Open Journal Systems

Dinâmica de ondas e erosão costeira na desembocadura do rio Itapicuru, litoral norte do Estado da Bahia

Iaggo Oliveira Correia, Junia Kacenelenbogen Guimarães, Iracema Reimão Silva

Resumo


Este trabalho teve o objetivo de avaliar a influência da dinâmica das ondas e características locais nos processos erosivos na planície costeira do rio Itapicuru, no litoral norte do estado da Bahia. A modelagem da dinâmica costeira foi realizada com o programa Sistema de Modelagem Costeira do Brasil (SMC-Brasil) e envolveu o cálculo da refração de ondas e do transporte longitudinal de sedimentos ao longo do litoral. Os resultados da modelagem mostraram que as ondas de sudeste são determinantes na definição do transporte resultante, que é predominante para nordeste. Em apenas um trecho do litoral estudado, o transporte teve sentido sudoeste. Isso se deveu a influência de uma “cava” batimétrica presente na plataforma que foi responsável pela divergência de raios de ondas de sudeste. Também tiveram influência na refração das frentes de ondas a presença de altos batimétricos na desembocadura dos rios Itariri e Itapicuru, associadas às suas barras de desembocadura, que geraram a convergência e aumento da energia de ondas. O estudo da interação da dinâmica de ondas com as características da zona costeira permitiram identificar duas situações de maior probabilidade de ocorrência de erosão no trecho estudado: i) na região das desembocaduras dos rios Itariri e Itapicuru, que além de apresentarem alta variabilidade de posição, intrínseca a desembocaduras fluviais, têm uma maior energia de ondas incidentes, provocada pela refração causada por suas próprias barras de desembocadura; e ii) na região do povoado de Poças, onde se localiza a única divergência de deriva litorânea constatada no trabalho, que torna o balanço sedimentar negativo na costa, e ocorre em trecho estreito de uma península, que por esta razão, também é vulnerável à ocasional erosão fluvial provocada por um afluente do rio Itapicuru que corre na retaguarda da mesma. Os resultados desse trabalho mostram a importância da modelagem da dinâmica costeira em escala de detalhe, que permitiu, por exemplo, identificar a divergência de deriva litorânea presente no povoado de Poças. Conclui-se também pela importância de evitar a ocupação nos trechos costeiros vulneráveis, como aqueles próximos de desembocaduras fluviais e aqueles associados a penínsulas estreitas e outras formas de acumulação, como pontais.



Palavras-chave


erosão costeira; pontal; dinâmica de ondas; SMC-Brasil

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA L.R., AMARO V.E., MARCELINO A.M.T., SCUDELARI A.C. 2015. Avaliação do clima de ondas da praia de Ponta Negra (RN, Brasil) através do uso do SMC-Brasil e sua contribuição à gestão costeira. Revista de Gestão Costeira Integrada, 15:2:135-151.

ALMEIDA A.B., ARAÚJO F.M., RIBEIRO S.H.S., PEREIRA A.M.S., SAMPAIO F.J. 2003. Geomorfologia da região de Siribinha, município de Conde – litoral norte do estado da Bahia. II Congresso sobre Planejamento e Gestão das Zonas Costeiras dos Países de Expressão Portuguesa, IX Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário, II Congresso do Quaternário dos Países de Línguas Ibéricas, 1-4.

ANGULO R.J., SOUZA M.C., MULLER M.E. 2009. Previsão e consequências da abertura de uma nova barra no Mar do Ararapira, Paraná-São Paulo, Brasil. Quaternary and Environmental Geosciences, 1:2:67-75.

ANEAS DE CASTRO S.D. 2000. Riesgos y Peligros: una visión desde la geografia. Scripta Nova: Revista Eletrónica de Geografia y Ciencias Sociales, 60 (online).

APPENDINI C.M., FISCHER D.W. 1998. Hazard Manegement Planning for Severe Storm Erosion. Shore and Beach, 66:4:5-8.

