Impactos costeiros induzidos por ondas de tempestade entre o Cabo Frio e o Cabo Búzios, Rio de Janeiro, Brasil

Eduardo Manuel Rosa Bulhões, Guilherme Borges Fernandez, Silvio Roberto de Oliveira Filho, Thiago Gonçalves Pereira, Thaís Baptista da Rocha

Resumo


O campo de ondas em águas profundas é notável por sua variabilidade e dita a energia de ondas que vai ser direcionada para a costa. Os impactos morfológicos nos ambientes costeiros dependem da magnitude das forçantes meteorológicas e oceanográficas e da capacidade das praias de absorverem esta energia. Na análise entre o Cabo Frio e o Cabo Búzios, foram consideradas as características texturais da plataforma continental interna a partir da análise de 394 amostras, a variabilidade volumétrica de 438 levantamentos ao longo de 17 perfis de praia e as características de 69 tempestades entre 2003 e 2013. Os resultados apontaram que a sedimentação na zona submarina proximal reflete, através do parâmetro diâmetro médio dos grãos, as áreas com maior ou menor energia de ondas. Os resultados apontaram também a ocorrência de uma “temporada de ondas de tempestade” - principal elemento associado à erosão do estoque subaéreo das praias - entre abril e setembro, e que um período com ausência dessas ondas tende a ocorrer recuperação. Os diferentes segmentos de praia analisados mostraram maior ou menor magnitude desses efeitos, em função basicamente da orientação e exposição relativa de cada segmento de praia. Tempestades isoladas com maior magnitude tendem a promover erosão severa, sobretudo se ocorrerem no início da “temporada de ondas de tempestade”.

Palavras-chave


Ondas de Tempestade; Perfis de Praia; Sedimentos Costeiros; Cabo Búzios; Cabo Frio

Texto completo:

PDF

Referências


Bulhões E. 2011. Exposição de Praias, Clima de Ondas e Processos Físicos em Praias de Enseada: Exemplos e Aplicações em Armação dos Búzios, Rio de Janeiro, Brasil. Tese de Doutorado. Programa de Pós Graduação em Geologia e Geofísica Marinha. Universidade Federal Fluminense. 230p.

Bulhões E., Fernandez G.B. 2011. Analysis of shallow water wave propagation and coastal response in embayed beaches. case study in Cape Buzios, Rio de Janeiro, Brazil. Journal of Coastal Research, SI 64: 2022-2026.

Bulhões E., Fernandez G.B., Rocha T.B. 2010. Efeitos morfológicos nas barreiras costeiras do litoral centro-norte do estado do Rio de Janeiro: resultados do evento de tempestade de abril de 2010. Revista de Geografia da UFPE. Edição Especial SINAGEO 2010. Volume 2: 15-29.

Bulhões E., Fernandez G.B., Rocha T.B. 2013. Morphodynamics of embayed beaches. Case study in Cape Buzios, Rio de Janeiro, Brazil. SI 65:1739-1744.

Davis Jr R.A. 1985. Coastal Sedimentary Environments. Springer Verlag. New York. 716 p.

Dolan R.E., Davis R.E. 1992. An intensity scale for Atlantic northeast storms. Journal of Coastal Research, 8:352-364.

Fernandez G.B., Bulhões E., Rocha T.B. 2011. Impacts of severe storm occurred in April 2010 along Rio de Janeiro coast, Brazil. Journal of Coastal Research, SI 64:1850-1854.

Guerra J.V., Schmitt R.S., Souza J.H.M., Skrepnek C.C., Bentes A.M.L. 2005. Sedimentologia das praias arenosas da região costeira situada entre o Cabo Frio e o Cabo Búzios. X Congresso da Associação Brasileira dos Estudos do Quaternário.

Hallermeier R.J. 1981. A Profile Zonation for Seasonal Sand Beaches from Wave Climate. Coastal Engineering, 4:253-277.

Innocentini V., Arantes F.O., Prado S.C.C. 2003. Modelo de Ondas Aplicado ao Caso 5-8 de Maio de 2001. Revista Brasileira de Meteorologia, 18 (01): 97-104.

Jackson D.W.T., Cooper J.A.G., Del Rio L. 2005. Geological control of beach morphodynamic state. Marine Geology, 216: 297-314.

Jacob J., Gama C., Salgado R., Liu J.T., Silva A. 2009. Shadowing effects on beach morphodynamics during storm events on Tróia-Sines embayed coast, southwest Portugal. Journal of Coastal Research, SI 56: 73-77.

Johnson D.W. 1919. Shore Processes and Shoreline Development. John Wiley & Sons, Inc. London, 584 p.

