ESTABILIDADE DE CANAIS FLUVIAIS EM TORNO DE PONTES E BUEIROS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO PARANÁ III, OESTE DO PARANÁ - EVALUATION OF THE CHANNEL STABILITY IN BRIDGES AND CULVERTS IN PARANÁ III WATERSHED, WESTERN PARANÁ STATE, BRAZIL

Leandro Neri Bortoluzzi, Oscar Vicente Quinonez Fernandez

Resumo


As obras de engenharia como pontes, pontilhões e bueiros acarretam mudanças nos processos fluviais que afetam o equilíbrio morfodinâmico e a estabilidade dos canais. O presente trabalho se propõe avaliar o nível de estabilidade dos canais fluviais em torno das citadas obras de engenharia na bacia hidrográfica do Paraná III situada na região Oeste do Estado do Paraná, adotando a metodologia da FHWA (2006). A área da bacia é de 7.979,4 km² e nela predominam rochas basálticas da Formação Serra Geral (Cretáceo) que integram o Terceiro Planalto Paranaense. O nível de estabilidade do canal foi analisado em torno de 46 estruturas (18 pontes, seis pontilhões, 15 bueiros celulares de concreto e sete bueiros tubulares de concreto), todas situadas em estradas federais, estaduais e municipais asfaltadas. Dentre os pontos analisados, 13 estruturas foram classificadas como de nível Excelente e 33 como de nível Bom. Em torno das pontes e pontilhões o número de canais com níveis Excelente e Bom foram iguais, enquanto que nos bueiros predominaram amplamente os níveis Bom, mostrando que as primeiras estruturas criaram menos impactos nos canais fluviais do que os bueiros. Não foi registrado nenhuma estrutura com estabilidade Regular ou Pobre. O predomínio de altos níveis de estabilidade é creditado ao afloramento do substrato basáltico no leito e a baixa erodibilidade dos solos das margens (Nitossolos e Neossolos) conferindo maior estabilidade ao canal.

ABSTRACT
The bridges and culverts alter the natural conditions of rivers, causing changes in fluvial processes. The level of stability of river banks and beds around crossing structures was evaluated in the Paraná III watershed, Western region of Paraná State (Brazil), adopting the methodology of FHWA (2006). A watershed has an area of 7,979.4 Km2 and it predominantly basaltic rocks of the Serra Geral Formation (Cretaceous) that make up the basalt plateau with altitudes ranging between 220 and 725 m. The degree of channel stability was analyzed at 46 structures (18 bridges, 15 culverts box, 7 culverts pipe and 6 small bridges). We selected all crossings structures located in the Paraná III watershed along paved roads, positioned outside the urban area. Among the crossings structure, 13 were classified as excellent level of stability and 33 as good level. It was not registered any points with regular or poor stability. The prevalence of high levels of stability is credited to the outcrop of basalt substrate in bed and the low erodibility of the banks soils (Oxisols and Ultisols) providing greater stability to the channel in the vicinity of the structures.


Palavras-chave


Dispositivo de transposição de talvegue; Enchente; Planalto basáltico; Erosão fluvial; Stream crossings structures, Flood; Basalt plateau, Fluvial erosion.

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


ANA (Agência Nacional de Águas) Projeto de gerenciamento integrado das atividades desenvolvidas em terra na Bacia do São Francisco: Estudo Técnico de Apoio ao PBHSF - Nº 10 Controle de Cheias, Brasília. 65 p. 2004.

BADE, M.R. Definição e Caracterização das Unidades de Paisagem das Bacias Hidrográficas do Paraná III (Brasil/Paraguai). Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Marechal Cândido Rondon, (PR). 2014. 114 p.

BALLER, L. Caracterização de perfis longitudinais nas bacias hidrográficas do Paraná III (Brasil) e Alto Paraná (Paraguai). Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Marechal Cândido Rondon, 2014, 78 p.

BASTOS, C.A.B. Estudo geotécnico sobre a erodibilidade de solos residuais não saturados. Tese. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Engenharia. Porto Alegre, 303 p. 1999.

BORTOLUZZI, L.N. Avaliação da estabilidade do canal fluvial em trechos adjacentes a pontes, pontilhões e bueiros na bacia hidrográfica do Paraná III - Oeste do Paraná. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Francisco Beltrão, 2012, 89 p.

DIAS, M.A.F.S. Eventos climáticos extremos. Revista USP, São Paulo, 103: 33-40. 2014.

DOLLAR, E.S.J.; ROWNTREE, K.M. Sediment sources, hydroclimatic trends and geomorphic response in a mountainous catchment, north eastern Cape, South Africa. South African Geographical Journal, 77(1): 21-32. 1995.

EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) Mapa de solos do estado do Paraná. Rio de Janeiro: Embrapa Solos. 75 p. 2007.

ESTEVES, C.J.O. Vulnerabilidade socioambiental na área de ocupação contínua do litoral do Paraná – Brasil. Revista Ra’e Ga, Curitiba, 34: 214-245. 2015.

EVANS, N.T.; RILEY, C.W.; LAMBERTI, G.A. Culvert replacement enhances connectivity of stream fish communities in a Michigan drainage network. Transactions of the American Fisheries Society, 144: 967-976. 2015.

FHWA (Federal Highway Administration) Assessing stream channel stability at bridges in physiographic regions. Report No FHWA-HRT-05-072, Federal Highway Administration, Washington, D.C. 157 p. 2006.

FORMAN, R.T.T.; SPERLING, D.; BISSONETE, J.A.; CLEVENGER, A.P.; CUTSHALL, C.D.; DALE, V.H. Road Ecology. Island Press. London. 481 p. 2003.

