, E. (2007). Comunicação científica: o papel da Open Archives Initiative no contexto do Acesso Livre. Pesquisa Brasileira Em Ciência da Informação e Biblioteconomia, 2(2), 1–17.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70. Berlin Declaration on Open Access to Knowledge in the Sciences and Humanities. (2003). Berlin. Recuperado de https://openaccess.mpg.de/Berliner-Erklaerung

Budapest Open Access Initiative (BOAI). (2002). Declaração de Budapest. Recuperado de https://www.budapesto penaccessinitiative.org/boai-10-translations/portuguese-brazilian-translation

Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (CONFAP). (2017). (Brasil). Informações sobre FAPs. Recuperado de http://confap.org.br/news/informacoes-sobre-faps/

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). (2017). Ministério da Educação. Acesso à Informação: Institucional. Recuperado de http://www.capes.gov.br/acessoainformacao/institucional

Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico (CNPq). (2017). Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Centro de Memória. Recuperado de http://centrodememoria.cnpq.br/cmemoriaindex.html

Constituição da República Federativa do Brasil. (1988). Brasília: Centro de Documentação e Informação (CEDI), 2013. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Curty, R. G. A. (2016). As diferentes dimensões do reuso de dados científicos. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, 9(2). Recuperado de http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000022969/9c7f5cf3f928e4a2f342af%201eecf665e4

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia. (2005). Manifesto brasileiro de apoio ao acesso livre à informação científica. Brasília. Recuperado de http://livroaberto.ibict.br/Manifesto.pdf

Kuramoto, H. (2006). Informação científica: proposta de um modelo para o Brasil. Ciência da Informação. Brasília, 35(2), 91-102. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ci/v35n2/a10v35n2.pdf

Leite, F. C. L. (2009). Como gerenciar e ampliar a visibilidade da informação científica brasileira: Repositórios Institucionais de Acesso Aberto. Brasília: Ibict.

Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). (2016) Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2016-2010. Recuperado de: https://portal.insa.gov.br/images/documentos-oficiais/ENCTIMCTIC-2016- 2022.pdf

Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). (2017) Institucional. Recuperado de http://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/institucional/paginaInstitucional.html

Mueller, S. P. M. (2006). A comunicação científica e o movimento de acesso livre ao conhecimento. Ciência da Informação, 35(2), 27-38. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/%0D/ci/v35n2/a04v35n2.pdf

Organisation for Economic Co-Operation and Development. (2007). OECD Principles and guidelines for access to research data from public funding. Paris. Recuperado de http://www.oecd.org/sti/inno/38500813.pdf

Oliveira, A. C. S.; Silva, E. M. (2016). Ciência aberta: dimensões para um novo fazer científico. Informação & Informação, 21(2), 05-39. Recuperado de http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/27666

Prodanov, C. C.; Freitas, E. C. de. (2013). Metodologia do Trabalho Científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico (2a ed.). Novo Hamburgo: Feevale.

Sayão, L. S. F.; Sales, L. F. (2013). Dados de pesquisa: contribuição para o estabelecimento de um modelo de curadoria digital para o país. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, 6(1). Recuperado de http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000014157/0f3127bfd6475f45e6950 e1e0da20371

Sayão, L. F.; Sales, L. F. (2014). Dados abertos de pesquisa: ampliando o conceito de acesso livre. RECIIS: Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, Rio de Janeiro, 8(2),76-92. Recuperado de https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/611/1252

Sayão, L. F.; Sales, L. F. (2015). Guia de Gestão de Dados de Pesquisa para Bibliotecários e Pesquisadores. Rio de Janeiro: CNEN/IEN.

Targino, M. das G. (2000). Comunicação Científica: uma revisão de seus elementos básicos. Informação & Sociedade, João Pessoa, 10(2), 67-85. Recuperado de http://www.periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/326




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/atoz.v8i1.67253

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Serviços de indexação e agregadores

Web of Science
Directory of Open Access Journals
Sumários.org: sumários de revistas brasileiras
Google Acadêmico
LivRe! Portal para periódicos de livre acesso na Internet
InfoBCI
Latindex Catálogo
Bielefeld Academic Search Engine
INFOBILA: Información Bibliotecológica Latinoamericana
REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Brapci (Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação Brapci (Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação

Universidade Federal do Paraná
Mestrado e Doutorado Interdisciplinar em Gestão da Informação
ISSN: 2237-826X
Qualis (2013-2016):
B2 - Comunicação e Informação
B4 - Planejamento Urbano e Regional/Demografia; Saúde Coletiva; Interdisciplinar
B5 - Arquitetura, Urbanismo e Design; Engenharias III
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
Esta obra foi licenciada sob uma Licença
Creative Commons Atribuição 4.0 Não Adaptada