Padrões sedimentares de estratigrafia rasa em uma planície lagunar, costa oeste do Ceará, Brasil

Kevin Samuel Felix Lima, Lidriana de Souza Pinheiro, Débora Melo Mendonça, Rhaiane Rodrigues da Silva, Antonio Rodrigues Ximenes Neto

Resumo


Neste estudo foi realizado uma análise dos padrões sedimentares de estratigrafia rasa em uma planície lagunar próximo as localidades de Porto dos Barcos e Guajiru no município de Itarema, litoral oeste do Estado do Ceará. Nesta região destaca-se a presença de manguezal e de barreiras costeiras (spit e ilhas). Foram coletados dois testemunhos sedimentares (T1 e T2) por meio de tubos de 50 mm de diâmetro e 1 metro de comprimento. Posteriormente foi realizada a identificação macroscópica das fácies sedimentares dos testemunhos de acordo com a coloração, granulometria e presença de fragmentos de natureza orgânica. Em laboratório foram feitas análise granulométrica e quantificação dos teores de carbonato de cálcio e matéria orgânica. A partir da integração dos dados, foram elaborados perfis colunares dos testemunhos. A coloração identificada nos testemunhos variou entre tons de preto, cinza e verde, além de alguns tons de branco e azul no testemunho T2. Verificou-se a presença de fragmentos vegetais ao longo de todo o comprimento dos testemunhos, e foram observados fragmentos de conchas e raízes em algumas frações dos testemunhos. A granulometria dos testemunhos mostrou um predomínio da fração areia em relação a outras classes granulométricas, apresentando algumas fácies com significativa presença de fração lama, principalmente no testemunho T2. O teor de carbonato de cálcio nos sedimentos variou de 0,90% a 26,84% e de matéria orgânica entre 1,06% e 13,2%. Conclui-se que a granulometria apresentou um padrão bimodal de fácies sedimentares arenosas e areno-lamosas. O carbonato de cálcio apresentou maior associação com fragmentos de conchas e com granulometria mais grossa no testemunho T2, já o testemunho T1 não houve correlação entre carbonato de cálcio e granulometria. A matéria orgânica apresentou uma relação maior com sedimentos de granulometria mais fina.


Palavras-chave


Ambiente deposicional; estuário; Itarema; sedimentação; testemunho sedimentar.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO E., SILVA J., OLIVEIRA T., SANTANA N., FREIRE M. 2019. Apicum do estuário de Barra de Gramame-PB: Análises físicas e químicas. Revista Brasileira de Geografia Física, 12:112-123.

BARLETTA M., COSTA M. 2009. Living and Non-living Resources Exploitation in a Tropical Semi-arid Estuary. Journal of Coast Research, 56:371-375.

BEZERRA FILHO F.A.A. 2017. Sistemas estuarinos de Torrões e Porto dos Barcos, Itarema (Ceará, Brasil): Um olhar a partir da percepção ambiental. Dissertação de Mestrado. Pós-Graduação em Geografia, Centro de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual do Ceará, 177p.

BIRD E. 2008. Coastal Geomorphology – An Introduction. Wiley, England, 436p.

CALANDRINE, F. P. 2019. Diagnóstico dos Impactos ambientais no sistema estuarino lagunar de Itarema, litoral oeste do Ceará. Dissertação de Mestrado. Pós-Graduação em Geografia, Centro de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual do Ceará, 115p.

CLEVERINGA J., OOST A. 1999. The fractal geometry of tidal-channel systems in the Dutch Wadden Sea. Geologie en Mijnbouw, 78:21-30.

CHENG Z., XANG X., JALÓN-ROJAS I., LIU Y. 2019. Reconstruction of sedimentation changes under anthropogenic influence in a medium-scale estuary based on a decadal chronological framework. Estuarine, Coastal and Shelf Science, 227.

COGERH - COMPANHIA DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ 2019. Litoral. Disponível em http://portal.cogerh.com.br/litoral/# . Acesso em 15 de maio de 2020.

