Pós-praia não deve ser traduzido como backshore – uma revisão da terminologia brasileira do sistema praia – antepraia

Dieter Muehe

Resumo


Grande parte das denominações de feições morfológicas costeiras tem, no Brasil, sua origem nos termos usados em inglês e francês. No caso mais específico das praias e sua extensão submarina em direção à plataforma continental interna, há inadequações como a tradução de backshore, do inglês, para pós-praia em português. Já no segmento submarino, na definição e subdivisão da shoreface, há discordâncias em relação à sua subdivisão e abrangência. Em vista das inadequações e subdivisões conflitantes, é proposta a substituição da denominação pós-praia por praia, propriamente dita, e a subdivisão da antepraia, correspondente à shoreface em língua inglesa, em dois segmentos caracterizados pela sua declividade e intensidade dos processos morfodinâmicos em antepraia superior e antepraia inferior.


Palavras-chave


Praia; antepraia; terminologia

Texto completo:

PDF

Referências


Belligotti F.M., Muehe D. 2012. Levantamento do perfil da antepraia (shoreface) com uso de ecobatímetro portátil e caiaque. Revista de Gestão Costeira Integrada, 12(2):257-262. DOI:10.5894/rgci328

Bigarella J.J., Marques Filho P.L., Salamuni R., Viana R. 1966. Contribuição ao estudo dos sedimentos praiais recentes. III. Características texturais das praias e terraços da região litorânea paulista. Boletim da Universidade Federal do Paraná, Geografia Física, 7:1-34.

Calliari L.J., Muehe D., Hoefel F., Toldo E.E. 2002. Morfodinâmica praial: uma breve revisão. Revista Brasileira de Oceanografia, São Paulo, 50(1/2):63-78 http://dx.doi.org/10.1590/S1413-77392003000100007

Cowell P.J., Hanslow D.J., Meleo J.F. 1999. The shoreface. In: Short A.D. (ed.) Handbook of beach and shoreface morphodynamics. John Wiley & sons, Ld., 39-71.

Dubois R.N. 2001. Using a quadratic model to theorethically describe the nature of equilibrium shorerise profiles. Journal of Coastal Research, 17(3):599-610.

Gruber N.L.S., Nicolodi J.L. 1998. Limites externos da antepraia (shoreface) da Plataforma Continental de Tramandaí, RS. In: II Simpósio Nacional de Geomorfologia, UFSC, Florianópolis. Geosul, Edição Especial, p.235-238.

Hallermeier R.J. 1981. A profile zonation for seasonal sand beaches from wave climate. Coastal Engineering, 4:253-277.

Komar P.D., Miller M.C. 1973. The threshold of sediment movement under oscillatory water waves. Journal of Sedimentary Petrology, 43:1101-1110.

Machado G.M.V. 2010. Análise morfossedimentar da praia, antepraia e plataforma continental interna da linha de costa do Parque Nacional de Jurubatiba - Rio de Janeiro. Quaternary and Environmental Geosciences, 2(1):01-17. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v2i1-2.13816

Muehe D. 1965. Geomorfologia Costeira. In: Guerra A.J.T., Cunha S.B. da. (Org.). Geomorfologia - uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil S.A., p. 253-308.

Shepard F.P. 1963. Submarine Geology. Harper & Row (edit.). 557p.

Stive M.J.F., De Vriend H. 1995. Modelling shoreface profile evolution. Marine Geology, 126:235-248.

Suguio K. 1992. Dicionário de geologia marinha com termos correspondentes em inglês, francês e espanhol. T.A. Queiroz Editor Ltda., São Paulo, 171 p.

Swift D.J.P. 1976. Coastal sedimentation. In: Stanley D.J., Swift D.J.P. Marine sediment transport and environmental management, John Wiley & Sons, p.255-310.

Tessler M.G., Mahiques M.M. 2000. Por uma terminologia para o ambiente praial. In: Anais do Simpósio brasileiro sobre praias arenosas. Morfodinâmica, ecologia usos riscos e gestão. Itajaí, p.68-69




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v10i1.69217

Quaternary Environmental Geosciences