Análise da taxa de variação da linha de costa da Enseada de Tijucas (SC) em diferentes escalas temporais como indicadora de suscetibilidade costeira

Elaine Cristina Santos, Jarbas Bonetti

Resumo


A Enseada de Tijucas, localizada no interior da baía homônima, pode ser considerada um ambiente costeiro semiabrigado em relação à incidência direta de ondas. Entretanto, encontra-se suscetível a eventos de inundação costeira associados à ocorrência de maré meteorológica. Dentre os descritores que podem ser avaliados para melhor identificar áreas suscetíveis a estes eventos destaca-se a análise da taxa de variação da posição da linha de costa através de aerofotografias/imagens de satélite. A rotina Digital Shoreline Analysis System possibilita esta análise a partir da vetorização das linhas de costa de datas distintas e foi escolhida para auxiliar na investigação sobre os eventos de inundação costeira na área de estudo. Foram utilizadas aerofotografias de 1938, 1957, 1978 e 2010, e as imagens de satélite de 2005, 2009, 2011, 2014 e 2015, tendo-se efetuado processamentos independentes para estas duas séries. A análise das aerofotografias resultou na identificação de um processo de avanço da linha de costa, com taxa média de +1,62m/ano. Nas imagens de satélite as variações na posição da linha de costa foram menores, com taxa média de +0,04m/ano. A realização das duas análises em escalas temporais distintas permitiu identificar padrões de deslocamento diferenciados para uma mesma linha de costa. As modificações foram expressivas na escala interdecadal coberta pelas aerofotografias, sugerindo a existência de uma tendência de avanço da linha de costa de longo prazo. Nos 10 anos de análise das imagens de satélite as modificações foram mais sutis, com variações irregulares, ressaltando padrões de alta frequência possivelmente associados a eventos específicos.

Palavras-chave


inundação costeira; DSAS; análise espacial

Texto completo:

PDF

Referências


Absalonsen L., Dean R. G. 2011. Characteristics of the shoreline change along Florida sandy beaches with an example for Palm Beach County. Journal of Coastal Research, 27(6A), 16-26.

Almeida D. C. 2008. Diagnóstico da distribuição de sedimentos finos e processos físicos associados na Baía de Tijucas. Dissertação de Mestrado. Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental, Centro de Ciências Tecnológicas, da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, 85p.

Araujo R. S., Silva G. V., Freitas D., Klein A. H. F. 2008. Georreferenciamento de fotografias aéreas e análise da variação de linha de costa. In: Alcántara-Carrio J., Correa I. D., Isla F., Alvarado M., Klein A. H. F., Cabrera J. A. (eds) Metodologias en Teledetección Aplicada a la Prevención de Amenazas Naturales en el Litoral, Valencia, 237-253p.

Barentin L. 2016. Risco de ressaca persiste neste domingo. Disponível em: http://jornalrazao.com/materia/risco-de-ressaca-persisteneste-domingo-1435. Acessado em novembro 2016.

Bonetti J., Rudorff F. M., Campos A. V., Serafim M. B. 2018. Geoindicator-based assessment of Santa Catarina (Brazil) sandy beaches susceptibility to erosion. SI: Management Strategies for Coastal Erosion Problems. Ocean & Coastal Management, 156:198-208.

Crowell M., Leatherman S. P., Buckley M. K. 1993. Shoreline change rate analysis: long term versus short term data. Shore and Beach, 61(2):13-20.

Esteves L. S., Williams J. J., Dillenburg S. R. 2006. Seasonal and interannual influences on the patterns of shoreline changes in Rio Grande do Sul, Southern Brazil. Journal of Coastal Research, 22(5), 1076-1093.

Ford M. 2013. Shoreline changes interpreted from multi-temporal aerial photographs and high resolution satellite images: Wotje Atoll, Marshall Islands. Remote Sensingof Environment, 135:130-140.

Jenks G. F., Caspall F. C. 1971. Error on choroplethic maps: definition, measurement, reduction. Annals of the Association of American Geographers, 61(2):217-244.

