Variação espaço-temporal das correntes de retorno em municípios da região metropolitana do Recife

João Carlos B.G. Maia, Pedro de Souza Pereira, Rosangela Paula Teixeira Lessa

Resumo


Correntes de retorno são correntes por onde água retorna e flui rapidamente de maneira perpendicular a praiana direção do mar. Ocorrem em diversos tipos de praia, e são uma das maiores ameaças naturais a banhistas que são carregados por elas para águas mais profundas em pouco tempo, podendo causar afogamentos. Este trabalho teve como objetivo realizar o mapeamento espaço-temporal das correntes de retorno encontradas nas praias dos municípios de Cabo de Santo Agostinho, Jaboatão dos Guararapes e Recife do estado de Pernambuco. Para isso foram realizadas análises quali-quantitativas através de imagens aéreas oblíquas, obtidas por meio de sobrevoo de helicóptero e imagens de satélite, que levaram em conta, entre outras coisas, a existência de aberturas nos recifes, atividade da zona de surfe, presença de embaiamento na praia e ocorrência de plumas de sedimento. No total foram encontradas 77 correntes de retorno e 08 Indicadores de Circulação Transversal (ICT). As análises demonstraram que o maior número de fenômenos oceanográficos encontrados foram corrente de retorno móvel, 53 no total, seguidas das correntes de retorno fixas e dos ICTs. O município que mais apresentou a existência de correntes de retorno foi Cabo de Santo Agostinho, para o qual foram contabilizadas 37 correntes de retorno. Logo depois vem o município de Recife e Jaboatão com números absolutos de 15 e 09, respectivamente. Esses dados demonstram uma presença marcante de tais perigos praiais para os banhistas que frequentam as praias do estado de Pernambuco.


Palavras-chave


correntes de retorno fixas; correntes de retorno móveis; recifes

Texto completo:

PDF

Referências


Aagaard T., Greenwood B., Nielsen J. 1997. Mean currents and sediment transport in a rip channel. Mar. Geol. vol.140:24-45.

Albuquerque M. da G., Calliari L.J., Pinheiro L. de S. 2010. Analysis of major risks associated with sea bathing at Futuro beach. Braz. J. Aquat. Sci. Technol., Fortaleza - Ceará. 14(1):1-8.

Araújo M.C. 2008. Praia da Boa Viagem, Recife-PE: análise sócio-ambiental e proposta de ordenamento. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Oceanografia. Centro de Tecnologia e Geociências, Universidade Federal de Pernambuco, 279p.

Assis H.M. 1999. Cartografia geomorfológica do Município do Cabo de Santo Agostinho/PE. Recife: CPRM/FIDEM. Série Cartas Temáticas, vol. 04. 32 p.

Assunção P.R.S., Anadir C. da C., Amaral C., Hortência M.B.A, Miranda J.L.F., Pfaltzgraff S.P.A. 1997. Atlas do meio físico do Município do Jaboatão dos Guararapes. Estado de Pernambuco. Recife: CPRM/FIDEM, 26p.

Aureliano J.T. 2000. Balneabilidade das praias de Pernambuco o núcleo metropolitano. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Gestão e Políticas Ambientais. Universidade Federal de Pernambuco, 120p.

Borba A.L. 1999. Estudos sedimentológicos, morfodinâmicos e da vulnerabilidade das praias da Piedade, Candeias e Barra de Jangada - Município de Jaboatão dos Guararapes-PE. 1999. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Geociências. Centro de Tecnologia e Geociência, Universidade Federal de Pernambuco, 146p.

Bowman D., Arad D., Rosen D.S., Kit E., Golbery R., Slavicz A. 1988a. Flow characteristics along the rip current system under low-energy conditions. Mar. Geol. 82: 149-167.

Calliari L.J., Toldo Jr. E., Hoefel F. 2003. Morfodinâmica praial: uma breve revisão. Rev. Bras. de Oceanogr., 51: 63 - 78.

Dalrymple R.A., Macmahan J.H., Reniers J.H.M., Nelko V. 2011. Rip Currents. In: Davies S.H., Moin P. (Org.). Annual Review of Fluid Mechanics. Califórnia: Annual Reviews, 551-581.

