DINÂMICA HIDROCLIMÁTICA DO PLANALTO DA IBIAPABA E SUA DEPRESSÃO PERIFÉRICA CIRCUNJACENTE: ESTUDO DE CASO NOS MUNICÍPIOS DE TIANGUÁ E UBAJARA- NOROESTE DO CEARÁ - HIDROCLIMATIC DINAMICS OF THE PLATEU IBIAPABA AND ITS PERIPHERAL SURROUDING DEPRESSION: A CASE STUDY IN THE MUNIPALITIES TIANGUÁ AND UBAJARA – NORHWEST OF CEARÁ

Francisco Leandro de Almeida Santos, Flavio Rodrigues do Nascimento

Resumo


O Planalto da Ibiapaba representa um compartimento geomorfológico do Nordeste brasileiro, na divisa dos Estados do Ceará e Piauí, exercendo influência sobre a variabilidade climática dos sertões ao entorno em razão da ocorrência de chuvas orográficas na área de disposição do relevo. Assim, o presente trabalho pretende avaliar a dinâmica hidroclimática da área através do cálculo estimado pelo balanço hídrico, demostrando a partir de parâmetros avaliados para os municípios de Tianguá e Ubajara, uma análise comparativa entre os níveis de cimeira do planalto e sua depressão periférica circunjacente. Após as discussões, os resultados apontaram as variáveis de temperatura, excedente e déficit hídrico, precipitação, evapotranspiração potencial e real e capacidade de armazenamento de água no solo. Esses parâmetros traduziram a configuração de características hidroclimáticas que remetem a existência de um sugestivo brejo de altitude no contexto das depressões sertanejas, justificando a dispersão fitogeográfica de um enclave de mata úmida em meio ao ambiente semiárido. Além disso, o mapeamento geomorfológico destacou os processos morfoclimáticos do Quaternário responsáveis pela evolução morfogenética do relevo regional. Assim, se fez possível mensurar a importância do Planalto da Ibiapaba como principal centro dispersor de drenagem do noroeste cearense dada à combinação da geomorfologia e do comportamento hidroclimático diferenciado numa ruptura topográfica que ultrapassa os 700 m no contato com a depressão periférica.

ABSTRACT

The Ibiapaba Plateu represents a geomorphological compartment of the Brazilian Northeast, on the border of the States of Ceará and Piauí. The topographic break that exceeds 700 m in contact with the peripheral depression, it exerting influence on climate variability of the hinterlands surrounding due to the orographic rainfall occurring in the area of provision of relief. Thus became possible to measure the importance of the Plateau Ibiapaba, main dispersal center in Ceará, northwest drainage given the combination of geomorphology and differentiated hydroclimatic. That research intends to analyze the hydroclimatic dynamics of the area through the estimated weather balance showing from the studied parameters for the cities of Tianguá and Ubajara, a comparative analysis between elevated levels of the plateau and its surrounding peripheral depression. After discussions, the results show the variables of temperature, precipitation, water deficit and surplus, potential actual evapotranspiration and water storage capacity in the soil. Those parameters have the hydroclimatic characteristics resembling suggestive humid area of altitude in the context of the depressions in the backwoods, justifying the fito-geographic dispersion of an enclave of moist forest in semi-arid environment.


Palavras-chave


Brejo de altitude; balanço hídrico; ambiente semiárido; Humid area of altitude, water balance, semiarid environment.

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


AB’ SABER, A. N. Um conceito de Geomorfologia a serviço das pesquisas sobre o Quaternário. Geomorfologia (IGEOG-USP), São Paulo, 18, p. 1-23. 1969.

AB’ SABER, A. N. O domínio morfoclimático semiárido das caatingas brasileiras. Geomorfologia. São Paulo: USP – Instituto de Geografia. (periódico) n. 20, v. 43, p. 1-37. 1974.

AB’ SABER, A. N. Regiões de Circundesnudação Pós-Cretácea, no Planalto brasileiro. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, p. 1-21. 1949.

CAMARGO, A. P. CAMARGO, M. B. P. Uma Revisão Analítica da Evapotranspiração Potencial. Bragantia. Campinas; 59 (2), 125-137, 2000.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Brasil em Relevo: Monitoramento por Satélite. Download da SRTM. Brasília: EMBRAPA, 2014. Disponível em: (http://www.relevobr.cnpm.embrapa.br/). Acesso em 22 de Março de 2014.

FERNANDES, A. Fitogeografia brasileira: províncias florísticas. Fortaleza: Realce Editora e Indústria Gráfica, 2006.

FERREIRA, A. G.; MELLO, N. G. S. Principais sistemas atmosféricos atuantes sobre a Região Nordeste do Brasil e a influência dos Oceanos Pacífico e Atlântico. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, Associação Brasileira de Climatologia, ano 1, p.15-28, 2005.

FUNCEME. Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos. Base de dados pluviométricos. Fortaleza: FUNCEME, 2014. Disponível em (http://www.funceme.br) Acesso em 5 de Fevereiro de 2014.

FUNCEME. Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos. Imagens orbitais de sensoriamento remoto. Fortaleza: FUNCEME, 2015. Disponível em (http://www.funceme.br) Acesso em 10 de Março de 2015.

IPECE. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Estado do Ceará. Ceará em Mapas: Informações Georrefenciadas e Espacializadas do Estado do Ceará (Meio Ambiente). Fortaleza, 2014. Disponível em http://www2.ipece.ce.gov.br/atlas/). Acesso em 25 de abril de 2014.

MONTEIRO, C. A. F. Teoria e clima urbano. São Paulo: IGEOG-USP, 1976.

MOURA, J. R. Geomorfolgia do Quaternário. In: GUERRA, A.J.T & CUNHA, S. B (Org.). Geomorfologia uma atualização de bases e conceitos, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 3º ed,1998. Capítulo 8, p. 335-364.

ROLIM, G.S.; SENTELHAS, P.C.; BARBIERI, V. Planilhas no ambiente EXCEL para os cálculos de balanços hídricos: normal, sequencial, de cultura e de produtividade real e potencial. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v.6, p.133-137, 1998.

SOUZA, M. J. N. Bases naturais e esboço de zoneamento geoambiental do estado do Ceará. In: LIMA, L. C., SOUZA, M. J. N., MORAES, J. O. (Org.). Compartimentação territorial e gestão regional do estado do Ceará. Fortaleza: Editora FUNECE, 2000. Capítulo 1, p. 6-104.

SOUZA, M. J. N. Contribuição ao estudo das unidades morfoestruturais do Estado do Ceará. Revista de Geologia. Fortaleza: (nº 1) Edições Universidade Federal do Ceará, p 73-91, 1988.

SOUZA, M. J. N; OLIVEIRA, V. P. V de. Os enclaves úmidos e subúmidos do semiárido do Nordeste brasileiro. MERCATOR – Revista de Geografia da UFC. Fortaleza, ano 5, nº 9, p. 85-102. 2006.

THORNTHWAITE, C.W.; MATHER, J.R. The water balance. Centerton, NJ: Drexel Institute of Technology – Laboratory of Climatology, 1955.

ZANELLA, M. E. Considerações sobre o Clima e os Recursos Hídricos do Semiárido Nordestino. Caderno Prudentino de Geografia. Presidente Prudente – São Paulo. V. especial, p 125-142. Associação dos Geógrafos brasileiros, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v39i0.41915

Direitos autorais 2017 RA'E GA - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009