Análise evolutiva e caracterização dos depósitos tecnogênicos associados ao bairro Coroa do Meio, Aracaju/SE

Luana Santos Oliveira Mota, Rosemeri Melo e Souza

Resumo


 

O presente trabalho tem por escopo a identificação e classificação de depósitos tecnogênicos presentes no bairro Coroa do Meio, Aracaju/SE, na margem direita da desembocadura do rio Sergipe. A pesquisa foi conduzida em três etapas: análise da evolução da desembocadura fluvial em longo e médio prazos e identificação dos depósitos tecnogênicos a partir de execução de sondagens simples e reconhecimento de solo a trado em quatro pontos (T2 e T4 – primeiro aterro e T1 e T3 – segundo aterro). A análise da evolução da desembocadura apontou que o surgimento do bairro esteve associado à migração e à anexação de bancos arenosos à costa entre os anos de 1823 e 1914. Na década de 1980 deu-se início ao aterramento da área, ocorrido em duas fases. Nos testemunhos 1 (125 cm de profundidade) e 2 (100 cm de profundidade) identificou-se a presença de areia fina siltosa e pouco siltosa alternando entre as camadas, sem a presença de artefatos de origem humana. Estes depósitos, que compõem a primeira fase do aterro, foram derivados do processo de remobilização de sedimentos da planície de maré e mesmo não apresentando artefatos antrópicos, foram classificados como depósitos tecnogênicos em função da sua gênese ser resultante da influência humana direta. Já nos testemunhos 1 e 3 (135 cm de profundidade) identificou-se que a primeira camada é formada basicamente por argila siltosa e pedregulhos, enquanto as restantes apresentam alternância entre camadas de areia fina e areia fina pouco siltosa. Na última camada foram identificados detritos de procedência humana originários de restos de construção. Conclui-se, a partir das características observadas, que o setor associado ao primeiro aterro é composto por materiais dragados, enquanto o segundo aterro é composto por materiais úrbicos.


Palavras-chave


dinâmica fluviomarinha; planície de maré; intervenção antropogênica

Texto completo:

PDF

Referências


EMBRAPA. 2009. Manual de Análises Químicas de Solos, Plantas e Fertilizantes. Embrapa Informação Tecnológica, Brasília. 627p.

EMURB – Empresa Municipal de Obras e Urbanização 1985. Relatório sobre a ação erosiva do mar na Coroa do meio.

EMURB – Empresa Municipal de Obras e Urbanização 2014. (Aracaju). Imagem de Satélite. Resolução 0,60cm, Aracaju.

FANNING D. J., FANNING M. C. B. 1989. Soil: morphology, genesis and classification. New York: John Wiley & Sons. 395p.

FITZGERALD, D. M.; KRAUS, N. C.; HANDS, E. B. 2000. Natural Mechanisms of Sediment Bypassing at Tidal Inlets. Report ERCD/CHL CHETN-IV-30, US Army Corps of Engineers.

HIDROSERVICE – Engenharia de Projetos LTDA. 1987. Relatórios do estudos de engenharia para proteção da praia da coroa do meio – Aracaju/SE.

IPH – Instituto de Pesquisas Hidráulicas. 1965. Projeto de estudos da natureza e em modelo reduzido para manutenção do canal de acesso através da Barra de Aracaju. Conselho de Desenvolvimento de Sergipe. Universidade do Rio Grande do Sul.

MACHADO, C. A. 2013. A Pesquisa de Depósitos Tecnogênicos no Brasil e No mundo. Revista Tocantinense de Geografia, 2:15-35.

OLIVEIRA, A. M. S. 1990. Depósitos tecnogênicos associados à erosão atual. In: Congresso Brasileiro de Geologia e Engenharia. 1:411-415.

PELOGGIA, A. U. G. 1997. Delineação e aprofundamento temático da geologia do tecnógeno do muncípio de São Paulo (As consequências geológicas da ação do homem sobre a natureza e as determinações geológicas da ação humana em suas particularidades referentes à precária ocupação urbana). Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

PELOGGIA, A. U. G.; OLIVEIRA, A. M. S.; OLIVEIRA, A. A.; SILVA, E. C. N.; NUNES, J. O. R. 2014. Technogenic geodiversity: a proposal on the classification of artificial ground. Quaternary and Environmental Geosciences, 05(1):28-40.

PLANAVE. 1992. Evolução das Praias de Atalaia Nova, Atalaia Velha e da Barra do rio Sergipe – Modelo Matemático. Rio de Janeiro: Relatório.

SEPLAG/SE – Secretária de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão de Sergipe 1971. (Aracaju). Foto aérea. Escala 1:18.000, Aracaju.

SEPLAG/SE – Secretária de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão de Sergipe 1978. (Aracaju). Foto aérea. Escala 1:18.000, Aracaju.

SEPLAG/SE – Secretária de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão de Sergipe 1986. (Aracaju). Foto aérea. Escala 1:25.000, Aracaju.

SEPLAG/SE – Secretária de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão de Sergipe 2003. (Aracaju). Imagem de Satélite. Resolução 0,60cm, Aracaju.

SEPLAG/SE – Secretária de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão de Sergipe 2004. (Aracaju). Ortofoto. Escala 1:10.000, Aracaju.

SPU - Secretária de Patrimônio da União (Aracaju). Ortofoto. Escala 1:8.000, Aracaju.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v9i2.53373

Quaternary Environmental Geosciences