BAYRAM A., LARSON M., HANSON H. 2007. A new formula for the total longshore sediment transport rate. Coastal Engineering, 54:9:700 -710.

BERNAL J.M.S. 2016. Contribuição do aporte fluvial de sedimentos para a construção das principais planícies quaternárias do Estado da Bahia. Tese de Doutorado. Pós-Graduação em Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal da Bahia, 104p.

BHATTACHARYA J.P., GIOSAN L. 2003. Wave-Influenced deltas: Geomorphological implications for facies reconstruction. Sedimentology, 50:187–210.

BIRD E. 2008. Coastal geomorphology: an introduction. Wiley, England, 412p.

BITTENCOURT A.C.S.P., DOMINGUEZ J.M.L., MARTIN L., SILVA I.R. 2000. Patterns of Sediment Dispersion Coastwise the State of Bahia – Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 72:2:271-287.

BITTENCOURT A.C.S.P., DOMINGUEZ J.M.L., FONTES L.C.S., SOUSA D.L., SILVA I.R., DA SILVA, F.R. 2007. Wave refraction, river damming, and episodes of severe shoreline erosion: The São Francisco river mouth, northeastern Brazil. Journal of Coastal Research, 23:4:930–938.

BITTENCOURT A.C.S.P., LIVRAMENTO F.C., DOMINGUEZ J.M.L., SILVA I.R. 2010. Tendência de longo prazo à erosão costeira num cenário perspectivo de ocupação humana: litoral norte do estado da Bahia. Revista Brasileira de Geociências, 40:1:125-137.

CAMUS P., MENDEZ F.J., MEDINA R., TOMAS A., IZA­GUIRRE C. 2013. High resolution downscaled ocean waves (DOW) reanalysis in coastal areas. Coastal Engineering, 72:56-68.

CHM (CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA). 2020. Citação de referências e documentos eletrônicos. Disponível em: acessado em: 22 abril 2020.

CHRISTOFOLETTI A. 1981. Geomorfologia fluvial: Volume 1 – O canal fluvial. Editora Edgard Blucher LTDA, São Paulo, 297p.

CIN R.D., SIMENONI U. 1994. A model for determining the Classification, Vulnerability and Risk in the Southern Coastal Zone of the Marche (Italy). Journal of Coastal Research, 10(1):18-26.

COELHO C.D.B. 2005. Riscos de exposição de frentes urbanas para diferentes intervenções de defesa costeira. Tese de Doutorado. Seção Autônoma de Engenharia civil, Universidade de Aveiro, 404p.

COSTA JÚNIOR M.P. 2008. Interações morfo-pedogenéticas nos sedimentos do Grupo Barreiras e nos leques aluviais pleistocênicos no litoral norte da Bahia – município de Conde. Tese de Doutorado. Pós-Graduação em Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal da Bahia, Salvador. 247p.

DALINGHAUS C., ALMEIDA L.R., GONZÁLEZ M., KLEIN, A.H.F. 2019. Sistema de Modelagem Costeira do Brasil: estudos de caso. Editora UFSC, Florianópolis, 411 p.

DAN S., WALSTRA D.J.R., STIVE M.J.F., PANIN N. 2011. Processes controlling the development of a river mouth spit. Marine Geology, 280:116-129.

DOMINGUEZ J.M.L., BITTENCOURT A.C.S.P., MARTIN L. 1992. Controls on Quaternary coastal evolution of the east-northeastern coast of Brazil: roles of sea-level history, trade winds and climate. Sedimentary Geology, 80:213-232.

DOMINGUEZ J.M.L., BITTENCOURT A.C.S.P. 2012. Zona Costeira. In: BARBOSA J.S.F. (ed) Geologia da Bahia: Pesquisa e Atualização - Volume 2. CBPM, Salvador, 395-426p.