COSTA S.S. 2018. Avaliação geoquímica de elementos-traços em testemunhos no estuário do Rio Potengi - RN. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica, Centro de Ciências Exatas e da Terra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 101p.

COSTA A., PINHEIRO A., BARRA O., VASCONCELOS F. 2020 Dinâmica Costeira e Formação de Spit na Praia do Porto, Município de Itarema, Estado do-Ceará. Revista Brasileira de Geografia Física, 13:1610-1628.

DAVIS B. 1974. Loss-on-ignition as an Estimate of Soil Organic Matter. Soil Sci. Soc. Am. Proc, 38:347-353.

FLEMMING B.W. 2012. Siliciclastic Back-Barrier Tidal Flats. In: DAVIS R.A., DALRYMPLE R.W. (eds) Principles of Tidal Sedimentology. Springer, Dordrecht, 231-268p.

GINSBERG S., PERILLO G. 2004. Characteristics of Tidal Channels in a Mesotidal Estuary of Argentina. Journal of Coastal Research, 20:489-497.

HESP P.A., MAIA L.P., CLAUDINO-SALES V. 2009. The Holocene Barriers of Maranhão, Piauí and Ceará States, Northeastern Brazil. In: DILLENBURG S.R., HESP P.A. (eds) Geology and Geomorphology of Holocene Coastal Barriers of Brazil. Lecture Notes in Earth Sciences. Springer, Berlin, Heidelberg, 107:325-345p.

HUGHES Z.J. 2012. Tidal Channels on Tidal Flats and Marshes. In: DAVIS R.A., DALRYMPLE R.W. (eds) Principles of Tidal Sedimentology. Springer, Dordrecht, 269-300p.

IPECE - INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ 2017. Perfil municipal 2017 Itarema. Disponível em: https://www.ipece.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/45/2018/09/Itarema_2017.pdf . Acessado em 03 de novembro de 2019.

LAMAS F., IRIGARAY C., OTEO C., CHACÓN J., 2005. Selection of the most appropriate method to determine the carbonate content for engineering purposes with particular regard to marls. Engineering Geology, 81:32-41.

LIMA L.G. 2012. Estratigrafia e evolução holocênica de uma barreira costeira transgressiva/regressiva, Litoral Norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Geociências, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 119p.

MAIA L.P. 1998. Procesos costeros y balance sedimentario a lo largo de Fortaleza (NE-Brasil): implicaciones para una gestión adecuada de la zona litoral. Tese de Doutorado. Programa Doctorado de Ciencias del Mar, Departamento d´Estratigrafia i Paleontologia, Universitat de Barcelona, 269p.

MAIA G., SOUZA I., ABREU NETO J., FREIRE G., MEDEIROS M. 2019. Estudo da Influência da Maré sob a remobilização do material em suspensão no período de enchente no canal do porto da barra grande, Icapuí-CE. Estudos Geológicos, 29:54-62.

MARTINS S.E.M. 2017. Caracterização paleoambiental de sedimentos holocênicos da plataforma continental interna adjacente ao Porto de Recife e do estuário do Rio Formoso, costa de Pernambuco – Brasil. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Geociências, Departamento de Geociências, Universidade Federal de Pernambuco, 181p.

MIOLA B. 2013. Caracterização geoquímica e mineralógica dos sedimentos do manguezal do estuário do Rio Coreaú, Ceará- Brasil. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Ciências Marinhas Tropicais, Instituto de Ciências do Mar, Universidade Federal do Ceará, 87p.

MIOLA, B. 2017. Proveniência de sedimentos para os ecossistemas estuarinos do litoral Oeste do Ceará. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Ciências Marinhas Tropicais, Instituto de Ciências do Mar, Universidade Federal do Ceará, 166p.

MIRANDA L., CASTRO B., KJERFVE B. 2002. Princípios de Oceanografia Física de Estuários. Edusp, São Paulo, 417p.