Kermani S., Boutiba M., Guendouz M., Guettouche M. S, Khelfani D. 2016. Detection and analysis of shoreline changes using geospatial tools andautomatic computation: Case of Jijelian sandy coast (East Algeria). Ocean & Coastal Management, 132:46-58.

Klein A. H. F., Menezes J. T. 2001. Beach morphodynamics and profile sequencefor a Headland Bay coast. Journal of Coastal Research, 17(4), 812-835.

Klein A. H. F., Short A. D., Bonetti J. 2016. Santa Catarina beach systems. In: Short A. D., Klein A. H. F. (eds) Brazilian Beach Systems. Chapter 17. Coastal Research Library 17. Springer, Switzerland, 465-506p.

Kraus N., Rosati J. 1997. Interpretation of shoreline-position data for coast al engineering analysis. Coastal Engineering Technical Note. CETN II-39, U.S. Army Engineer Waterways Experimental Station, 13p.

Lins de Barros F. L., Muehe D. 2010. Avaliação local da vulnerabilidade e riscos de inundação na zona costeira da Região dos Lagos, Rio de Janeiro. Quaternary and Environmental Geosciences, 02(1):55-66.

Mazzer A. M., Dillenburg S. 2009. Variações temporais dalinha de costa em praiasarenosas dominadas por ondas do sudeste da Ilha de Santa Catarina (Florianópolis, SC, Brasil). Pesquisas em Geociências, 36(1):117-135.

Muehe D. 1995. Geomorfologia Costeira. In: Guerra A. J. T., Cunha S. B. da (eds) Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 253-303p.

Muehe D., Klumb-Oliveira L. 2014. Deslocamento da linha de costa versus mobilidade praial. Quaternary and Environmental Geosciences, 5(2):121-124.

Muler M. 2012. Avaliação da vulnerabilidade de praias da Ilha de Santa Catarina a perigos costeiros através da aplicação de um índice multicritério. Dissertação de Mestrado. Pós-Graduação em Geografia, Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Catarina, 213p.

Rudorff F. M., Bonetti J., Moreno D. A., Oliveira C. A. F, Murara P. G. 2014. Maré De Tempestade. In: Herrmann M. L. P. Atlas de desastres naturais do Estado de Santa Catarina: período de 1980 a 2010. IHGSC/Cadernos Geográficos, Florianópolis, 151-154p.

Santos E. C. 2018. Análise da suscetibilidade e da vulnerabilidade costeira de um sistema semiabrigado a eventos extremos: Enseada de Tijucas - Santa Catarina. Dissertação de Mestrado. Pós-Graduação em Geografia, Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Catarina, 100p.

Silva G. V., Muler, M., Prado, M. F. V., Short, A., Klein, A. H. F., Toldo Jr., E. 2016. Shoreline change analysis and insight into the sediment transport path along Santa Catarina Island north shore, Brazil. Journal of Coastal Research, 32(4):863-874.

Souza C. E. 2016. Praia invade casas no bairro da Praça. Disponível em: http://www.daquitijucas.com.br/noticias/613-praia-invadecasas-no-bairro-da-praca. Acessado em novembro 2016.

Thieler E. R., Himmelstoss E. A., Zichichi J. L., Ergul A. 2009. Digital Shoreline Analysis System (DSAS) version 4.0 – An ArcGIS extension for calculating shoreline change: U.S. Geological Survey Open-File Report, 2008-1278.

Trucollo E. C. 1998. Maré meteorológica e forçantes atmosféricas locais em São Francisco do Sul - SC. Dissertação de Mestrado. Pós-Graduação em Engenharia Ambiental, Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, 100p.

UNDP - United Nations Development Programme. 2004. Reducing Disaster Risk: A Challenge for Development. John S. Swift, New York.

Virdis S. G. P., Oggiano G., Disperati, L. 2012. A geomatics approach to multitemporal shoreline analysisin Western Mediterranean: the case of Platamona-Maritza Beach (Northwest Sardinia, Italy). Journal of Coastal Research, 28(3):624-640.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v9i2.53650

Quaternary Environmental Geosciences