Komar P.D. 1976. Beach Processes and Sedimentation. Prentice Hall. New Jersey. 429 p.

Loureiro C., Ferreira Ó., Cooper J.A.G. 2009. Contrasting morphologic behaviour at embayed beaches in Southern Portugal. Journal of Coastal Research, 56:83-87.

Mahiques M.M., Tessler M.G., Furtado V.V. 1998. Characterization of energy gradient in enclosed bays of Ubatuba region, South-Eastern Brazil. Estuarine, Coastal and Shelf Science, 47:431-446.

Morton R.A., Sallenger A.H. 2003. Morphological impacts of extreme storm on sandy beaches and barriers. Journal of Coastal Research, 19 (3):560-573.

Muehe D., Belligotti F.M., Lins-de Barros F.M., Oliveira J.F., Maia L.F.P.G. 2010. Potential vulnerability to climate change of the beach-dune system of the Peró coastal plain – Cabo Frio, Rio de Janeiro state, Brazil. Pan American Journal of Aquatic Sciences. 5(2):267-276.

Oliveira Filho S.R. 2011. Morfodinâmica Associada entre Duna, Praia e Zona Submarina como Subsídio a Adequada Ocupação do Espaço Costeiro na Praia do Peró – RJ. Dissertação de Mestrado. Centro de Ciências e Tecnologia. Área: Análise Geoambiental e Ordenação de Territórios de Regiões Semiáridas e Litorâneas, Universidade Estadual do Ceará. 96p.

Parise C.K. 2010. Estudo da Variabilidade de Ondas no Oceano Atlântico Sul e a Contribuição Energética de um Ciclone Extratropical Intenso nos Espectros das Ondas ao Largo do Rio Grande do Sul. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em Geociências. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 65p.

Parise C.K., Calliari L.J., Krusche N. 2009. Extreme storm surges in the South of Brazil: Atmospheric conditions and shore erosion. Brazilian Journal of Oceanography, 57(3):175-188.

Pereira T.G. 2008. Geomorfologia e Morfodinâmica Costeira na Planície entre os Municípios de Cabo Frio e Arraial do Cabo, RJ. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geofísica Marinha. Universidade Federal Fluminense. 122 p.

Pereira T.G., Correa W.B., Rocha T.B., Fernandez G.B. 2008. Considerações sobre a morfodinâmica costeira e da morfologia submarina no arco de praia do Peró, litoral do Rio de Janeiro. VII Simpósio Nacional de Geomorfologia & I Encontro Latino-Americano de Geomorfologia.

Pereira T.G., Rocha T.B., Santos R.A., Fernandez G.B. 2007. Morfodinâmica entre a praia, duna e zona submarina adjacente nas proximidades do Cabo Frio, RJ. XI Congresso da Associação Brasileira dos Estudos do Quaternário.

Rangel-Buitrago N., Anfuso G. 2011. An application of Dolan and Davis (1992) classification to coastal storms in SW Spanish littoral. Journal of Coastal Research, SI 64:1891-1895.

Saavedra L (ver Filho). 1994. Dinâmica sedimentar na plataforma continental interna entre a Ilha do Cabo Frio e Cabo Búzios. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal do Rio de Janeiro. 125 p.

Sahu B.K. 1964. Depositional mechanisms from the size analysis of clastic sediments. Journal of Sedimentary Petrology, 34(1):73-83.

Sallenger A.H. 2000. Storm impact scale for barrier islands. Journal of Coastal Research, 16 (3):890–895.

Santiago I., Morichon D., Abadie S., Liria P., Epelde I. 2013. Effect of winter storms on a partly engineered embayed beach: The case of Zarautz beach (North of Spain). 2013. Coastal Dynamics 2013:487-498.

Satyamurty P., Mattos L.F. 1989. Climatological lower tropospheric frontogenesis in the midlatitudes due to horizontal deformation and divergence. Monthly Weather Review, 117:1355-1364.

Short A.D. 1999. Handbook of Beach and Shoreface Morphodynamics. John Wiley & Sons Ltd. New York. 379 p.

Tavares A.C.A., Bulhões E., Estrada A.F.D. 2010. Distribuição de fácies sedimentares e tendências de transporte de sedimentos na enseada de Manguinhos, Armação dos Búzios, RJ. Revista de Geografia-Recife, 27 (2):81-97

Wentworth C.A. 1922. Scale of grade and class terms for clastic sediments. Journal of Geology, 30:377-392.

You Z.J., Lord D. 2008. Influence of the El-Niño-Southern Oscillation on NSW coastal storm severity. Journal of Coastal Research. 24(2A):203-207.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v5i2.36460

Quaternary Environmental Geosciences