O registro geológico da atividade antropogênica na região do Valo Grande, Estado de São Paulo, Brasil

Diana Melo Italiani, Michel Michaelovitch Mahiques

Resumo


Após a abertura do canal artificial do Valo Grande, na primeira metade do século XIX, a região do Sistema Estuarino-Lagunar de Cananéia-Iguape, denominada Mar Pequeno, vem sendo influenciada por um intenso processo de assoreamento que mudou, numa curta escala de tempo, a morfologia e sedimentação do local, com a consequente formação de um delta intralagunar antropogênico. Essas evidências foram abordadas e analisadas neste trabalho por meio da elaboração de modelos digitais de terreno, realizados a partir de dados batimétricos obtidos em campo. Além disso, com a elaboração de mapas vetoriais realizados a partir da digitalização da linha de costa de imagens de satélite e mapas topográficos, foi possível fazer um estudo da mudança geomorfológica da linha de costa. O processo de erosão do Valo Grande foi demonstrado através de comparações das seções de perfis batimétricos efetivadas nos anos de 1891 e 1907 pela Comissão Geográfica e Geológica do Estado de São Paulo e dos perfis adquiridos em campo no ano de 2008, com a finalidade de obter a variação da largura e da profundidade do canal ao longo desses anos.


Palavras-chave


Sedimentação; Georreferenciamento; Delta; Valo Grande

Texto completo:

PDF

Referências


Alves D.P.V. 2009. O efeito da abertura do Valo Grande na sedimentação do Sistema Estuarino-Lagunar de Cananéia-Iguape. Monografia de bacharelado. Instituto Oceanográfico, Universidade de São Paulo, Brasil. 37p.

Araújo C.A.S. 2010. Aplicações de técnicas de sensoriamento remoto na análise multitemporal do ecossistema manguezal na Baixada Santista, SP. Dissertação de mestrado. Instituto Oceanográfico, Universidade de São Paulo, Brasil. 113p.

Bonetti Filho J., Conti L.A., Furtado V.V. 1996. Suspended sediment concentration variability and its relation to tidal currents in microtidal system. An. Acad. Bras de Ciên., 68(3):485-494.

Campos G. de. 1896. Canal de Iguape I, II, III, IV, V, VI. In: O Estado de São Paulo, 01, 03, 04, 06, 10 e 30/07/1896, respectivamente.

Commissão Geographica e Geologica do estado de S. Paulo. 1914. Exploração do Rio Ribeira de Iguape. 2a ed. São Paulo: Typographia Brazil de Rothschild. 34p.

Freitas R.C. 2005. Evolução recente das margens dos canais lagunares e topografia de fundo do sistema Cananéia-Iguape/SP. Dissertação de mestrado. Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo. 196p.

Geobrás S/A Engenharia e Fundações. 1966. Complexo Valo Grande, Mar Pequeno e Rio Ribeira de Iguape. Relatório. 2 vols., São Paulo, DAEE.

Galloway W.E. 1975. Processes framework for describing the morphologic and stratigraphic evolution of deltaic depositional systems. In: Deltas, Models for Exploration. p.87-98. Houston Ged. Soc. Houston TX.

Kjerfve B., Magill K.E. 1989 Geographic and hydrodynamic characteristics of shallow coastal lagoons. Mar.Gel., Amsterdam, v.88, p.187-199.

Saito R.T. 2002. Radionuclídios (Pb-210, Ra-226; Po-210 e Cs-137) no sistema costeiro Cananéia-Iguape: Estudos Ambientais. 163f. Tese de Doutorado- Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Silva C.G., Patchineelam S.M., Neto J.A.B., Ponzi V.R.A. 2004. Ambientes de sedimentação Costeira e Processos Morfodinâmicos Atuantes na Linha de Costa. In: Batista Neto J.A., Ponzi V.R.A., Sichel S.E. (Org). Introdução à Geologia Marinha. Rio de Janeiro. Interciência: 2004. p.175-218.

Teles A.P.S.S. 1997. A evolução geológica quaternária e a influência do Valo Grande na dinâmica sedimentar da área de Iguape, São Paulo. 178f. Dissertação de Mestrado - Instituto Oceanográfico, Universidade de São Paulo, São Paulo




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v5i2.34522

Quaternary Environmental Geosciences