Quantificação química em perfis de antropossolos por fluorescência de raios-X com vistas a identificação de descontinuidades de camadas

Rafael Cardoso Teixeira, Pablo de Azevedo Rocha, André Luiz Lopes de Faria, Liovando Marciano da Costa, Elton Eduardo Novais Alves

Resumo


As ações antrópicas têm modificado as superfícies naturais, acarretando alterações na pedosfera. Em função dessas alterações, um novo tipo de material surge pela ação direta do agente antrópico, sendo denominados solos antrópicos ou antropossolos. Neste tipo de solo o homem é considerado o principal fator de formação, diferenciando-se dos solos de formação natural. A presente pesquisa avaliou as características químicas de quatro antropossolos da área costeira e periurbana do município de Guarapari-ES utilizando a avaliação semi-quantitativa de elementos químicos. Essa análise é baseada nos parâmetros fundamentais da técnica de fluorescência de raios X, através do espectrômetro de microfluorescência de raios X por energia dispersiva (μ-EDX 1300). Foram feitas pastilhas de solos (passadas em peneiras de 200 mesh de diâmetro de malha) preparadas com uma solução de polietilenoglicol (PEG 6000 - 100 g/L) para aglutinar as amostras. O equipamento foi calibrado com padrões metálicos e o método de análise foi desenvolvido utilizando amostras de referência de solo e rocha. Foram selecionados quatro Antropossolos para análise: dois Líxicos Áquicos Eutróficos, um Decapítico Parciálico Alumínico e um Sômico Camádico Eutrófico. Os elementos químicos analisados foram Ca, Mg, Na, K, Fe, S, Al, Si, Ti, P, Mn e Zr. O aspecto em evidência dos antropossolos analisados foi a descontinuidade química que ocorre principalmente pelos seguintes elementos: de CaO, MgO, Fe2O3, Al2O3 e SiO2, observada junto aos dados estatísticos. A descontinuidade química é mais pronunciada e possui maior variabilidade nos antropossolos camádicos e/ou sômicos analisados, pois são constituídos por camadas compostas por materiais heterogêneos e alóctones ao ambiente.


Palavras-chave


Solos Antrópicos; Ação Antrópica; Descontinuidade Química.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves E. E. N., Rocha, P. A., Siebeneichler E. A., Costa L. M., Vergütz L., Schaefer C. E. G. R. 2015a. Determinação da massa por área mínima de amostras de solo e vegetal para análise no μ-EDX. Anais do III Simpósio Mineiro de Ciência do Solo, Viçosa, 28-30p.

Alves E. E. N., Costa L. M., Rocha P. A., Bittencourt S. F. E., Faria A. L. L., Schaefer C. E. G. R. 2015b. Utilização do μ-EDX para determinação de elementos químicos marcadores de metamorfismo em saprolitos de contato. Anais do III Simpósio Mineiro de Ciência do Solo, Viçosa, 31-33p.

Barbosa I. C. C., Müller R. C. S., Alves C. N., Berrêdo J. F., Souza Filho P. W. M. 2015. Composição Química de Sedimento de Manguezal do Estuário Bragantino (PA) – Brasil. Revista Virtual de Química, 7 (4):1087-1101. Disponível em: http://rvq-sub.sbq.org.br/index.php/rvq/article/viewArticle/758. Acesso em 20 dezembro 2016.

Barreto Neto A. A., Marchesi A. F., Lorena R. 2011. Mapeamento espaço-temporal da expansão urbana da Região Metropolitana da Grande Vitória no período de 1991 a 2009, no estado do Espírito Santo. Anais do XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Curitiba, 714-721p. Disponível em: http://www.dsr.inpe.br/sbsr2011/files/p1330.pdf. Acesso em 11 Janeiro 2017.

Cursio G. R., Lima V. C., Giarola N. F. B. 2004. Antropossolos: Proposta de Ordem (1ª aproximação). Colombo, EMBRAPA Florestas, 49p.

Dagnino R. S. 2005. Antropossolo: A metamorfose do solo pela ação humana. Instituto de Geociências, UNICAMP. Disponível em: http://pt.slideshare.net/ricardosdag/antropossolo-presentation. Acesso em 10 fevereiro 2017.

Gomes T. C., Riffel E. S., Pittelkow G. C., Paul C. R. 2012. Caracterização e espacialização dos depósitos tecnogênicos no bairro Camobi: subsídio ao planejamento urbano do munícipio de Santa Maria-RS. Revista Geonorte, Edição Especial, V.2, N.4, 276–288p.

Google Earth Pro 7.3. 2019. Guarapari, ES. Coordenadas 20°40’26.78”S e 40°29’59.05”W. Elevação 0 m. Data de Visualização 10/06/2019. Data da Imagem: 13/07/2016.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - Cidades. 2017. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Disponível em: http://cidades.ibge.gov. br/xtras/perfil.php?codmun=320240. Acesso em 20 fevereiro 2017.

Ibraimo M. M., Schaefer C. E. G. R., Ker J. C., Lani, J. L., Rolim- Neto F. C., Albuquerque M. A. E Miranda, V. J. 2004. Gênese e micromorfologia de solos sob vegetação xeromórfica (caatinga) na Região dos Lagos (RJ). Revista Brasileira de Ciência do Solo, 28:695-712.

Kämpf N., Kern D. C. 2005. O solo como registro da ocupação humana Pré-Histórica na Amazônia. Tópicos em Ciências do Sol, Viçosa-MG, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, V.4, 277-320p.

Jenny H. 1941. Factors of Soil Formation: A System of Quantitative Pedology. McGraw-Hill, New York, 281p. Peloggia A. 1998. O Homem e o Ambiente Geológico – Geologia, Sociedade e Ocupação Urbana no Município de São Paulo. Ed. Xamã, São Paulo, 270p.

Rocha P. A. 2016. Solos do manguezal da Baía de Guarapari – ES: mineralogia e fósforo como indicador de contaminação por esgoto doméstico. Tese de Doutorado. Pós-Graduação em Solos e Nutrição de Plantas, Departamento de Solos, Universidade Federal de Viçosa, 90p.

Rogerson P. A. 2012. Métodos estatísticos para a geografia: um guia para o estudante. 7 ed. Bookman, Porto Alegre, 348p.

Santos R. D., Santos H. G., Ker, J. C., Anjos L. H. C., Shimizu, S. H. 2015. Manual de descrição e coleta de solo no campo. 7 ed. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, 102p.

Ter-Stepanian, G. 1988. The Beginning of Technogene. In: Bulletin of International Association of Enginnering Geology, Paris, 38:133-142.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v10i1.53087

Quaternary Environmental Geosciences