DOMINGUEZ J.M.L., NUNES A.S., REBOUÇAS R.C., SILVA R.P., FREIRE A.F.M., POGGIO C.A. 2012. Plataforma Continental. In: BARBOSA J.S.F. (ed) Geologia da Bahia: Pesquisa e Atualização - Volume 2. CBPM, Salvador, 427-496p.

DOMINGUEZ J.M.L., BITTENCOURT A.C.S.P., NASCIMENTO L., SANTOS A.N. 2016. Beaches in the State of Bahia: The importance of geologic setting. In: SHORT A.D., KLEIN A.H.F. (eds) Brazilian beach systems. Springer International Publishing, Switzerland, 307-332p.

DOMINGUEZ J.M.L., BITTENCOURT A.C.S.P., SANTOS A.N., ANDRADE A.C.S., WANDERLEY A.A.O.L., SILVA I.R., QUEIROZ I.G., FREITAS L.M.B., NASCIMENTO L.D., SILVA R.P. 2006. Bahia. In: MUEHE D. (ed) Erosão e Progradação do Litoral Brasileiro. Ministério do Meio Ambiente, Brasília, 219-225p.

DOMINGUEZ J.M.L., NUNES A.S., SILVA R.P., ESQUÍVEL M.S. 2003. Projeto de gerenciamento costeiro: Diagnóstico oceanográfico e proposição de disciplinamento de usos da faixa marinha do litoral norte do Estado da Bahia. Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado da Bahia/CRA, Salvador, 128p.

DOMINGUEZ J.M.L., GUIMARÃES J. K., BITTENCOURT A.C.S.P. 2018. Alagoas, Sergipe e Bahia. In: MUEHE D. (ed) Panorama da Erosão Costeira no Brasil. Ministério do Meio Ambiente, Brasília, 381-431p.

DUTRIEUX E., CANOVAS S., DENIS J., BIGOT L., HÉNOCQUE Y., QUOD J. 2000. Guide méthodologique pour l’élaboration de cartes de vulnérabilité des zones côtières de l’Océan Indien. Commission Océanographique Intergouvernementale – UNESCO, Paris, 42p.

ESQUIVEL M.S. 2006. O Quaternário costeiro do município de Conde: implicações para a gestão ambiental. Dissertação de Mestrado, Pós Graduação em Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal da Bahia, 103p.

ESQUIVEL M.S. 2016 A zona costeira dos municípios do litoral norte e entorno da Baía de Todos os Santos – Estado da Bahia: implicações para a gestão ambiental. Tese de Doutorado. Pós-Graduação em Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal da Bahia, 140p.

FITZGERALD D.M. 1988. Shoreline erosional-depositional processes associated with tidal inlets. Lecture Notes on coastal and Estuarine Studies, v. 29. In: AUBREY D.G., WEISHAR L. (eds.) Hydrodynamics and sediment dynamics of tidal inlets. Springer-Verlag, New York, 186-225p.

FITZGERALD D.M., KRAUS N.C., HANDS E.B. 2000. Natural mechanisms of sediment bypassing at tidal inlets. ERDC/CHL CHETN-IV-30, U.S. Army Engineer Research and Development Center, Vicksburg, MS. 10p.

GENZ F., LESSA G.C., CIRANO M., LIMA G.M.P. 2003. As tendências de longo prazo das vazões fluviais no litoral do Estado da Bahia. II Congresso sobre Planejamento e Gestão das Zonas Costeiras dos Países de Expressão Portuguesa, IX Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário, II Congresso do Quaternário dos Países de Línguas Ibéricas, 1-6.

GOMES JUNIOR., G. D. 2015. Aprimoramento do clima de ondas do SMC com subsídio ao estudo da erosão costeira no litoral de Pernambuco. Dissertação de Mestrado. Pós-Graduação em Oceanografia, Departamento de Oceanografia, Universidade Federal de Pernambuco, 148p.

GUIMARÃES J.K., DOMINGUEZ J.M.L. 2008. A influência da refração de ondas e da deriva litorânea na dinâmica do pontal arenoso de Ponta dos Mangues. XLIII Congresso Brasileiro de Geologia, 1-5.

