Um desvio do sentido: o primitivo e o civilizado em Bergson

Rita Paiva

Resumo


O intuito deste texto é explorar o modo pelo qual, em seu último livro, Bergson afasta-se dos significados  atribuídos à condição de civilizado e de primitivo seja no âmbito do senso comum, seja nas ciências a ele contemporâneas. Pretende, pois, mostrar que o filósofo só logra  desviar-se  dos sentidos assim cristalizados pela linguagem se, esquivando-se da circunscrição estrita a certas regiões do saber,   ousar uma transgressão metodológica que, para além da objetividade científica, a um só tempo realize um esforço de introspecção e contemple a perspectiva mais geral da vida. Nesse movimento, irrompe a noção de “função fabuladora”, reveladora de  uma dimensão arcaica do primitivo, a qual não apenas persevera no civilizado, mas se constitui, em última instância, como um dos elementos que viabiliza a sobrevivência da espécie. Ademais, veremos que, segundo o autor, atributos em geral associados ao desenvolvimento da civilização, ao homem ocidental e contemporâneo são igualmente experienciados pelos assim chamados primitivos ou incivilizados.

Palavras-chave


Civilização, primitivo, psicologia, biologia, fabulação, inteligência

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dp.v14i2.52001