Deslocamento da linha de costa versus mobilidade praial

Dieter Muehe, Leonardo Klumb-Oliveira

Resumo


Nas estimativas da variação da linha de costa ao longo dos anos, assim como para análise da sua tendência erosiva ou progradacional atual são frequentemente utilizadas fotografias aéreas e imagens de satélite, nas quais é comum o uso da linha de contato entre a areia seca e molhada da praia como indicador do nível da preamar média. No entanto, dependendo do referencial utilizado, o resultado pode levar à interpretações equivocadas, destacadamente no que concerne à perspectiva da mobilidade da praia ou apenas a sua variabilidade morfodinâmica.

Palavras-chave


Linha de costa; mobilidade; mapeamento

Texto completo:

PDF

Referências


Angulo R.J. 1993. Variações na configuração da linha de costa do Paraná nas últimas quatro décadas. Boletim Paranaense de Geociências, Curitiba, 41:52-72.

Baptista P., Cunha T., Bernardes C., Gama C., Ferreira Ó., Dias A. 2011. A precise and eficient methodology to analyse the shoreline displacement rate. Journal of Costal Research, 27(2):223-232.

Carter R.W.G., Hesp P.A., Nordstrom K.F. 1990. Erosional landforms in coastal dunes. In: Nordstrom K.F., Psuty N.P., Carter R.W.G. (eds.), Coastal Dunes: Form and Process. New York: Wiley: 217–250.

Crowell M., Leatherman S.P., Buckley M.K. 1991. Historical shoreline change: error analysis and mapping accuracy. Journal of Coastal Research, 7(3):839-852.

Esteves L.S. 2006. Variabilidade espaço-temporal. In: Muehe D. (org.). Erosão e Progradação do Litoral Brasileiro. Brasília, Ministério do Meio-Ambiente (MMA), Governo Federal: 460-467.

Farias E.G.G., Maia L.P. 2010. Uso de técnicas de geoprocessamento para a análise da evolução da linha de costa em ambientes litorâneos do Estado do Ceará, Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada, 10(4):521-544

Leatherman S. 2003. Shoreline change mapping and management along the U.S. East Coast. Journal of Coastal Research, SI(38):5-3.

Marino M.T.R.D., Freire G.S.S. 2013. Análise da evolução da linha de costa entre as praias do Futuro e Porto das Dunas, região metropolitana de Fortaleza (RMF), Ceará State, Brazil, Revista da Gestão Costeira Integrada, 13(1):113-129.

Muehe D. 2011. Erosão costeira: Tendência ou eventos extremos? O litoral entre Rio de Janeiro e Cabo Frio, Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada, 11(3):315-325.

Muehe D., Roso R.H., Savi D.C. 2003. Avaliação de método expedito de determinação do nível do mar como datum vertical para amarração de perfis de praia. Revista Brasileira de Geomorfologia, 4(1):53-57.

Roso R.H. 2008. Terrenos de marinha. Monografia apresentada à Escola de Guerra Naval. Rio de Janeiro. 54p.

Speranski N.S., Calliari L.J. 2006. Padrões de refração de ondas para a costa do Rio Grande do Sul e sua relação com a erosão costeira. In: Muehe D. (org.). Erosão e Progradação do Litoral Brasileiro. Brasília, Ministério do Meio-Ambiente (MMA), Governo Federal:446-454.

Toldo Jr. E.E., Almeida L.E.S., Barros C., Martins L.R. 1999. Retreat of the Rio Grande do Sul coastal zone, Brazil. In: Martins L.R., Santana C.I. (org.). Non Living Resources of the Southern Brazilian Coastal Zone and Continental Margin, Porto Alegre, Brazil: Editora da UFRGS: 62-68




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v5i2.35884

Quaternary Environmental Geosciences