CINEMA E CINEASTAS EM TEMPO DE GETÚLIO VARGAS

Anita Simis

Resumo


O texto a seguir tem por objetivo mostrar as múltiplas implicações da relação entre Estado e cinema no Brasil à luz da análise da política cultural do período compreendido entre 1930 e 1945. Privilegiando os aspectos econômicos, legislativos e, principalmente, políticos relacionados com o cinema, procuro mostrar que, num primeiro momento, havia um projeto do Estado para o desenvolvimento de uma indústria cinematográfica — estável e permanente — e explicar porque esta via não foi trilhada pelos cineastas. Por outro lado, com o advento do Estado Novo, as influências patrimonialistas e as concessões pleiteadas pelos produtores se atenderam às pressões das principais empresas cariocas, igualmente legitimaram e fortaleceram um modelo de intervenção estatal.


Texto completo:

PDF


Revista de Sociologia e Política. ISSN: 0104-4478 (versão impressa)
1678-9873 (versão online)