Holman R.A., Symonds G., Thornton E.B., Ranasinghe R. 2006. Rip spacing on an embayed beach. J. Geophys. Res., 111:17.

Lira L., Hazin F.H., Wor C., Junior H.A. 2010. Estudo de correntes marinhas por meio do lançamento de cartões de deriva no litoral do estado de Pernambuco, Brasil. Arquivos de ciências do mar, Fortaleza, 43(1):30-37.

Macmahan J.H., Thornton E.B., Reniers A.J. 2006. Rip current review. In: Stive M.J. (Org.). Coastal Hydrodynamics and Morphodynamics: Symposium Celebrating the Academic Closing Address of Jurjen A. Battjes. Elsevier. 53(2-3):191-208.

Manso V.V., Coutinho P.N., Guerra N.C., Junior C.F. 2006. Erosão e progradação no litoral brasileiro - Pernambuco. In: Muehe D. (Org.). Erosão e pragradação no litoral brasileiro. Brasília: MMA. 180-196p.

Masselink G., Short A.D. 1993. The effect of tide range on beach morphodynamics and morphology: a conceptual beach model. J. Coast. Res., 9(3): 785 - 800.

Mocellin O. 2006. Determinação do nível de risco público ao banho de mar das praias arenosas do litoral centro norte de Santa Catarina. Dissertação de mestrado. Pós-graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental. Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí. 162p.

Munk W.H. 1949a. Surf beats. Trans. Am. Geophys. Union. 30:849-854.

Munk W.H., 1949b. The solitary wave theory and application to surf problems. Ann. N. Y. Acad. Sci. 51 (3), 376– 424.

Murray T., Nick C., Rodger T. 2013. Video-imaging of trasient rip currents on the Gold Coast open beaches. In: Conley D.C., Masselink G., Russel P.E., O'Hare T.J. (eds.), Proceedings 12th International Coastal Symposium. Plymouth: Journal of Coastal Research. 65:1809-1814.

Pereira P.S., Calliari L.J., Lélis R.J., Figueiredo S.A. 2003. Riscos associados ao banho de mar e sua relação com a heterogeneidade morfodinâmica das praias do Rio Grande do Sul. In: IX Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário. Recife. 49-61p.

Sasaki T., Horikawa K. 1978. Observation of nearshore current and edge waves. Coastal Engineering. Am. Soc. of Civ. Eng, Reston, Va. 791-809.

Shepard F.P. 1936. Undertow, rip tide, or "rip current". Science. New York City, 84(2173):181-182.

Shepard F.P., Emery K.O., La Fond E.C. 1941. Rip currents: a process of geological importance. J. Geol. 49:337-369.

Shepard F.P., Inman D.L. 1950. Nearshore water circulation related to bottom topography and refraction. Trans. Am. Geophys. Union, 31:196-212.

Short A.D. 1985. Rip-current type, spacing and persistence, Narrabeen Beach, Australia. Marine Geology, Amsterdam, 65:47-71.

Short A.D., Brander R.W. 1999. Regional variations in rip density. J. Coast. Res., 15(3):813-822.

Szpilman D. 2012. Afogamento- Perfil epidemiológico no Brasil. Publicado on-line em www.sobrasa.org, julho de 2012. Brasil.

Tavares I.A., Pereira P.S., Araújo T.C.M., Barcelos R.L. 2013. Variabiliade morfodinâmica da praia do Paiva (Pernambuco, Brasil). In: XIV Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário, Natal.

Tavares I.A., Pereira P.S., Araújo T.C.M., Barcelos R.L. 2013. Variabiliade morfodinâmica de uma praia abrigada por recife: estudo de caso da praia de Piedade (Pernambuco, Brasil). In: XIV Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário, Natal.

Trujillo A.P., Thurman H.V. 2011. Essentials of oceanography.10th ed. Estados Unidos: Prentice Hall. 551p.

Wright L.D., Short A.D.. 1984. Morphodynamics variability of surf zones and beaches: a synthesis. Mar Geol., 56: 93 - 118




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v5i2.36775

Quaternary Environmental Geosciences