IH-CANTÁBRIA. 2013. Ondas: Documento Temáti­co. Ministério do Meio Ambiente- MMA / Instituto de Hidráulica Ambiental da Cantábria, Brasília, 155p.

JESUS M.H.O., OLIVEIRA A.C.C.A. 2017. Análise do padrão de uso e ocupação da zona costeira de Conde/BA. XVII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, I Congresso Nacional de Geografia Física, 2928- 2933.

KOMAR P.D. 1998. Beach processes and sedimentation. Prentice Hall, New Jersey, 544p.

KOMAR P.D. 2000. Coastal erosion – Underlying factors and human impacts. Shore & Beach, 68:1:3-36.

LINS-DE-BARROS F.M. 2010. Contribuição metodológica para análise local da vulnerabilidade costeira e riscos associados: estudo de caso da Região dos Lagos, Rio de Janeiro. Tese de Doutorado. Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 297p.

LIVRAMENTO F.C. 2008. Padrões de dispersão de sedimentos ao longo do litoral norte do Estado da Bahia: Subsídios para o gerenciamento costeiro. Monografia de graduação, Curso de Geologia, Instituto de Geociências, 51p.

MARTIN L., BITTENCOURT A.C.S.P., VILAS BOAS G.S., FLEXOR J.M. 1980. Mapa Geológico do Quaternário Costeiro do Estado da Bahia, escala 1:250.000. Secretaria de Minas e Energia/Coordenação da Produção Mineral, Salvador, 58p.

MIHÁLY P., ANGULO R.J. 2002. Dinâmica da desembocadura do corpo lagunar do Ararapira. Revista Brasileira de Geociências, 32:2:217-222.

MORALES J.A., BORREGO J., JIMÉNEZ I., MONTERDE J., GIL N. 2001. Morphostratigaphy of an ebb-tidal delta system associated with a large spit in the Piedras Estuary mouth (Huelva Coast, Southwestern Spain). Marine Geology, 172: 225-241.

MUEHE D. 2004. Projeto orla: subsídios para um projeto de gestão. Ministério do Meio Ambiente, Brasília, 101p.

MUNK W.H., TRAYLOR M.A. 1947. Refraction of ocean waves: “A process linking underwater topography to beach erosion”. The Journal of Geology, LV:1:1-42.

OLIVEIRA M.B. 2003. Caracterização integrada da linha de costa do Estado de Sergipe - Brasil. Dissertação de Mestrado. Pós-Graduação em Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal da Bahia, 355-371.

PEREIRA C., COELHO C. 2013. Mapas de risco das zonas costeiras por efeito da ação energética do mar. Journal of Integrated Coastal Zone Management, 13:1:27-43.

PIANCA C., MAZZINI P.L., SIEGLE E. 2010. Brazillian offshore wave climate based on NNM3 Reanalyses. Brazilian Journal of Oceanography, 58:1:53-70.

PRANZINI E., WETZEL L., WILLIAMS A.T. 2015. Aspects of coastal erosion and protection in Europe. Journal of Coastal Conservation, 19:445-459.

RIBEIRO W.C. 2008. Impactos das mudanças climáticas em cidades no Brasil. Parcerias Estratégicas, 27:297-231.

RODRIGUES T.K. 2014. Impacto das Mudanças Climáticas na Zona Costeira do Município de Aracaju-SE: Estudo de Caso Utilizando o SMC (Sistema de Modelagem Costeira). Tese de Doutorado. Pós-Graduação em Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal da Bahia, 221p.

RODRÍGUEZ M.G., NICOLODI J.L., GUTIÉRREZ O.Q., LOSADA V.C., HERMOSA A.E. 2016. Brazilian coastal processes: Wind, wave climate and sea level. In: SHORT A.D., KLEIN A.H.F. (eds) Brazilian beach systems. Springer International Publishing, Switzerland, 37-66p.

