A POLÍTICA DOS DISCURSOS POLÍTICOS: AS DUAS RETÓRICAS DA SEGURANÇA PÚBLICA DO PARANÁ

Fábia Berlatto

Resumo


O artigo apresenta e discute o discurso da "segurança pública" tal como formulado e difundido pelaSecretaria de Segurança Pública do Estado do Paraná. Esse discurso, parte importante da própria políticade segurança pública, é analisado aqui como um dispositivo de controle social perverso. O uso do adjetivo“perverso” refere-se a um tipo de controle social que ao invés de primar pelo bem-estar social, investesimultaneamente na defesa retórica dos direitos humanos, na exaltação de critérios técnico-científicos de“guerra” ao crime, assim como em ações práticas de combate legal da pobreza. Essa estratégia faz parte deuma luta simbólica cujo efeito é, antes de tudo, criminalizar o Outro. No caso em análise, esse Outro é opobre. Minha hipótese é que essa prática discursiva mobiliza duas doxas diferentes, direcionadas a públicostambém diferentes. Sugiro que a adesão a essas doxas, dos direitos humanos e do combate técnico aocrime, estão ligadas a um jogo cujas regras são dadas pelas lutas no campo político. Esse processo faz partenão só do mecanismo de manutenção do monopólio do uso legítimo da força física e simbólica pelo Estado,mas também da luta político-eleitoral daqueles agentes do Estado que formulam e pronunciam esse novodiscurso da segurança pública.

Palavras-chave


segurança pública; direitos humanos; controle social; controle social perverso

Texto completo:

PDF


Revista de Sociologia e Política. ISSN: 0104-4478 (versão impressa)
1678-9873 (versão online)