FRANCO-MAGALHÃES, A.O.B., HACKSPACHER, P.C., SAAD, A.R. Exumação tectônica e reativação de paleolineamentos no Arco de Ponta Grossa: termocronologia por traços de fissão em apatitas. Revista Brasileira de Geociências 40, 184-195, 2010.

FREI, C.M. Design of fish passage at bridges and culverts. Thesis. Washington State University. 208 p. 2006.

GARCÍA MOLINOS, J.; LLANOS, A.; MARTÍNEZ DE AZAGRA, A. 2005. Diseño de obras de paso compatibles con la migración de los peces. Ingeniería Civil, 139: 132-139. 2005.

GOMES, I. da S. Sistema construtivos de pontes e viadutos com ênfases em lançamentos de vigas com treliças lançadeiras. Universidade Anhembi Morumbi, 112 p. 2006.

IAPAR (Instituto Agronômico do Paraná) Cartas climáticas básicas do Estado do Paraná, Curitiba. 49 p. 1994.

JACKSON, S.D. Ecological considerations in the design of river and stream crossings. International Conference on Ecology and Transportation. North Carolina State University. 10 p. 2003.

JONES, J.A.; SWANSON, F.J.; WEMPLE, B.C.; SYNDER, K.U. Road effect on hydrology, geomorphology and disturbance patches in stream network. Conservation Biology, 14, 76-85. 2000.

KOGAN, F.; GUO, W. Strong 2015–2016 El Niño and implication to global ecosystems from space data. International Journal of Remote Sensing, 38 (1): 161-178. 2017.

LIMA, P.H.F.; DIAS, L.F. A importância da carta geotécnica no planejamento urbano-o caso de Nova Friburgo pós-desastre de 2011. In: Anais XV Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada. Vitória (ES). p. 556-563. 2013.

MAACK, R. Geografia Física do Paraná. 4a Ed., Ponta Grossa: Editora UEPG, 526 p., 2012.

MAGALHÃES, V.L.; CUNHA, J.E.; NÓBREGA, M.T. Indicadores de vulnerabilidade ambiental. Revista Brasileira de Geografia Física, 7 (6): 1133-1144. 2014.

MIRANDA, A. de A.; MACEDO, R.C.S.C Levantamento de dispositivos de transposição de talvegue com funcionamento comprometido: estudo de caso (alça viária). Unama (Universidade da Amazônia) – Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Curso de Engenharia Civil - Belém (PA). 94 p. 2010.

MONTGOMERY. D.R.; BUFFINGTON, J.M. Channel-reach morphology in mountain drainage basins. Geological Society of America Bulletin, 109: 596–611. 1997.

NARDY, A.J.R.; OLIVEIRA, M.A.F.; BETANCOURT, R.H.S.; VERDUGO, D.R.H.; MACHADO, F.B. Geologia e Estratigrafia da Formação Serra Geral. Geociências UNESP, 21, n.1/2: 15-32. 2002.

NOGAMI, J.S.; VILLIBOR, D.F. Erosão na faixa marginal (Cap. 7). In: Pavimentação de baixo custo em solos lateríticos. J.S. Nogami e D.F. Villibor (Eds.), São Paulo (SP). Ed. Villibor, p. 169-196. 1995.

ONTARIO MINISTRY OF NATURAL RESOURCES Environmental Guidelines for Roads and Water Crossings. Queen’s Printer for Ontario, Canada. 1988.

POMPÊO, C.S. Drenagem urbana sustentável. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 5 (1): 15-23. 2000.

ROCHA, A.S.; CUNHA, J.E.; MARTINS, V.M. Relações morfopedológicas nos setores de fundos de vale da bacia hidrográfica do córrego Guavirá, Marechal Cândido Rondon-PR. Boletim de Geografia, Maringá, 30 (2): 99-110. 2012.

SANTOS, L.J.C., OKA FIORI, C., CANALI, N.E., FIORI, A.P., SILVEIRA, C.T., SILVA, J., ROSS, J.L.S. Mapeamento geomorfológico do estado do Paraná. Revista Brasileira de Geomorfologia 7, 3-12, 2006.

SEMA (Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos) Bacias Hidrográficas do Paraná, uma Série Histórica. Curitiba: Governo do Estado do Paraná. 2013.

SIMON, A.; DOWNS, P.W. An interdisciplinary approach to evaluation of potential instability in alluvial channels. Geomorphology, 12: 215–232. 1995.

SODRÉ, G.R.C.; SOUZA FILHO, J.D.C. Estudo de caso: Análise sinótica de um evento extremo de precipitação no estado de Pernambuco entre os dias 17 a 19 de Junho de 2010. Revista Brasileira de Geografia Física, 6 (1): 66-78, 2013.

THORNE, C.R. Stream reconnaissance handbook: geomorphological investigation and analysis of river channels. John Wiley & Sons Ltd. Chichester, England. 1998.

THORNE, C.R.; ALLEN, R.G.; SIMON, A. Geomorphological river channel reconnaissance for river analysis, engineering and management. Transactions of the Institute of British Geographer, 21: 469-483. 1996.

TONELLO, K.C.; DIAS, H.C.T.; SOUZA, A.L.; RIBEIRO, C.A.A.; LEITE, F.P. Morfometria da bacia hidrográfica da Cachoeira das Pombas, Guanhães – MG. Revista Árvore, Viçosa-MG, 30 (5): 849-857. 2006.

TUCCI, C.E.M.; CLARKE, R.T. Impacto das mudanças da cobertura vegetal no escoamento: revisão. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 2 (1), 135-152. 1997.

WARREN Jr., M.L.; PARDEW, M.G. Road crossings as barriers to small-stream fish movement. Transactions of the American Fisheries Society, 127 (4): 637-644. 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v39i0.45026

Direitos autorais 2017 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009