MORAIS J., FONTELES M. 2000. Fluxos interativos na elaboração da planície costeira de Itarema – Ceará. Revista de Ciência e Tecnologia, 1:63-68.

MORAIS J.O, FREIRE G.S., PINHEIRO L.S., SOUZA M.J.N., CARVALHO A.M., PESSOA P.R.S., OLIVEIRA S.H.M. 2006. Ceará. In: MUEHE D. (org) Erosão e Progradação do Litoral Brasileiro. Ministério do Meio Ambiente (MMA), Brasília, 131-154p.

MORAIS J., PINHEIRO L. 2011. The effect of semi-aridity and damming on sedimentary dynamics in estuaries- Northeastern region of Brazil. Journal of Coastal Research, 64:1540-1544.

MORAIS J.O., PINHEIRO L.S., PESSOA P.R.S., FREIRE G.S.S, CARVALHO A.M., GUERRA R.G.P., BARROS E.L., MOURA F.J.M. 2018. Ceará. In: MUEHE D. (Org.) Panorama da Erosão Costeira no Brasil. MMA, Brasília, 261-289p.

MOURA, F.J.M. 2018. Dinâmica de barreiras costeiras na Costa Semiárida Brasileira: o caso do litoral de Acaraú e Itarema – Ceará. Tese de Doutorado. Programa de Pós- Graduação em Ciências Marinhas Tropicais, Instituto de Ciências do Mar, Universidade Federal do Ceará, 267p.

MUNSELL COLOR. 2009. Geological Rock Color Chart. Munsell Color: with genuine Munsell color chips. Grand Rapids, MI.

PEIXOTO V., RIOS L., AMARO V. 2012. Caracterização dos depósitos sedimentares Holocênicos no sistema de ilhas barreiras do estuário Diogo Lopes, litoral setentrional do Rio Grande do Norte. Revista de Geologia, 25:55-69.

PERILLO G.M.E. 1995. Geomorphology and sedimentology of estuaries: an introduction. In: PERILLO G.M.E. (ed) Geomorphology and Sedimentology of Estuaries. lnstituto Argentino de Oceanografia, Bahia Blanca, 1-16p.

PINHEIRO L.S., MORAIS J.O., MAIA L. P. 2016. The Beaches of Ceará. In: SHORT A. D., KLEIN A.H.F. (Org.) Coastal Research Library. Springer International Publishing, 175-199p.

SELLEY R.C. 1985. Ancient Sedimentary Environments and their sub-surface diagnosis. Chapman and Hall, London, 317p.

SILVA N.S. 2014. Novos olhares para o litoral cearense: a produção de energia eólica e os impactos socioambientais decorrentes dos parques eólicos Volta do Rio (Acaraú) e Cajucoco (Itarema) – CE, Brasil. Dissertação de Mestrado Acadêmico em Geografia. Pós-Graduação em Geografia. Centro de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual do Ceará, 143p.

SOUZA I., MAIA G., ALMEIDA N., ABREU NETO J., FREIRE G., ALBUQUERQUE L., SILVEIRA A. 2020. Facies and stratigraphy of Porto da Barra Grande tidal channel, Icapuí – CE. Revista de Geociências Nordeste, 6:49-55.

SUGUIO K. 1973. Introdução à Sedimentologia. Ed. Edgard Blucher Ltda, São Paulo, 317p.

VIDAL R., BECKER, H. 2006. Distribuição de manganês, ferro, matéria orgânica e fosfato nos sedimentos do manguezal do Rio Piranji, Ceará. Arquivos de Ciências do Mar, 39:34–43.

WALKER R. G. 1992. Facies, facies models, and modern stratigraphic concepts. In: WALKER R.G., JAMES N.P. (eds) Facies models: response to sea level change. Geological Association of Canada, Hamilton, 2:1–15p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v13i1.73415

Quaternary Environmental Geosciences