A moda como objeto de informação: o caso do Movimento Feminista Punk Riot Grrrl

Kedma Lima de Castro, Jetur Lima de Castro, Alessandra Nunes de Oliveira

Resumo


Introdução: Ao se considerar que a moda pode ser entendida como objeto de informação, o objetivo do trabalho é apresentar as características de indumentária e de comportamento do movimento feminista punk Riot Grrrrl como constituintes espaço de discurso e de linguagem e, portanto, no escopo de investigações na área de Ciência de Informação e Biblioteconomia. Método: Trata-se de pesquisa exploratória de base bibliográfica e documental. Resultados: apresenta-se o momento histórico do movimento punk Riot Grrrl no contexto punk, analisando-se a temática do feminismo, a discussão de gênero e suas relações com a moda entendendo-se a indumentária das riots grrrls como forma de protesto e discurso político em seu contexto histórico-social. Conclusão: as releituras visuais do movimento feminista punk, sustentadas em seus ideários radicais e seu impacto no universo da moda, revelam a representatividade da indumentária e do comportamento como formas emancipatórias no social, configurando-se como espaços de discurso e, portanto, de informação.

 


Palavras-chave


Movimento punk; Discurso de Gênero; Moda; Moda como informação; Feminismo

Texto completo:

HTML EPUB PDF

Referências


Arruda, R. (2011). A música feminista das Riot Girls. Blogueiras feministas. Recuperado de http://blogueirasfeministas.com/2011/07/musica-feminista-riot-girls/

Bivar, A. (1982). O que é punk. São Paulo: Brasiliense.

Bortholuzzi, J. (2012). A relação entre a moda, o movimento punk e sua rainha, Vivienne Westwood. In Anais do 8. Colóquio de Moda. Rio de Janeiro. Recuperado de http://www.coloquiomoda.com.br/anais/anais/8-Coloquio-de-Moda_2012/GT06/COMUNICACAO-ORAL/102634_A_relacao_entre_a_moda_o_movimento_punk_e_sua_rainha_Vivienne_Westwood.pdf

Braga, J. (2004). História da moda: uma narrativa. São Paulo: Anhembi Morumbi.

Brandes, A. Z., & Souza, P. (2012). Corpo e moda pela perspectiva do contemporâneo. Projetica, 3(1), 119–129.

Ciquini, F. H. (2010). Suave rebeldia: como a visualidade na moda contemporânea se apropria da estética do movimento punk (Dissertação do Mestrado em Comunicação). Universidade Estadual de Londrina.

Cláudio, I. (2009). O elegante feminismo de Coco Chanel. Isto É independente, 2085. Recuperado de http://www.terra.com.br/istoe-temp/edicoes2085/imprime154614.htm

Coloni, D. A., & Fernandes, C. A. (2005). A agressividade na indumentária punk e seu traje de oposição. In Anais do 1. Design, Arte, Moda e Tecnologia. São Paulo. Recuperado de http://www.coloquiomoda.com.br/anais/anais/1-Coloquio-de-Moda_2005/COMUNICACOES-A_F.pdf

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Habermas, J. (1987). Teoría de la acción comunicativa (2a. ed.). Madrid: Taurus.

Iori, D., Menegazzi, D., Moraes, A., & Richetti, J. (2006). Tribos urbanas: Punks. Advérbio, 5, 1–8.

Joaquim, J. T., & Mesquita, C. (2012). Rupturas do vestir: articulações entre moda e feminismo. In Anais do 1. Design, Arte, Moda e Tecnologia (p. 15–58). São Paulo. Recuperado de http://sitios.anhembi.br/damt/arquivos/6.pdf

Lehmann, H. T. (2014). Esthetics of resistance, esthetics of revolt. Pitágoras, 500(6), 4–19. Recuperado de http://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/pit500/article/view/185/180

Leite, F. L. (2012). Mídia e policia na (des) construção do movimento punk paulistano (Relatório Parcial de Pesquisa de Iniciação Científica). São Paulo: PUC-SP.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2006). Fundamentos da metodologia científica. São Paulo: Atlas.