ROSSETTI D., BEZERRA F.H.R., DOMINGUEZ J.M.L. 2013. Late Oligocene–Miocene transgressions along the equatorial and eastern margins of Brazil. Earth-Science Reviews, 123: 87-112.

SANCHEZ-ARCILLA A., JIMENEZ J. A., VALDEMORO H.I. 1998. The Ebro delta: morphodynamics and vulnerability. Journal Coastal Research, 14:3:754–772.

SANTANA A.V.A., DOMINGUEZ J.M.L. 2003. Morfodinâmica praial, tendências de erosão da linha de costa e riscos para banhistas no município de Conde (BA). II Congresso sobre Planejamento e Gestão das Zonas Costeiras dos Países de Expressão Portuguesa, IX Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário, II Congresso do Quaternário dos Países de Línguas Ibéricas, 1-4.

SILVA I.R., BITTENCOURT A.C.S.P., DOMINGUEZ J.M.L., SILVA S.B.M. 2007. Potencial de danos econômicos face à erosão costeira, relativo às praias da Costa do Descobrimento – Litoral sul do Estado da Bahia. Pesquisas em Geociências, 34:1:35-44.

SILVA I.R., GUIMARÃES J.K., BITTENCOURT A.C.S.P., RODRIGUES T.K., FERNANDINO G.A.N. 2016. Modelagens de clima de ondas e transporte sedimentar utilizando o SMC-BRASIL: aplicações para a praia do Forte, litoral norte do Estado da Bahia. Revista Brasileira de Geomorfologia, 17:4.

SILVA I.R., GUIMARÃES J.K., BITTENCOURT A.C.S.P., RODRIGUES T.K., FERNANDINO G.A.N. 2017. Avaliação da dinâmica litorânea da região de Baixio/Barra do Itariri, litoral norte do Estado da Bahia, utilizando o Sistema de Modelagem Costeira (SMC-Brasil). Pesquisas em Geociências, 44:2:221-234.

SILVA R., MARTÍNEZ M.L., HESP P.A., CATALAN P., OSORIO A.F., MARTELL R., FOSSATTI M., SILVA G.M.S., MARIÑO-TAPIA I., PEREIRA P., CIENGUEGOS R., KLEIN A., GOVAERE G. 2014. Present and future challenges of coastal erosion in Latin America. Journal of Coastal Research, SI:71:1-16.

SOUZA C.R.G., HIRUMA S.T., SALLUN A.E.M., RIBEIRO R.R., SOBRINHO J.M.A. 2008. “Restinga”: conceitos e empregos do termo no Brasil e implicações na legislação ambiental. Instituto Geológico, São Paulo, 103p.

SUGUIO K., MARTIN L., BITTENCOURT A.C.S.P., DOMINGUEZ J.M.L., FLEXOR J., AZEVEDO A.E.G. 1985. Flutuações do nível relativo do mar durante o Quaternário Superior ao longo do litoral brasileiro e suas implicações na sedimentação costeira. Revista Brasileira de Geociências, 15:4:273-286.

TESSLER M.G., MAHIQUES M.M. 1993. Utilization of coastal geomorfic features as indicators of longshore transport: Examples of the southern coastal region of the State of São Paulo, Brasil. Journal of Coastal Research, 9:3:823-830.

VASCONCELOS M.M.N., BRITO F.E.M., AMORIM J., REITERMAJER D., VASCONCELLOS L.J.N.S. 2003. Diagnóstico sócio-econômico e ambiental do Conde. Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado da Bahia/CRA, Salvador, 221p.

WRIGHT L.D. 1977. Sediment transport and deposition at river mouths: A Synthesis, Geological Society of America Bulletin, 88:857–868.

ZENKOVICH V.P. 1971. A theory of development of accumulation forms in the coastal zone. In: SKERS J.A. (ed.) Introduction to coastline development. Macmillan, 94-116p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v14i1.73254