Ondas de Tempestade na Costa Norte Fluminense

Taís Almeida de Souza, Eduardo Bulhões, Isadora Borges da Silva Amorim

Resumo


O estudo do padrão de ondulações incidentes em uma determinada porção da linha de costa é fundamental para se entender como ocorrem os processos de erosão e transposição de ondas na zona costeira. O objetivo geral deste artigo é caracterizar o comportamento do clima de ondas que atinge o litoral Norte Fluminense, utilizando para isto informações de reanálise dos modelos de ondas oceânicas ao largo do litoral e simulações a partir de um modelo de propagação de ondas para águas rasas, com vistas à identificação de áreas relativamente mais ou menos expostas ao ataque de ondas de tempestade. Os resultados mostram que as ondulações de tempestades usualmente atacam o litoral provenientes de Su-Sudeste, Sul e Su-Sudoeste com médias de alturas significativas de 3,2 metros e máximas de 4 metros. A duração média dos eventos de tempestade é de 36 horas e ocorrem usualmente entre os meses de abril e setembro, promovendo a maior agitação oceânica vista nesta porção do litoral. A partir da simulação de oito eventos, representativos das principais combinações de ondas e ventos de tempestade, foi identificada a exposição relativa desta porção do litoral e a detectou-se a ocorrência bimodal das condições que geram impactos da linha de costa. A primeira está relacionada à ocorrência de ciclones migratórios e relacionada às condições de mau tempo, com ondas variando entre Sudoeste e Su Sudeste, não raro superiores a 3m na arrebentação. Esta expõe a linha de costa entre o município de Macaé e o sul do município de São João da Barra. O segundo padrão está relacionado à atuação mais forte de ventos e ondas do quadrante Leste-Sudeste e expõe a linha de costa entre São João da Barra e São Francisco do Itabapoana, com alturas máximas de ondas semelhantes. Neste sentido, detecta-se uma inversão das áreas expostas e protegidas das ondulações de tempestade em função desta bimodalidade do clima de ondas de tempestade

Palavras-chave


ondas de tempestade, norte fluminense, erosão costeira.

Texto completo:

PDF

Referências


Bastos A.C., Silva C.G. 2000. Caracterização Morfodinâmica do Litoral Norte Fluminense, RJ, Brasil. Revista Brasileira de Oceanografia. 48(1):41-60.

Bulhões E. 2011. Exposição de Praia, Clima de Ondas e Processos Físicos em Praias de Enseada. Estudo de Caso em Armação de Búzios, Rio de Janeiro. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geofísica Marinha, Universidade Federal Fluminense, 217p.

Bulhoes E., Fernandez G.B. 2011. Analysis of Shallow Water Wave Propagation and Coastal Response in Embayed Beaches, Case Study in Cape Buzios, Rio de Janeiro, Brazil. Journal of Coastal Research. SI 64:2022-2026.

Bulhões E., Fernandez G.B., Oliveira Filho S.R., Pereira T.G., Rocha T.B. 2014. Impactos Costeiros Induzidos por Ondas de Tempestade entre o Cabo Frio e o Cabo Búzios, Rio de Janeiro, Brasil. Quaternary and Environmental Geosciences. 05(02):155-165

Campos R.M. 2009. Análise dos extremos de onda no Rio de Janeiro associados. Dissertação de Mestrado. Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 269p.

Candella R.N. 1997. Estudo de casos de ondas no Atlântico Sul através de modelagem numérica. Agosto 1997. Dissertação de Mestrado. Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 93p.

DHI - Danish Hydraulic Institute 1995. MIKE 21 Nearshore Spectral Wind-Wave Module, Release 2.7, User Guide and Reference Manual. DHI Software, Denmark.

Dias G.T.M., Kjerfve B. 2009. Barrier and Beach Ridge Systems of the Rio de Janeiro Coast. In: Dillemburg S.R., Hesp P. (eds) Geology and Geomorphology of Holocene Coastal Barriers of Brazil. Springer. 225-252 p.

Fernandez G.B., Bulhões E., Rocha T.B. 2011. Impacts of Severe Storm Occurred in April 2010 along Rio de Janeiro Coast, Brazil. Journal of Coastal Research, SI64:1850-1854.

Grotzinger J., Jordan T.H. 2013. Para entender a Terra. 6. ed. Porto Alegre: Bookman.

Machado K.M. 2009. Dinâmica Sedimentar da Planície do Paraíba do Sul. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em Geologia e Geofísica Marinha, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 61p.

Mendonça F., Moresco I., Oliveira D. 2007. Climatologia noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos. 206p.

Muehe D. (org). 2006. Erosão e Progradação do Litoral Brasileiro. MMA, Brasília. 476 p.

Oliveira L.A.K., Silveira N.E.P., Leão R.R. 2015. Morfodinâmica Multitemporal em Praia Refletiva no Litoral Centro-Norte do RJ, Em Resposta ao Clima de Ondas Regional. Revista Brasileira de Geomorfologia. 16(1):20-36.

Parente C.E. 1999. Uma Nova Técnica Espectral para Análise Direcional de Ondas. Tese de Doutorado. Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 190 p.

Pianca C., Mazzini P L F., Siegle E. 2010. Brazilian Offshore Wave Climate Based on NWW3 Reanalysis. Brazilian Journal of Oceanography, 58(1):53-70.

Pinho U.F. 2003. Caracterização dos estados de mar na Bacia de Campos. Dissertação de Mestrado. Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 137 p.

Souza M.H.S. 1998. Clima de Ondas ao Norte do Estado do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado. Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 181 p.

Suguio K., Angulo R.J., Carvalho A.M., Corrêa I.C.S., Tomazelli L.J., Willwock J.A., Vital H. 2005. Paleoníveis do Mar e Paleolinhas de Costa. In: Souza C.R.G., Suguio K., Oliveira A.M.S., Oliveira P.E. (eds). Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto: Holos. 382p




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v6i2.41139

Quaternary Environmental Geosciences