Melo, E. I. (2006). Riot Grrrl: feminismo na cultura juvenil punk. In Anais do 7. Seminário Fazendo Gênero. Florianópolis: UFSC, UDESC. Recuperado de http://www.fazendogenero.ufsc.br/7/artigosEErica_Melo_Riot_01.pdf

Miranda, S. (2006). Como as necessidades de informação podem se relacionar com as competências informacionais. Ciência da Informação, 35(3), 99–144. Recuperado em 15 ago. 2015, de http://dx.doi.org/10.1590/S0100-19652006000300010

Monteiro, L. L. C., & Garcia, L. G. (2013). Veganismo, feminismo e movimentos sociais no Brasil. In Anais do 10. Seminário Fazendo Gênero. Florianópolis: UFSC, UDESC.

Neira, L. (2008). A invenção da moda brasileira. Caligrama, 4(1). Recuperado de http://dx.doi.org/10.11606/issn.1808-0820.cali.2008.68123

Oliveira, A. C., & Castilho, K. (2008). Corpo e moda: por uma compreensão do contemporâneo. São Paulo: Estação das Letras e Cores.

Oliveira, M. (2005). Origens de evolução da Ciência da Informação. In M. Oliveira (Ed.), Ciência da Informação e Biblioteconomia: novos conteúdos e espaços de atuação (p. 1 – 71). Belo Horizonte: UFMG.

Ortega, C. D. (2006). Relações históricas entre Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação. DataGramaZero: Revista de Ciência da Informação, 5(5). Recuperado em 15 ago. 2015, de http://dgz.org.br/out04/Art_03.htm

Piovesan, A. (1968). Da necessidade das escolas de saúde pública elaborarem métodos simplificados de investigação social (Faculdade de Saúde Pública da USP). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Departamento de Administração.

Queiróz, M. I. (1992). O pesquisador, o problema da pesquisa, a escolha de técnicas: algumas reflexões. In A. B. S. G. Lang (Ed.), Reflexões sobre a pesquisa sociológica (p. 13–19).

Ribeiro, J. K., Costa, J. C., & Santiago, I. M. (2012). Um jeito diferente e “novo” de ser feminista: em cena, o Riot Grrrl. Revista Artemis, 5(13), 222–240. Recuperado em 15 ago. 2015, de http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/artemis/article/viewFile/14226/8154

Rocha, M. (2005). Punk na moda. Revista Cult, 96. Recuperado de http://revistacult.uol.com.br/home/2010/03/a-influencia-da-cultura-punk-no-vestuario-contemporaneo/

Souza, H., & Fonseca, P. (2009). As tribos urbanas: as de ontem até às de hoje. Nascer e Crescer: revista do Hospital de Crianças Maria Pia, 18(3), 209–214. Recuperado em 15 ago. 2015, de http://repositorio.chporto.pt/bitstream/10400.16/1271/1/TribosUrbanas_18-3.pdf

Weber, A. F., Gallina, J. F., & Ronsini, V. V. (2004). A construção do estilo punk: identidade, mídia e classe social. Cadernos de Comunicação, 10, 167–180. Recuperado em 15 ago. 2015, de http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/ccomunicacao/article/viewFile/5162/3171 (Jornada de Iniciação Científica da INTERCOM)




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/atoz.v4i1.41762

Apontamentos





Serviços de indexação e agregadores

Web of Science
Directory of Open Access Journals
Sumários.org: sumários de revistas brasileiras
Google Acadêmico
LivRe! Portal para periódicos de livre acesso na Internet
InfoBCI
Latindex Catálogo
Bielefeld Academic Search Engine
INFOBILA: Información Bibliotecológica Latinoamericana
REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Brapci (Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação Brapci (Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação

Universidade Federal do Paraná
Mestrado e Doutorado Interdisciplinar em Gestão da Informação
ISSN: 2237-826X
Qualis (2013-2016):
B2 - Comunicação e Informação
B4 - Planejamento Urbano e Regional/Demografia; Saúde Coletiva; Interdisciplinar
B5 - Arquitetura, Urbanismo e Design; Engenharias III
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
Esta obra foi licenciada sob uma Licença
Creative Commons Atribuição 4.0 Não Adaptada